Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Quatro fugas em quatro meses no aeroporto de Lisboa

  • 333

José Carlos Carvalho

Os quatro cidadãos – dois marroquinos e dois argelinos – chegaram a Portugal através de voos que faziam escala em Lisboa e fugiram a partir da zona internacional do aeroporto. Até agora não foram encontrados

Desde junho, quatro cidadãos estrangeiros conseguiram escapar ao controlo das autoridades do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e entrar ilegalmente em Portugal, revela o “Diário de Notícias” esta sexta-feira. Apesar das quebras sucessivas de segurança, nenhuma autoridade que tem jurisdição no aeroporto assume responsabilidades.

Os quatro cidadãos – dois marroquinos e dois argelinos – chegaram a Portugal através de voos que faziam escala em Lisboa e fugiram a partir da zona internacional do aeroporto, onde ficam a aguardar os passageiros em trânsito para outros voos. Nenhum destes indivíduos foi apanhado pela polícia até agora.

A primeira “fuga” ocorreu em junho, quando um marroquino proveniente de Casablanca, com destino ao Brasil, escapuliu-se às autoridades. Em julho, a história voltou a repetir-se, à mesma com um cidadão marroquino e a mesma rota. Já em setembro, dois argelinos, um a 22 outro a 27, em trânsito para Casablanca, também conseguiram entrar no país sem serem detetados.

Segundo o “DN”, sobre estes argelinos, as autoridades sabem que já tinham pedido vistos para outros países da UE - Espanha, Malta e França -, mas que foram recusados. Para fazerem escala em Portugal estas nacionalidades não precisam de vistos de trânsito, ao contrário de outras também de risco como a senegalesa, a nigeriana ou a eritreia.

Já dentro do aeroporto, ninguém assume responsabilidade pela reincidência de quebras repetidas de segurança, conta o matutino. Isto porque cada força policial tem responsabilidades particulares. A PSP é responsável pela manutenção da ordem pública; ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras compete o controlo documental dos passageiros; a ANA – Aeroportos dirige o Plano de Segurança, e é a Autoridade Nacional da Aviação Civil que supervisiona e audita esse sistema de segurança. Já a GNR, apenas tem responsabilidade no controlo de mercadorias no aeroporto.