Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Santana Lopes: “Não vou dizer que o PSD está apático, mas que ainda está a acordar de um sonho mau, é manifesto”

Luís Barra

Segundo o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Passos Coelho “esforça-se” mas é “manifesto que é mais primeiro-ministro do que líder da oposição”

“O PSD passou por um ano e tal muito difícil. Ganhou as eleições e, de repente, viu nascer em Portugal uma solução que não considerava possível. Demorou a adaptar-se. Não vou dizer apático, mas que ainda está a acordar de um sonho mau, é manifesto”, diz Pedro Santana Lopes, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, em entrevista ao “Público” e à Rádio Renascença esta quinta-feira.

Segundo o ex-primeiro-ministro, Passos Coelho “esforça-se mas é “manifesto que é mais primeiro-ministro do que líder da oposição”. De qualquer forma, mesmo não sendo o líder ideal para este momento político, nem Rui Rio nem Morais Sarmento terão capacidade para lhe roubar a liderança do partido – uma possibilidade que tem sido falada nas últimas semanas.

“Não acredito. Porque Passos Coelho tem o apoio da grande maioria dos militantes. E os líderes do PSD são eleitos em diretas, ainda, não sei quanto tempo durará esse método de eleição, mas é assim. E se for, Passos Coelho ganhará”, antevê.

Autárquicas

Para Santana Lopes, as eleições “autárquicas não devem ter influência em questões nacionais” e Passos Coelho deve disputar as próximas legislativas. “Temos congresso para o ano e, portanto, não sei. Pelo que vou lendo, não sei se alguém se quererá abalançar a disputar a liderança independentemente de os resultados serem melhores ou piores”, assume.

Ainda na mesma entrevista, Santana diz não conhecer as ideias de Teresa Leal Coelho para Lisboa, algo que não considera normal quando já faltam poucos meses para as eleições. “Ainda para mais quando a mim me foi dito que se eu tivesse sido candidato a Lisboa teria que deixar a Misericórdia até fevereiro, março, comigo há sempre estas urgências todas. Estamos quase em julho. E o que é que lhes aconteceu? Estão em Marte? Estão em Júpiter?”, questiona.