Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Grupo de trabalho para as comissões bancárias está parado há mais de um ano

Laszlo Balogh / Reuters

Desde março do ano passado que o grupo de trabalho está parado e não integra, neste momento, nenhum elemento do PS

Os aumentos das comissões bancárias anunciadas pela Caixa Geral de Depósitos voltaram a pôr o tema das taxas cobradas pelos bancos em cima da mesa. Mas o “Grupo de Trabalho - Conta Base e Condições dos Contratos de Crédito”, criado a 13 de janeiro de 2016 para lidar com este problema, não regista qualquer atividade há mais de um ano, avança o “Jornal de Negócios” esta quarta-feira.

De acordo com a informação disponível no site do Parlamento, desde março do ano passado que o grupo está parado, sem integrar, neste momento, nenhum elemento do PS. No princípio, fizeram parte dele Ana Passos e Eurico Brilhante Dias, mas estes deputados estão agora ao Governo de António Costa.

“Na altura, terá havido da parte do PS uma manifestação de que o governo iria apresentar uma iniciativa sobre o mesmo tema em breve”, explicou Miguel Tiago, deputado do PCP, ao “Negócios”. “Mas não vamos ficar eternamente à espera e devemos agarrar no tema já no início da próxima sessão legislativa”, frisou.

Segundo Carlos Silva, deputado do PSD, “o grupo de trabalho está activo e em condições de poder continuar a trabalhar", explicou Carlos Silva. A actividade do grupo deverá ser retomada com o reinício da actividade parlamentar, dado que o Bloco de Esquerda e o PCP apresentaram um novo projecto de lei neste âmbito, explicou.

Tanto o projeto de lei do BE como no PCP têm como objectivo é obrigar todos os bancos a disponibilizar contas-base e também impedir a cobrança de comissões nestas contas.