Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

“Caixa negra” da Protecção Civil revela pessoas cercadas pelo fogo e sem assistência por falhas no SIRESP

rui duarte silva

Devido às falhas de comunicação, pelo menos dez pessoas não tiveram ajuda ou tiveram uma assistência tardia nas primeiras horas da grande expansão dos fogos em Pedrógão Grande

Tudo o que se passou em Pedrógão Grande está longe de estar esclarecido, mas cada vez mais vão surgindo provas de erros nos procedimentos, equipamentos, de resposta ao incêndio trágico. De acordo com a “fita do tempo” das comunicações registadas pela Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC), que o “Público” revela esta terça-feira, as comunicações do SIRESP falharam quase por completo nas primeiras horas do incêndio, o que terá impedido a ajuda a algumas populações em perigo.

Pelas contas do matutino, pelo menos dez pessoas não tiveram ajuda ou tiveram uma assistência tardia nas primeiras horas da grande expansão dos fogos, devido às falhas de comunicação.

No final da tarde de sábado, com incêndio a agravar-se, começaram a chegar vários pedidos de ajuda de pessoas cercados pelas chamas. Porém, muitos não tiveram resposta devido às falhas nas comunicações, especialmente da rede SIRESP. Ao mesmo tempo, estas falhas provocaram o caos entre as diversas forças envolvidas no combate, que não conseguiam comunicar entre si.

A “fita do tempo” resulta do Sistema de Apoio à Decisão Operacional (SADO) da ANPC - na prática, funciona como uma espécie de “caixa negra” que permite registar, entre outros parâmetros, a sequência ordenada dos principais acontecimentos e decisões operacionais. Segundo o “Público”, estes registos foram disponibilizados a António Costa logo no dia 23 deste mês.

Logo na primeira comunicação registada pela “caixa negra”, a ANPC informa que o 112 comunicou existirem “três vítimas no interior de uma habitação”. “São da zona do Porto, estão numa habitação devoluta, cercadas pelo incêndio na localidade de Casalinho, não conseguem sair sozinhas. Tentamos contacto com o posto de comando e com 2.º CODIS [Comando Operacional Distrital de Operações de Socorro], sem sucesso.”