Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Governo já negoceia redução da duração dos contratos a prazo

Um cenário de redução do tempo máximo dos contratos a prazo dos atuais três anos para os dois anos, encontra mais abertura em algumas confederações patronais do que um aumento da Taxa Social Única (TSU)

O Governo já deu início às conversas com os parceiros sociais sobre a melhor forma de reduzir a precariedade laboral no país, uma exigência de Bruxelas; em cima da mesa estão dois cenários: a redução do tempo máximo dos contratos a prazo e a limitação das situações que podem justificar o seu uso.

Esta informação é avançada pela Comissão Europeia, no mais recente relatório onde faz uma avaliação da governação em áreas consideradas críticas, revela o “Jornal de Negócios” esta quinta-feira.

Pelo que o “Negócios” apurou, um cenário de redução do tempo máximo dos contratos a prazo dos actuais três anos para os dois anos, encontra mais abertura em algumas confederações patronais do que um aumento da Taxa Social Única (TSU) como a princípio havia pensado o Governo.

Tal como já havia sido avançado pelo mesmo matutino, a modulação da taxa social única (TSU) deverá ficar pelo caminho depois de o PCP e o Bloco de Esquerda recusarem que a subida da TSU sobre contratos a prazo seja compensada com a sua redução para os contratos sem termo.