Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Bloco faz ultimato a Centeno devido à revisão do défice

Tiago Miranda

Bloquistas esperam que o ministro das Finanças recue na intenção de ir além das metas do défice definidas com Bruxelas e que use a folga financeira para investir em serviços públicos

Passados quatro meses sobre o início da execução do Orçamento do Estado (OE) acordado com os parceiros da esquerda para este ano, Mário Centeno fez um movimento surpresa: decidiu, via Programa de Estabilidade (PE) que vai dar entrada no Parlamento esta sexta-feira, rever a meta do défice.

Segundo revela o “Público” esta quarta-feira, esta alteração está a gerar muitas críticas dirigidas ao ministro das Finanças, em particular do Bloco de Esquerda.

Mais: caso Centeno não recue na iniciativa de rever o défice de 1% ou 1,1% para 0,7% até esta sexta-feira, o Governo não poderá contar com o apoio da bancada do BE nas votações do Programa de Estabilidade.

Os quatro pontos percentuais que separam a meta inicial do défice do valor revisto representam cerca de 600 a 800 milhões de euros. Os bloquistas esperam que o ministro das Finanças recue na intenção de ir além das metas do défice definidas com Bruxelas e que use essa folga para investir em serviços públicos.

“Há um compromisso político traduzido na meta do défice. Quando negociámos e o Governo nos disse que não poderia haver mais despesa, negociámos sempre com a meta de 1,1%. Quatro meses depois, o plafond aumentou e, em vez de executar despesa, o Governo quer abater no défice para apresentar 0,7%, um número além do que foi acordado com Bruxelas”, reage Mariana Mortágua, deputada do Bloco, em declarações ao matutino.

Catarina Martins, líder do partido, diz ao “Público” que espera que haja margem para negociação, tal como tem acontecido até agora. “Tudo o que nós queremos é que os compromissos se mantenham".

“Que se mantenha o espírito de negociação, de convergência e de cumprir os compromissos que tivemos até agora na maioria parlamentar”, conclui.