Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Médicos recusam vagas para exercer no sul e interior do país

  • 333

Carl Court / Getty Images

Das 73 vagas abertas para médicos este ano no Algarve, 31 ficaram por preencher

O sol e as praias do Algarve não seduzem toda a gente. Nem os ares, as serras, do interior. Para muitos médicos – jovens ou não -, seria um retrocesso nas carreiras a mudança dentro do país. Ou, pelo menos, uma estagnação. Há dezenas de concursos para admissão de especialistas a ficarem desertos nestas regiões, conta o “Jornal de Notícias” esta quinta-feira.

Mais dinheiro, mais férias e garantias de transferências dos filhos das escolas não foram incentivos suficientes para captar médicos para estas regiões. Das 73 vagas abertas este ano no Algarve, 31 ficaram por preencher, sendo que, neste momento, ainda decorrem procedimentos para outros 20 lugares.

No interior do país, o cenário é ainda mais crítico. Em 61 vagas abertas por três hospitais do interior, apenas nove foram preenchidas. Segundo os dados disponibilizados pela Administração Regional de Saúde do Centro ao matutino, o Centro Hospitalar da Cova da Beira, que inclui os hospitais da Covilhã e Fundão, abriu 23 vagas para médicos este ano, mas só conseguiu três. O mesmo se passou em Castelo Branco, na Unidade de Saúde Local, que tentou contratar 22 especialistas, mas não foi além das três. Já a Guarda tentou preencher 16 postos de trabalho e ficou-se pelos três.

Esta falta sistemática de médicos levou ao estabelecimento de protocolos entre algumas unidades hospitalares pelo país, para o intercambio de médicos, já que não é possível suprir as necessidades na origem.