Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Marcelo contradiz Maria Luís Albuquerque sobre a banca: “Há que reconhecer o mérito do Governo”

ANTÓNIO COTRIM / Lusa

Na quinta-feira, Maria Luís Albuquerque acusou o Governo de não ter melhorado a situação da banca. Marcelo Rebelo de Sousa não concordou com as declarações da ex-ministra das Finanças e veio em defesa de António Costa, dizendo que é preciso reconhecer o merito das soluções encontradas

O PSD critica, o Presidente defende. Maria Luís Albuquerque critica, Marcelo Rebelo de Sousa defende. Esta tem sido uma dinâmica recorrente na política nacional desde que António Costa chegou ao poder, gerando várias quezílias momentâneas entre a direita e o Presidente da República.

Na quinta-feira, a ex-ministra das Finanças, em entrevista ao “Jornal de Negócios”, acusou o Governo de não estar “de todo” a resolver os problemas do sistema financeiro. “Aquilo a que estamos a assistir no sistema financeiro é um enorme ruído, uma enorme instabilidade”, disse.

Ainda no mesmo dia, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à “TSF” durante uma visita às novas instalações do Grupo Global Media, veio deitar água por cima da poeira levantada por Maria Luís Albuquerque. “Há que reconhecer o mérito do Governo e dos agentes, em particular o Banco de Portugal, que tiveram de equacionar tudo ao mesmo tempo”, reiterou.

Onde Maria Luís Albuquerque disse estar um “problema sério de transparência” devido ao Governo ter optado por “divulgar [a reestruturação da Caixa] a partir dos jornais em parcelas”, Marcelo escolheu enaltecer a “serenidade e maturidade” dos portugueses “para garantir a estabilização do sistema financeiro”.

“É verdade que os portugueses não têm noção do que são estes planos, vão conhecendo aos poucos”, disse o Presidente. Mas isso porque, sublinhou, “em nenhum país do mundonenhum banco consegue eficazmente fazer uma reestruturação estando ao mesmo tempo a debater na praça pública se despede aqui, se fecha ali, se reduz acolá”, afirmou.

O Presidente da República lembrou que no início do ano “havia vários problemas no sistema financeiro” e que houve tempos, “entre abril e o outono”, em que acompanhou com “atenção e preocupação” a situação da banca. Mas o Governo conseguiu, com “problemas de percurso” reconhecidos por ambas as partes, mas conseguiu, frisou.

Houve também pontos menos positivos, disse Marcelo, mas isso não quer dizer que as escolhas feitas na banca tenham sido más. “A concentração do debate sobre o estatuto da gestão [da CGD] antes de se debater a reestruturação e a recapitalização, acabou por criar um ruído que se prolongou alguns meses e apagou o que era essencial”, disse.