Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Repsol adia pesquisas de petróleo e gás no Algarve

  • 333

Estava previsto que em outubro a Repsol fizesse o seu primeiro furo de pesquisa na costa algarvia, mas a empresa diz que “o projeto de pesquisa está em processo de revisão”

Tal como a Galp, a Repsol decidiu adiar a pesquisa de gás natural na costa do Algarve e do Alentejo, avança o “Jornal de Negócios” esta sexta-feira. As duas empresas poderão ficar a perder quase dez milhões de euros em cauções pagas ao Estado.

Estava previsto que em outubro a empresa petrolífera espanhola fizesse o seu primeiro furo de pesquisa na costa algarvia, mais precisamente a uma distância de 40-50 quilómetros à frente de Faro. Contudo, fonte oficial da Repsol Portugal garantiu ao “Negócios” que “o projeto de pesquisa está em processo de revisão, não havendo nesta altura data fixada para a perfuração”.

Em Portugal, a Repsol trabalha em conjunto com a Partex. Este consórcio detém quatro áreas para procurar hidrocarbonetos no mar frente ao Algarve. Ao que tudo indica, existem bons indícios de haver gás natural no Algarve - a Repsol já explora gás no mar no Golfo de Cádis, a 50 quilómetros de Portugal.

Há pouco mais de um mês, a Galp também adiou a pesquisa de hidrocarbonetos na costa algarvia. “Tínhamos tudo preparado para começar a operação e tivemos que a suspender”, disse o presidente da Galp. A causa deste atraso foi a decisão da Direcção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marinhos de prolongar até 3 de agosto a consulta pública sobre o pedido para o consórcio Eni/Galp efetuar uma sondagem de pesquisa de petróleo. O resultado desta avaliação ainda não é conhecido.

Este tema gerou muita polémica junto da comunidade ambientalista portuguesa, dando origem a várias petições contra este tipo de exploração.

De acordo com o plano de trabalhos definido nas duas concessões, ambos os consórcios petrolíferos têm de efetuar este ano um furo, caso contrário o Estado poderá executar as cauções dadas à Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, no valor de cinco milhões de euros cada.