Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Caixa pode perder €900 milhões devido a aventura industrial de há 10 anos

A Caixa Geral de Depósitos arrisca-se a perder mais de 900 milhões de euros em operações empresariais montadas à volta do grupo do sector petroquímico La Seda Barcelona, devido a investimentos feitos há uma década

Há dez anos, quando José Sócrates era primeiro-ministro e Carlos Santos Ferreira e Armando Vara estavam à frente da Caixa Geral de Depósitos, investir no mercado petroquímico pareceu uma ideia interessante. E foi isso que a Caixa fez. Agora, o banco do Estado arrisca-se a perder mais de 900 milhões de euros à conta das operações empresariais montadas à volta do grupo do sector petroquímico La Seda Barcelona, avança o “Público” esta quarta-feira.

Entre 2006 e 2010, a empresa espanhola La Seda (produtora de poliéster termoplástico para fabricar garrafas e outros produtos em plástico) e as portuguesas Selenis (acionista da La Seda e fabricante de plásticos), Artlant (a fornecedora da La Seda) e Barbosa Almeida (acionista) cruzaram-se, lembra o matutino. Já no centro desta história esteve sempre a Caixa, que serviu de investidor e financiador, ao mesmo tempo, de algumas destas empresas.

Neste momento, a La Seda, a Artlant e a Selenis, que chegou a deter 24% da empresa catalã, integram a lista dos grandes devedores da CGD mas estão insolventes. A empresa espanhola pediu a proteção contra credores, a Artlant está ao abrigo de um Plano Especial de Revitalização e a Selenis declarou-se falida.

Na La Seda, a Caixa investiu 121,3 milhões de euros e deu financiamentos de 75 milhões; na Artlant, aplicou 25 milhões de euros e reclama créditos de 520 milhões; à Selenis, emprestou 165 milhões de euros.

Passados dez anos do primeiro investimento, a Caixa arrisca-se agora a perdas (em dívida e capital) superiores a 900 milhões de euros – quase 22% do esforço público de recapitalização que vai ser feito. Este é um dos principais problemas que António Domingues tem nas mãos para resolver nos próximos meses, sendo que o banco contabilizou mais de 6000 milhões de euros em créditos perdidos entre 2011 e 2015. Deste valor, 4200 milhões de euros resultam de empréstimos saídos da banca de investimento e da área de project finance, de onde partiram os créditos à La Seda.

Ainda segundo o “Público”, este tema poderia ter ficado fechado para a Caixa na última legislatura se o Governo de Passos Coelho tivesse dotado a instituição dos capitais solicitados pela anterior gestão liderada por José de Matos. Contudo, tal não veio a acontecer.