Anterior
Consumo de combustíveis rodoviários caiu em 2013
Seguinte
Maior elétrica alemã com prejuízos de 2,8 mil milhões de euros
Página Inicial   >  Economia  >  Energia  >   Renováveis garantiram mais de metade da eletricidade em 2013

Renováveis garantiram mais de metade da eletricidade em 2013

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis em Portugal foi de 56,7% do total, em 2013. O maior aumento em termos de capacidade instalada deu-se na energia solar, com mais 76,9% que em 2012.
|
O protótipo flutuante Windfloat, instalado no mar da Aguçadoura, na Póvoa de Varzim, resistiu a mais um ano de condições climatéricas adversas e continua a injetar energia limpa na rede nacional.
O protótipo flutuante Windfloat, instalado no mar da Aguçadoura, na Póvoa de Varzim, resistiu a mais um ano de condições climatéricas adversas e continua a injetar energia limpa na rede nacional. / Tiago Miranda

O ano de 2013 foi de recorde na produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis. De acordo com o último relatório da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) agora publicado, 56,7% da eletricidade teve origem em fontes renováveis, um valor 51% acima do registado em 2012.

A mesma entidade sublinha, porém, que o aumento agora verificado se ficou a dever, fundamentalmente, à componente hídrica, que cresceu 126%. Não pela entrada de novas barragens no sistema eltroprodutor, mas sobretudo devido ao aumento de capacidade de produção das que já existem, muito potenciado pela abundância de água armazenada nas albufeiras.

Em termos de capacidade instalada, o maior salto deu-se na energia solar fotovoltaica, com um crescimento de 76,9% em 2013. Portugal tem agora uma capacidade instalada de 277,9 megawatts (MW), ao nível do solar fotovoltaico, dos quais 131,6 dizem respeito a microgeração. Ou seja, quase metade do total tem a ver com produção de eletricidade em pequena escala, em muitos casos por particulares que instalam painéis solares fotovoltaicos nas suas habitações.

Portugal regressa à energia das ondas 


Outra das novidades em 2013 foi a entrada em funcionamento de um dispositivo submarino de produção de energia elétrica a partir do movimento das ondas, com uma capacidade instalada de 0,3 MW.

Trata-se do Waveroller que nasceu há mais de três anos, num consórcio que envolveu a Eneólica (do grupo Lena) e a finlandesa AW Energy. A máquina, única a nível mundial, está no fundo do mar, a 900 metros da costa, perto do Baleal, em Peniche. Ainda é um protótipo, mas já está a injetar eletricidade na rede.

Contra ventos (de mais de 150 quilómetros por hora) e marés (com ondas superiores a dez metros) a eólica flutuante Windfloat, instalada ao largo da Aguçadoura, na Póvoa de Varzim, resistiu a mais um ano de grande instabilidade climatérica e continua a produzir eletricidade.

Tem uma capacidade de 2 MW, também é um protótipo único a nível mundial e, de acordo com o relatório da DGEG, vai já no terceiro ano consecutivo de atividade.

Quase o dobro da capacidade renovável de 2005 


Portugal fechou o ano de 2013 com 11.066 MW de capacidade renovável instalada. Um crescimento de 7,4% face ao ano anterior, mas muito acima dos 6267 MW instalados em 2005, altura a partir da qual se dá prioridade total aos investimentos em renováveis, a coberto de uma política energética fomentada pelo primeiro governo de José Sócrates.

No ranking por tecnologias renováveis em Portugal, dominam as barragens, com uma quota de 48,9%, as eólicas, com 39,2%, e a biomassa (com resíduos sólidos urbanos e biogás), com 10,4%.

Na distribuição da geração elétrica renovável pelo território nacional, o distrito de Bragança lidera. Dos 29.562 gigawatts (GW) de energia limpa produzidos em 2013, naquele distrito foram gerados 4058 GW. Seguiu-se Viseu, com 3706 GW e, em terceiro lugar, Coimbra, com 2976 GW.

