Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

“Anúncios são feitos pelo Governo”, defende secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos.

Pedro Nunes Santos recusa a ideia de que Mariana Mortágua “mande nas Finanças” e reitera que os “anúncios são feitos pelo Governo”. Na verdade, diz, não foi feito nenhum “anúncio”, porque para isso já era preciso saber todos os detalhes sobre o novo imposto sobre património

Se por um lado o BE diz que o anúncio de Mariana Mortágua tinha sido acordado com o Governo, parte de uma “estratégia mediática” conjunta, há ainda vozes dissonantes dentro do executivo de António Costa sobre o que se passou. Pedro Nunes Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, recusa a ideia que a deputada do Bloco “mande nas Finanças” e reitera que os “anúncios são feitos pelo Governo”, em declarações ao “Diário de Notícias” esta quarta-feira. Na verdade, diz, não foi feito nenhum “anúncio” porque para isso já era preciso saber todos os detalhes sobre o novo imposto.

Ao reiterar esta posição ao “DN”, Pedro Nunes Santos pretendia arrumar a polémica em volta do novo imposto sobre o património de luxo. Mas o tema pode não estar encerrado: Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do BE, revela também esta quarta-feira à TSF que o anúncio de Mortágua tinha sido combinado com o Governo.

Há aqui uma questão de entendimento político a resolver. Pedro Nunes Santos diz que a deputada do BE nem anunciou medida nenhuma. “Este imposto não está finalizado, está longe disso", repete várias vezes ao matutino o secretário de Estado. Mesmo as declarações de Eurico Brilhante Dias, deputado do PS, ao “Jornal de Negócios”, não foram um anúncio de um imposto.

“Nem eu, nem o ministro das Finanças, nem o primeiro-ministro, sabemos qual vai ser o limite desse imposto”, garante, para justificar a sua posição sobre o estado embrionário do imposto.

De qualquer forma, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares recusa que o Governo esteja incomodado com as intervenções de Mariana Mortágua. “Só podíamos estar incomodados com coisas que realmente acontecessem – e não aconteceu nenhum anúncio de impostos porque não está concretizado”, diz ao matutino.