Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Mudanças nos currículos escolares “emagrecem” a História e tornam Matemática “um conjunto vazio”

JOSÉ CARLOS CARVALHO

No 9.º ano de escolaridade desaparece dos objetivos de aprendizagem da disciplina de História tanto a descrição do processo de adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), como os efeitos no país dos fundos comunitários recebidos

Com a entrada em vigor das ditas “Aprendizagens Essenciais” (AE) no próximo ano letivo, que virão substituir as metas curriculares aprovadas pelo Ministério de Nuno Crato em 2012, o ensino das disciplinas de História e Matemática poderá mudar de forma significativa, avança o “Público” esta quarta-feira.

A História, de acordo com os documentos que se encontram em consulta pública, sairá “emagrecida”: por exemplo, no 9.º ano de escolaridade desaparece dos objetivos de aprendizagem, tanto a descrição do processo de adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), como os efeitos no país dos fundos comunitários recebidos.

Segundo o matutino, apesar de o Ministério da Educação ter vindo a insistir que as AE foram elaboradas com base nos documentos curriculares em vigor, o desaparecimento de conteúdos nos novos referenciais é visível. Entre muitos outros temas, na História, irá deixar de ser ensinada a herança da presença muçulmana na Península Ibérica, o que ficou como marcas do mundo romano ou, já sobre a atualidade, as características do regime estalinista na então União Soviética, revela o jornal.

No programa curricular da Matemática, o cenário é um pouco diferente, mas, à mesma, caótico. Jorge Buescu, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) e que foi afastado pelo Governo da preparação das AE para aquela disciplina, fala em “catástrofe absoluta”.

“Não é possível comparar estas propostas com as metas, já que as aprendizagens essenciais são paupérrimas em termos de conteúdos. Em linguagem matemática diria que são um conjunto vazio, com o qual cada professor poderá fazer o que quiser” e que, “por serem tão vagas, impedem que se identifique se há conteúdos que despareceram ou não”, atirou.