Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Dias Loureiro: “Cavaco Silva não se portou bem comigo”

rui ochôa

O antigo conselheiro de Estado de Cavaco Silva não gostou das “insinuações” no despacho de arquivamento do Ministério Público, recentemente noticiado

Dias Loureiro está “magoado para a vida” com Cavaco Silva, confessa o antigo conselheiro de Estado e ex-dirigente do PSD, em entrevista ao “Diário de Notícias” esta sexta-feira. “Eu dei ao professor Cavaco Silva tudo o que tinha de melhor, acho que ele não se portou bem comigo e portanto acabou”, disse.

Há oito anos que o social-democrata não falava com jornalistas. Passados poucos dias do Ministério Público ter arquivado o inquérito que o indiciou por burla, branqueamento e fraude fiscal, a voz do Dias Loureiro fez-se ouvir: queixa-se do abandono de Cavaco Silva, após ter sido indiciado no processo, e o teor do despacho de arquivamento. “Neste processo todo, perdi um amigo. Tenho pena de o ter perdido. E fui eu que rompi. Disse: 'não quero assim'”, disse Dias Loureiro.

Despacho do Ministério Público

Dias Loureiro não gostou das “insinuações” no despacho de arquivamento ministério público, que já veio a público. “Como me viram durante oito anos a vida toda de fio a pavio - e muito bem, eu até fiquei contente que vissem tudo para que não houvesse nenhuma suspeita e investigassem, investigassem, investigassem -, eu dei todos os elementos para poderem investigar e acabassem por ver que não havia nenhuma suspeita”, justificou.

O futuro do PSD

O país precisa de alguém que seja líder… mas Dias Loureiro não avança nomes. “O PSD é um partido de oposição, tem de fazer propostas concretas. Eu acho que a questão toda é aparecer em Portugal alguém que explique aos portugueses, que seja líder suficiente para dinamizar e explicar aos portugueses um projeto que seja de sucesso, de criação de riqueza. Eu às vezes rio-me porque ouço que é o turismo, não, Portugal está numa situação em que tem de criar riqueza em tudo o que puder criar riqueza. No mar, na terra, na agricultura, o nosso PIB agrícola é ridículo, comparado com o de Espanha é super-ridículo, digamos assim, portanto nós temos de ganhar dinheiro em tudo. Nós estamos a endividar-nos, devemos dinheiro temos de pagar e devemos cada vez mais”, disse.