Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Reator nuclear do Instituto Superior Técnico em Loures não tem plano de segurança

Há três anos, a Comissão Reguladora para a Segurança das Instalações Nucleares detetou a falta de um plano de segurança para o reator nuclear da faculdade

O polo do Instituto Superior Técnico na Bobadela, Loures, tem um reator nuclear (Reator Português de Investigação – RPI), para fins de investigação académica, sem plano de segurança em caso de emergência desde 2014, avança o “Correio da Manhã” esta quinta-feira.

Há três anos, a Comissão Reguladora para a Segurança das Instalações Nucleares (COMRSIN) detetou esta falha e advertiu a faculdade para a elaboração de um plano de emergência externo. Mas tal nunca veio a acontecer.

“O reator está a funcionar desde 1961 e nunca teve um plano de emergência para a população saber o que fazer em caso de acidente. A COMRSIN foi criada em 2012, e como órgão regulador certificámos o RPI em 2014. Notificámos o Técnico para trabalhar com a Proteção Civil, para criarem o plano”, diz António Fonseca, presidente da COMRSIN, ao matutino.

Tendo em conta que se trata de um reator para investigação, este plano de segurança deveria aplicar-se a toda a área, num raio máximo de 300 metros envolvente do polo do Instituto Superior Técnico.

Este reator está instalado junto à estrada EN10 e, nas proximidades, existe uma densa área de habitação e de comércio.