Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Teresa Leal Coelho: Executivo de Medina “tem funcionado sobretudo como um fundo de especulação imobiliária”

tiago miranda

De acordo com a deputada do PSD, entre 2007 e 2016, apesar do encaixe de 286 milhões de euros, a autarquia de Lisboa reduziu a dívida num valor inferior

Se Teresa Leal Coelho for eleita presidente da Câmara de Lisboa, a sua prioridade será “fixar pessoas na cidade”, o contrário do que se tem passado nos últimos dez anos, com António Costa e Medina. Mais: o executivo de Fernando Medina “tem funcionado sobretudo como um fundo de especulação imobiliária” em Lisboa, aponta a deputada do PSD e candidata à presidência de Lisboa, em entrevista ao “Jornal Económico” esta sexta-feira.

“[Medina] tem optado por colocar as frações que são propriedade da CML em hasta pública, como no próximo dia 14 de julho em que a licitação base será de 14 milhões de euros. Há dois meses atrás, as vendas feitas pela CML foram de 17 milhões. Por outro lado, ao contrário daquilo que é dito, a CML tem aumentado as taxas e as tarifas para os cidadãos de Lisboa. Apesar do memorando de entendimento celebrado entre a CML e o Governo, em 2007 a dívida da CML era de 604,3 milhões de euros e em 2016 passou a 333,2 milhões. Isto significa que reduziu a dívida em cerca de 271 milhões de euros, mas de acordo com o memorando de entendimento recebeu 286 milhões que serviam precisamente para a amortização de acordos de pagamento. E não o fez”, explicou a social-democrata.

De acordo com a deputada do PSD, entre 2007 e 2016, apesar do encaixe de 286 milhões de euros, a autarquia de Lisboa reduziu a dívida num valor inferior.

“Acresce ainda que os encargos para os munícipes aumentaram, com as taxas e tarifas. Em 2015/2016 houve um acréscimo de encargos por habitante de 28,8%, isto é, cada habitante de Lisboa paga mais 28,8% em taxas e tarifas. Têm que pagar a taxa de proteção civil, tarifa de resíduos urbanos, de saneamento e o adicional. Com uma gravidade muito particular: a taxa de proteção civil é inconstitucional, como nós dissemos desde o primeiro momento”, disse.