Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Queda no desemprego em 2016 poupou €1200 milhões ao Estado

“Finalmente o desemprego está a baixar devido ao aumento do emprego em termos líquidos”

TIAGO MIRANDA

Entre janeiro e dezembro de 2016, saíram dos cofres públicos 1,51 mil milhões de euros para a prestação paga aos desempregados, menos 1200 milhões que em 2015

Com a taxa de desemprego (10,2%) relevada na última semana pelo INE a atingir um mínimo dos últimos sete anos, o Governo ganhou motivos de regozijo: as contas do Estado ficaram mais magras. Entre janeiro e dezembro de 2016, saíram dos cofres públicos 1,51 mil milhões de euros para a prestação paga aos desempregados, menos 1200 milhões do que no ano anterior, contabiliza o “Diário de Notícias” esta segunda-feira.

Para encontrar um ano em que o Estado tivesse gasto tão pouco com o subsídio de desemprego é preciso recuar a 2008, ainda antes da crise financeira que abalou o mundo e da passagem da troika por Portugal.

Ao todo, desde o pico do desemprego em 2013, os gastos com o subsídio para trabalhadores sem ocupação caíram 45%; nesse ano, a despesa do Estado com o subsídio desemprego atingiu o recorde histórico de 2,74 mil milhões de euros.

A retoma da atividade económica contribuiu para a melhoria, mas “as mudanças nas regras das prestações de desemprego terão tido algum efeito complementar na redução da despesa, designadamente a redução da duração das prestações”, assume fonte do Ministério do Emprego e da Segurança Social em declarações ao “DN”.

Há uma discrepância clara nos números: se o número de desempregados inscritos na Segurança Social desceu 30,5% nos últimos três anos, os beneficiários do subsídio de desemprego diminuíram 41,5%. Na prática, a taxa de cobertura da prestação nunca foi tão baixa: em 2016 apenas 46,5% dos desempregados inscritos nos centros de emprego recebiam subsídio.