Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Responsáveis da Apollo em Lisboa para melhorar oferta pelo Novo Banco

© Rafael Marchante / Reuters

A Lone Star propõe-se a pagar 750 milhões de euros pelo Novo Banco, prevendo investir um valor igual no reforço de solidez da instituição. Para bater esta oferta, a aliança Apollo/Centerbridge terá de rever em alta a sua proposta financeira. Durante o processo de negociação, nunca foi conhecido o valor que o consórcio propôs pagar

Altos responsáveis do consórcio norte-americano que junta a Apollo e a Centerbridge chegaram nos últimos dias a Lisboa para melhorarem a sua oferta de compra para o Novo Banco, conta o “Jornal de Negócios” esta quarta-feira. Se tudo correr conforme o previsto, a decisão no Banco de Portugal sobre a venda do Novo Banco deverá ser tomada ainda hoje.

De forma a contrariar o favoritismo da Lone Star e num sprint de última hora, representantes do consórcio Apollo/Centerbridge chegaram a Portugal para inverter o sentido da venda. Com a saída do grupo China Minsheng da corrida pelo Novo Banco, ambos os fundos norte-americanos ganharam novo fôlego.

Pelo que o “Jornal de Negócios” apurou, o objectivo do esforço final que está a ser feito pela Apollo/Centerbridge é igualar, senão mesmo superar, a oferta financeira apresentada pela Lone Star.

A Lone Star propõe-se a pagar 750 milhões de euros pelo Novo Banco, prevendo investir um valor igual no reforço de solidez da instituição. Para além disso, propõe a criação de um veículo para parquear ativos do Novo Banco considerados de difícil cobrança e propõe-se gerir o risco e a eventual recuperação do capital com o Estado, o que exige um aval público e autorização da Comissão Europeia e do Governo.

Para bater esta oferta, a aliança Apollo/Centerbridge terá de rever em alta a sua proposta financeira. Durante o processo de negociação, nunca foi conhecido o valor que o consórcio se propôs a pagar.

  • Venda do Novo Banco será decidida quarta-feira

    O favoritismo, neste momento, está do lado do fundo norte-americano Lone Star. Contudo, o consórcio Apollo/Centerbridge pode surpreender à última hora, caso venha a rever a sua oferta. Este cenário poderá ganhar ainda mais força se a Holding Violas Ferreira vier a juntar-se àquele consórcio

  • Garantia do Estado exigida pela Lone Star é obstáculo à venda de Novo Banco

    A Lone Star, cuja proposta de compra do Novo Banco termina na próxima quarta-feira, exigiu uma contragarantia do Estado português que se situa entre os €2 mil milhões e os €2,5 mil milhões. Este é um dos obstáculos à proposta do fundo norte-americano e um dos nós a desatar, já que poderá ser considerado um auxílio de Estado e nesse sentido tem de ser analisado por Bruxelas. O Banco de Portugal corre contra o tempo para cumprir esta semana a venda do herdeiro do antigo BES. A proposta da China Minsheng Group perdeu terreno