Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Banco China Minsheng formaliza proposta pelo Novo Banco

  • 333

A primeira tentativa de venda falhou e, nesta segunda ronda, não está fácil vender o banco que nasceu do fim do BES

José Carlos Carvalho

O banco chinês assume adquirir mais de 50% do Novo Banco com dispersão das ações sobrantes em bolsa e aumento de capital. Apesar do potencial de valorização, o Fundo de Resolução continua a preferir a alienação de 100% da instituição

O Banco de Portugal recebeu uma proposta do China Minsheng de aquisição de mais de 50% do Novo Banco, avança o “Público” esta quinta-feira. Segundo o matutino, a oferta chinesa chegou nos últimos dias – ao mesmo tempo que António Costa estava na China - e não é vinculativa.

O banco chinês assume adquirir mais de 50% do Novo Banco com dispersão das ações sobrantes em bolsa e aumento de capital. Esta proposta será avaliada num primeiro momento pelo Fundo de Resolução, que irá decidir se vai abrir negociações de venda.

Ao que tudo indica, esta proposta não será do agrado do Banco do Portugal, pois a dispersão em mercado foi sempre assumida como uma possibilidade de um plano B. A iniciativa chinesa decorre neste momento em paralelo com o concurso público de alienação de 100% do Novo Banco, que é disputado por cinco grupos: o BCP, o BPI, e três fundos norte-americanos de private equity, o Lone Star Funds e a Apollo associada ao Centerbridge Partners.

Enquanto a venda direta por concurso da totalidade do Novo Banco a um investidor estratégico permitiria retirar definitivamente de dentro do Fundo de Resolução as responsabilidades com o activo, uma via de mercado asseguraria, em princípio, maior potencial de valorização, mas implicaria que o Fundo de Resolução continuasse exposto.