Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Carlos Encarnação: PSD precisa de um “congresso extraordinário”

Tiago Miranda

Pedro Passos Coelho “devia perguntar-se qual é o papel dele no meio disto tudo” e se é o líder certo para o atual momento político, diz o antigo autarca, deputado e dirigente do PSD

A direção política e o conselho nacional do PSD deviam reunir-se, sugere Carlos Encarnação, antigo dirigente do PSD, deputado e ex-presidente da Câmara Municipal de Coimbra, em entrevista à “Antena 1” esta quinta-feira. “O que eu sei é que isto não está bem, e o que eu sei é que com o caminho que levamos não chegamos lá”, considera.

Para Carlos Encarnação, caso as suas sugestões fossem levadas a cabo, o que viria a acontecer seria um “congresso extraordinário”. O PSD teria, então, de se autoquestionar pelo caminho e discurso que está a levar. “As pessoas estão inquietas”. E o primeiro a analisar a sua consciência deveria ser mesmo Pedro Passos Coelho. “Devia perguntar-se qual é o papel dele no meio disto tudo”, aponta.

Questionado sobre se o ex-primeiro-ministro será o líder que o PSD precisa para o atual momento político, Carlos Encarnação diz que isso “é uma coisa que ele tem de pensar ele próprio”.

O ex-dirigente do PSD alerta o partido de estar a “dizer o mesmo para os mesmos há muito tempo, com o problema de os mesmos serem cada vez menos”. E assim o PSD não vai conseguir abalar o atual Governo, diagnostica.

Encarnação diz não acreditar num encostamento à direita e no uso exclusivo numa linguagem de direita. O social-democrata acredita que é preciso “reganhar o centro” e defende que devem ser feitos acordos com o PS, mas nunca com o objetivo de uma governação conjunta.