Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Fernando Medina adjudicou obras de €5,5 milhões à Teixeira Duarte desde que comprou imóvel de familiar da construtora

tiago miranda

Antes das adjudicações deste ano, o Portal BASE regista apenas tem mais três contratos entre o município e a Teixeira Duarte

A pouco mais de duas semanas das eleições autárquicas, Fernando Medina foi sugado para o centro de uma polémica e pode ter o seu mandato em causa, avança o “i” esta quarta-feira.

Soube-se na terça-feira que o autarca, que substituiu António Costa na gestão do município, comprou um duplex na Av. Luís Bívar, em Lisboa, no ano passado, a Isabel Maria Calainho de Azevedo Teixeira Duarte, uma das netas do fundador da construtora Teixeira Duarte. A compra do imóvel foi avançada pela “Sábado” e pelo “Observador”, que revelaram que o duplex – financiado graças a uma hipoteca – custou ao autarca e à mulher 645 mil euros, um valor muito abaixo do preço de mercado naquela zona.

Para além disto, Medina terá declarado ao Tribunal Constitucional (TC) ter dado um sinal de 220 mil euros pelo o imóvel, mas não atualizou a sua declaração patrimonial quando a compra foi efetivada, a 27 de setembro do ano passado. Segundo o “Observador”, este incumprimento mesmo após retificação junto do TC, requer avaliação por parte do Ministério Público e pode dar azo a perda do mandato.

Desde 2015 que a Teixeira Duarte não ganhava concursos

Depois de ter adquirido o duplex em causa no ano passado, enquanto presidente da câmara de Lisboa, Medina adjudicou já em 2017 as obras de reparação do viaduto e miradouro de S.Pedro de Alcântara, por ajuste direto, no valor de 5.529.726,44 euros à Teixeira Duarte.

A autarquia justificou a decisão de prescindir de concurso público para as obras de reparação do miradouro por estarem em causa “valores de ordem pública, relativos à salvaguarda de pessoas e bens, face ao risco iminente de deslizamento de terras locais ou globais”, lembra o “i”, e disse ter auscultado informalmente outras quatro empresas por orçamentos.

A ex-proprietária da nova casa de Medina chegou, em tempos, a deter uma participação na construtora, mas no último relatório do governo de sociedade da Teixeira Duarte, referente a 2016 e disponibilizado pela CMVM, Isabel Maria Teixeira Duarte já não surge na estrutura acionista. Ainda assim, esta é irmã de um dos diretores da Teixeira Duarte e prima direita do presidente da construtora,lembra o matutino.

Para aumentar as suspeitas sobre Fernando Medina, soma-se o facto que desde 2015 que a autarquia não fechava nenhum contrato com a Teixeira Duarte.

Mais: antes das adjudicações deste ano, o Portal BASE contém apenas tem mais três registos de contratos entre o município e a construtora. Só um deles foi feito já com Fernando Medina à frente da câmara, em novembro de 2015. Tratou-se de uma aquisição de serviços para introdução de dados em relatórios geológicos, por ajuste direto, no valor de 68 898,80 euros.

  • Medina não declarou compra de apartamento de 645 mil euros

    O presidente da Câmara Municipal de Lisboa não declarou a compra de um apartamento no valor de 645 mil euros ao Tribunal Constitucional. Segundo o Observador, Fernando Medina declarou o pagamento de um sinal de 220 mil euros, mas não atualizou a declaração de rendimentos quando efetivou a compra do imóvel.