Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Apesar de uma redução de 11% desde 2008, BdP diz que há agências a mais no sistema financeiro

José Carlos Carvalho

Segundo a edição de outono do Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal, durante o período do ajustamento da troika, de 2011 a 2014, o sistema bancário “reduziu a sua utilização de recursos”, mas não o suficiente. Neste momento, existem cerca de 5,4 agências bancárias por cada dez mil habitantes

Portugal tem cerca de 5,4 agências bancárias por cada dez mil habitantes, indica a edição de outono do Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal (BdP) lançado esta quarta-feira, conta o “Diário de Notícias”. Este número representa um corte de 11% em relação a 2008, mas ainda assim o BdP defende que esta redução possa não ser suficiente para aumentar a rentabilidade das agências e reduzir custos operacionais de “forma estrutural”.

Segundo o relatório, durante o período do ajustamento da troika, de 2011 a 2014, o sistema bancário “reduziu a sua utilização de recursos” mas não o suficiente. De acordo com as métricas do BdP – número de balcões (por mil habitantes) e de trabalhadores (em percentagem da população ativa) –, a banca parqueada em Portugal surge classificada como “menos eficiente do que muitos sistemas bancários na Europa”. Só os custos operacionais consomem quase 40% da receita gerada pelos bancos, diz o BdP.

Embora o BdP reconheça o esforço de ajustamento até 2015, “a redução em ambas as métricas foram menores do que na média da União Europeia a 15 países e do que nos vários Estados membros considerados”, lembra o relatório.

“Note-se que o sistema bancário português, apesar da redução, manteve uma densidade de balcões claramente acima da média europeia, da Grécia e da Irlanda e apenas inferior ao caso espanhol”, acrescenta.

Em declarações ao matutino, Rui Riso, do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, diz lamentar esta ideia “infeliz”, que se for concretizada será “mais uma machadada na economia e no emprego”, pois “agudiza a desertificação do Interior do país”.