Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Estado dá garantia de quatro mil milhões de euros à Lone Star

Tiago Miranda

O Estado terá concordado que o Fundo de Resolução preste uma garantia de quase quatro mil milhões de euros sobre os ativos considerados problemáticos e que estão integrados no ‘side bank’, avança o jornal online ECO

Mário Centeno disse que esta sexta-feira ia anunciar todos os detalhes da venda do Novo Banco, mas já há informações a circular sobre este negócio que prometem levantar muitas questões. De acordo com jornal online “ECO”, o Fundo de Resolução vai ficar com 25% das ações do Novo Banco, tal como já era esperado, e vai, em simultâneo, prestar uma garantia de quase quatro mil milhões de euros sobre os ativos considerados problemáticos e que estão integrados no chamado ‘side bank’, apurou o matutino junto de fontes que estão envolvidas nas negociações.

Desde o início das negociações com os norte-americanos, as garantias públicas foram o principal ponto de discussão entre o Banco de Portugal e a Lone Star. O ministro das Finanças havia traçado uma linha vermelha logo no início: não poderia haver uma garantia do Estado no negócio.

Segundo o jornal online, a contragarantia do Estado sobre uma garantia do Fundo de Resolução na venda do Novo Banco caiu, como era exigido - mas a garantia do Fundo de Resolução não. Sendo que o Fundo de Resolução, que conta com contribuições das várias instituições financeiras que operam no país (incluindo os bancos privados), é gerido e foi criado pelo Estado pode haver um risco de responsabilidades futuras associadas a este negócio.

Quando o processo de venda do Novo Banco arrancou em janeiro de 2016, houve uma divisão informal na instituição entre o que é a operação ‘core’ e um ‘side bank’ - esta segunda divisão integra não só os ativos maus como outros créditos e operações que não são considerados na operação central do banco.

O ‘side bank’, que terá de ser vendido nos próximos cinco anos por imposição da Direção Geral da Concorrência (DGComp) europeia, estava avaliado em nove mil milhões de euros no final de 2016.