Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Fundo de Resolução dá como perdidos os €4,9 mil milhões injetados no Novo Banco em 2014

João Carlos Carvalho

Pela primeira vez, o Fundo de Resolução “assumiu” que perdeu o valor com que capitalizou o Novo Banco

A venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star não serviu de quase nada para estancar os gastos do Fundo de Resolução em 2014, a quando da queda do Banco Espírito Santo. Segundo o “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, o Fundo de Resolução já declarou como perdidos os 4,9 mil milhões de euros que injectou no Novo Banco há quatro anos.

Esta decisão contabilística costa do relatório de contas de 2016 e foi tomada já após a venda do Novo Banco à Lone Star, operação que ocorreu em março de 2017; desde então, o Fundo de Resolução passou a apresentar uma situação patrimonial deficitária: os recursos próprios têm um valor negativo de 4,8 mil milhões de euros.

“Em 31 de dezembro de 2016, os recursos próprios do Fundo de Resolução apresentavam um saldo negativo de 4.760 milhões de euros, valor que compara com o saldo negativo de 112 milhões de euros de recursos próprios observado no final do exercício de 2015”, lê-se no relatório que foi disponibilizado no site oficial do Fundo de Resolução no final do ano passado.

Esta é a primeira vez que o Fundo de Resolução assume que perdeu o valor com que capitalizou o Novo Banco, como acusavam alguns economistas. Até agora, o Fundo dizia não ter condições para calcular as perdas.

Os 4.760 milhões de euros em causa correspondem, quase na totalidade, à diferença entre o activo e o passivo do Fundo de Resolução. Mais: é um valor superior ao que o Fundo de Resolução pediu emprestado à banca – cerca de 700 milhões de euros - e ao Tesouro do Estado – 3,9 mil milhões de euros.

O Fundo de Resolução tem até 2046 para reembolsar estes empréstimos.