Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Oi vai analisar destituição de administradores portugueses

Acionistas da Oi tentaram contratar Zeinal Bava como consultor para cobrir remuneração que perderia por recusar convite da TIM Brasil

Nuno Botelho

O Conselho de Administração da Oi vai reunir-se, na sexta-feira, para analisar o pedido de realização de uma assembleia geral que tem como único objetivo a destituição dos administradores ligados a Portugal. Esta ação está a ser promovida por um dos acionistas maioritários da empresa brasileira

Na sexta-feira, o Conselho de Administração da Oi vai reunir-se para analisar o pedido de realização de uma assembleia geral que tem como único objetivo a destituição dos administradores ligados a Portugal. Esta notícia é avançada pelo “Jornal de Negócios” esta quinta-feira.

Em causa estarão posições como a de Palha da Silva, presidente da Pharol. “Foi convocada reunião do Conselho de Administração da Oi a se realizar no dia 22 de Julho de 2016, às 16h, para apreciar o requerimento de convocação de Assembleia Geral Extraordinária apresentado pelo acionista Societé Mondiale Fundo de Investimento em Ações”, lê-se num comunicado da empresa a que o “Negócios” teve acesso.

A 7 de julho, este acionista já havia pedido o afastamento da administração da Oi de Rafael Mora, Nuno Vasconcellos, Palha da Silva, Pedro Morais Leitão, João Vicente Ribeiro, João Castro, Pedro Guterres, Maria do Rosário Pinto Correia e André Navarro. Esta iniciativa gerou muita confusão dentro da empresa brasileira.

Sexta-feira é o último do dia do prazo concedido pela Societé Mondiale Fundo de Investimento em Ações para a Oi analisar o seu pedido, caso contrário o próprio acionista admitiu agendar ele próprio uma Assembleia Geral para discutir o tema.