Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

O “comando chileno” e os 60 ladrões

Grupo de 60 assaltantes profissionais é suspeito de estar ligado ao assalto milionário à casa do ex-futebolista Luís Figo, em Madrid, de onde foram roubados meio milhão de euros em relógios e joias. Foram detidos cinco suspeitos em Portugal na terça-feira

Profissionais, como uma empresa de mudanças. Metódicos, como quem segue o guião de um filme. Um comando chileno com cerca de 60 assaltantes, especializados em furtos cirúrgicos e milionários a casas de luxo, anda à solta em Portugal, avançam esta quinta-feira o “Correio da Manhã” e o “Jornal de Notícias”.

Dos assaltos já realizados de que são suspeitos, destaca-se o realizado na casa do comendador António Rodrigues, em Oliveira de Azeméis, de onde terão sido roubados dez milhões de euros em joias. O mesmo grupo é ainda suspeito de estar ligado ao assalto milionário à casa do ex-futebolista Luís Figo, em Madrid, de onde foi roubado meio milhão de euros em relógios e joias.

Pelo que apurou o “CM”, este grupo chegou a Portugal vindo de Espanha, em carros roubados; tem base em Barcelona e subdivide-se em células responsáveis por uma série de assaltos a casas.

Esta terça-feira, a PSP e a GNR – que trabalham juntas na investigação e perseguição ao grupo – deteve cinco operacionais deste bando, quatro argentinos e um chileno, entre os 23 e os 40 anos, na zona do Patacão, Faro. Estes estavam em Portugal há seis meses com vistos turísticos.

Três dos suspeitos foram detidos quando circulavam num Mercedes roubado e os outros dois foram intercetados numa casa arrendada em Esteval, Loulé. Além do veículo, a GNR apreendeu mais duas viaturas e bens furtados (ourivesaria, relógios e afins), tudo no valor de 100 mil euros.

O “comando chileno”, nome pelo qual a organização ficou conhecida, age de forma metódica e muito rápida. Por regra, o grupo envia via correio o que rouba, de forma a libertar-se dos bens furtados. Durante a investigação, a GNR intercetou três encomendas desta “célula” sediada em Portugal: uma dirigia-se para Itália e as outras duas para o Chile.

O “CM” conta que uma delas, que pesa cerca de 17 quilos, poderá conter diversas peças valiosas furtadas na casa do comendador António Rodrigues, em Oliveira de Azeméis.