Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

PSD apreensivo com a escolha de Costa para a liderança das Secretas

O diplomata é acusado de mentir sobre a saída intempestiva da comitiva portuguesa de Timor-Leste a 9 de Setembro de 1999

A nomeação do novo chefe do Sistema de Informação da República Portuguesa (SIRP), José Júlio Pereira Gomes, tornou-se o centro de uma discussão afincada no Parlamento na última semana, após terem sido levantadas questões sobre a legitimidade política deste. Para já, António Costa ainda não mostrou intenções de repensar a sua escolha – mas o PSD está apreensivo, conta o “Público” esta sexta-feira.

Ana Gomes, eurodeputada do PS, e Luciano Alvarez, jornalista do “Público”, acusam-no de mentir sobre a saída intempestiva da comitiva portuguesa de Timor-Leste a 9 de setembro de 1999, por decisão do embaixador, então chefe da missão de observação portuguesa ao referendo popular do mesmo ano –tanto a eurodeputada como o jornalista faziam parte da comitiva em Timor-Leste.

“José Júlio Pereira Gomes mente quando diz que a saída dos observadores aconteceu por ‘ordem expressa’ do Governo; e mente quando afirma: ‘Todos os timorenses – e seus familiares – que tinham trabalhado com a nossa missão de observação e connosco se tinham refugiado nas instalações da UNAMET foram evacuados [retirados] connosco e em virtude da nossa intervenção’”, acusou Luciano Alvarez.

Já Ana Gomes diz faltar a Pereira Gomes o “perfil psicológico”. A eurodeputada assume ter dúvidas de que o diplomata “tenha capacidade para aguentar situações de grande pressão” e insiste que “não inspira confiança e autoridade junto dos seus subordinados nos serviços de informações.”

Pelo que apurou o matutino, o PSD, “tendo em conta as últimas revelações, está a acompanhar o tema com muita apreensão”. Esta declaração tem particular relevância, dado que o novo chefe das Secretas terá ser ouvido no Parlamento antes de ser empossado.

Questionado pelo “Público”, António Costa garante que mantém a decisão de nomear o novo chefe do SIRP. “A proposta de indigitação fala pela confiança que tenho no embaixador José Júlio Pereira Gomes para o desempenho das funções para que agora é proposto”, responde.