Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Pedro Nuno Santos: falar em relação entre o incêndio em Pedrógão Grande, o assalto em Tancos, e a austeridade é “oportunismo político”

Marcos Borga

Para o secretário de Estado, estabelecer qualquer tipo de relação entre estes eventos e a situação financeira do país é “oportunismo político”

“Não temos informação, antes pelo contrário, que o assalto em Tancos e o incêndio em Pedrógão Grande sejam acontecimentos motivados pela austeridade presente ou passada”, disse Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, em entrevista à “TSF” esta quarta-feira.

Para o secretário de Estado, estabelecer qualquer tipo de relação entre estes eventos e a situação financeira do país é “oportunismo político”. E aponta baterias ao PSD e ao CDS: foi no anterior Governo que “serviços públicos sofreram os maiores cortes dos últimos anos”, disse.

“Já assisti a festivais e a uma final da supertaça”

Pedro Nuno Santos admite já ter recebido alguns presentes, tal como os três secretários de Estado que foram exonerados esta semana. “Fui a festivais de música e fui assistir a uma final da supertaça. Mas não tenho por hábito assistir a jogos de futebol”, disse.

Para o socialista, isto não levanta qualquer problema. “Não tem nada de errado, mas a sociedade mudou a forma como perceciona este tipo de prendas”, explicou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. Porém, foi devido a isso que o Governo decidiu criar um código de conduta que regule os presentes que os titulares de cargos políticos podem ou não podem receber, justificou.