No que diz respeito à potência eólica instalada no final de dezembro de 2013, a DGEG identificou 4 630 MW, distribuídos por 228 parques com 2627 aerogeradores (sendo que um - o Windfloat - está implantado offshore, no mar da Póvoa de Varzim).


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Como é possivel Portugal regressar à energia das
ondas se privatizaram a EDP e o povo Português come e cala sem fazer ondas? Votaram naqueles que privatizaram uma empresa monopolista, depois fizeram contractos lesivos do Estado, puseram os consumidores a financiar as energias renováveis para depois os lucros irem para as mãos dos accionistas da EDP. Vejam o vídeo esclarecedor. youtu.be/oQzycYtd2AU
Nota: E o povo continua a votar neles. eheheheheheheh
renovaveis-garantiram-mais-de-metade-da-eletricida
Culpa de Sócrates. Energias renováveis criaram cinco mil postos de trabalho nos últimos quatro anos

O eurodeputado Carlos Pimenta acredita que até meados do século Portugal conseguirá ser praticamente autónomo no consumo de energia.

A área das energias renováveis deu emprego a cinco mil pessoas nos últimos quatro anos.

Para Carlos Pimenta, antigo secretário de Estado do Ambiente e presidente da Plataforma para o Crescimento Sustentável, Portugal vai acabar por conseguir produzir quase toda a energia que gasta.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2013/11/energias-renovaveis-5-mil-empregos.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2013/04/renovaveis-fazem-baixar-o-preco.html
Culpa de Sócrates.
Culpa Passos
Sócrates criou 120 mil em dois anos
Sócrates foi aldrabão.....
Vai, vai e depois estamos todos falidos
Se quiséssemos...
Não dependíamos de terceiros no capítulo da energia.
Volta Sócrates! O que eles disseram e dizem de ti! Que gastaste o dinheiro todo, imagina! Quanto medes de costas? Os outros? Tudo bons rapazes...e poupados! E o que eles são de amigos uns com os outros!
A dívida está a crescer e nós temos cada vez menos? Ah, não! Não acredites pois o nosso primeiro, aquele que te roubou o lugar, diz que está tudo bem e que estamos a crescer! Ele não disse foi... para que lado!
Cara!? Ó Pires de Lima "Irrevogável, é cara? Nãooo
...
MAS A QUE PREÇO?
NÃO É SÓ O FACTOR TRABALHO QUE CONDICIONA A COMPETIVIDADE.
QUE BOM
BOA! É ECOLÓGICA! FANTÁSTICO! AGORA SÓ É NECESSÁRIO BAIXAR AS TARIFAS DE ELECTRICIDADE PARA SERMOS FELIZES PARA SEMPRE!
Fie-se na virgem
SÃO OTÁRIOS SENHORES, OS GESTORES EM PORTUGAL
A energia das ondas
já está a ser estudada há mais de cinquenta anos.

A rede de barragens em actividade e em estudo arrancou na "longa noite"...

Sines, idem...

Falam, falam, mas não há nada de verdadeiramente novo.Até a rede de auto-estradas já estava traçada antes da abrilada...
O SÓCRATES TINHA CADA IDEIA ...
ORA VEJAM QUE FÊZ AUMENTAR A PRODUÇÃO DA ENERGIA ELECTRICA RENOVÁVEL E AGORA O SR.PROF. DOUTOR COELHO TEM ESTAS ENERGIAS AO SERVIÇO DA POPULAÇÃO E EMPRESAS POR CAUSA DO "ESTÚPIDO" SÓCRATES QUE "TEIMOSO" DEU MAIS INSVESTIMENTOS AO PAÍS . O SÓCRATES DEVIA TER SIDO PRESO POR GASTAR ESSE DINHEIRO NAS "PORCARIAS" DAS RENOVÁVEIS....
Comentários 15 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub