21 de abril de 2014 às 1:39
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Regime jurídico do ensino superior vai ser revisto

Regime jurídico do ensino superior vai ser revisto

O ministro da Educação recusou comentar a polémica em torno da 'licenciatura relâmpago' do ministro Miguel Relvas, na Universidade Lusófona, mas adiantou que o regulamento do ensino superior será revisto.
Lusa
Crato optou pelo silêncio sobre o seu colega de Governo, Miguel Relvas Tiago Miranda Crato optou pelo silêncio sobre o seu colega de Governo, Miguel Relvas

O ministro da Educação, Nuno Crato, escusou hoje comentar a forma como o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, obteve a licenciatura, dizendo apenas que será revisto, como previsto, o regulamento do ensino superior.

Clique para aceder ao índice do dossiê Casos polémicos da Universidade Lusófona

"Não vou comentar nenhum caso sobre um colega meu do Governo", respondeu Nuno Crato quando questionado pelos jornalistas, acrescentando haver "muitas coisas" que terão de ser pensadas sobre a universidade, o ensino secundário e o básico.

Em relação ao Regime Jurídico das Instituições de ensino superior (RJIES), o ministro disse estar em curso "aquilo que é normal", ou seja, uma revisão cinco anos depois da entrada em vigor.

"Depois de ter sido instituído, estava previsto que houvesse uma revisão desse regime e isso vai ser feito com calma, tendo em atenção os aspetos fundamentais, a experiência que se obteve nestes últimos anos", garantiu Nuno Crato à margem de uma intervenção na comemoração dos 25 anos do Conselho Nacional de Educação (CNE).

A Universidade Lusófona divulgou no sábado os nomes dos quatro docentes que avaliaram o ministro Miguel Relvas no ano letivo 2006/2007, numa reação à notícia do jornal Expresso segundo a qual "três dos quatro professores de Relvas nunca o avaliaram".

O processo do ministro Adjunto Miguel Relvas na Universidade Lusófona, hoje facultado aos jornalistas, é omisso quanto à composição do Conselho Científico que terá atribuído as equivalências que resultaram em 2006/2007 na licenciatura de Ciências Políticas e Relações Internacionais.

Do conjunto de fotocópias consta um parecer assinado pelos professores José Fialho e António Fernando dos Santos Neves dizendo que "a informação que consta do dossiê apresentado [pelo aluno] denota uma elevada experiência profissional que se reparte por três domínios", que são os cargos políticos, cargos públicos e experiência profissional no domínio empresarial, "nomeadamente no espaço lusófono".

"Face ao exposto considera-se que o currículo submetido tem mais valias claras e aspetos salientes muito positivos", refere o parecer, que acrescenta que há três aspetos que merecem particular relevância: a longevidade das funções desempenhadas, a natureza das mesmas, maioritariamente de liderança ou grande responsabilidade institucional, e a sua variedade".

 

Comentários 58 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
"TOMATE GULOSO"
Eles não comentam, eles não se comprometem,eles prometem mudar,mas não corrijem o que mal está.
Eles não comem "tomate guloso" nem do outro nem têm tomates à mão para não dizer no sítio.
Vergonhosos simplesmete.
kácus
Sócrates pagou ao Figo 750 mil euros! Ver comentário
Re: Sócrates pagou ao Figo 750 mil euros! Ver comentário
Re: Sócrates pagou ao Figo 750 mil euros! Ver comentário
Re: Sócrates pagou ao Figo 750 mil euros! Ver comentário
Re: O Relvas é pioneiro. Ver comentário
Num país normal com uma democracia a sério Ver comentário
Re: Num país normal com uma democracia a sério Ver comentário
Currículo profissional a valer em duplicado.
Com este opaco sistema de equivalências instituído em algumas universidades o currículo profissional, incluindo nele as actividades de folclore, vale o mesmo que o estudo afincado de vários semestres com aprovação em exame final. Daqui resulta que os diplomados por esta via ficam com uma dupla vantagem; primeiro não tiveram que se submeter a exames e depois, no futuro, em situação de concorrência para um qualquer cargo estão em vantagem relativamente a quem esteve sentado nas cadeira da faculdade sem disponibilidade para formar currículo profissional, visto que o seu, que já contou para a obtenção do diploma volta a contar na apreciação dos candidatos. Para evitar esta desigualdade o Regime Jurídico do Ensino Superior tem de acabar em definitivo com estas equivalência, ficando os estabelecimentos de ensino autorizados a reconhecer apenas a formação que dão aos seus alunos.
E pode?
Sendo que a existência de licenciaturas "Honoris Causa" é uma consequência do chamado "Processo de Bolonha", o Portugal tem poder para mandar às malvas uma directiva europeia?

Caso tenha, vamos vai haver uma corrida às Licenciatura "Relvadas" por parte da classe política!
Re: E pode? Ver comentário
Re: E pode? Ver comentário
Re: E pode? Ver comentário
Re: E pode? Ver comentário
Re: E pode? Ver comentário
OhNuno Crato!Chama-se a isto andar a apagar fogos!
Dá pena ver um ilustre matemático, vestir a farda de bombeiro - sem desprestigio para os próprios claro está - e pôr-se a deitar água na fervura da Relva ardida...
O governo em vez de ser pro activo é reactivo e o Relvas é q tem a "culpa"...vai ficar com o "mérito" de ter sido ele a razão de uma mais q necessária revisão do regime jurídico do ensino superior...
O q será para Relvas o bosão de Higgs ?
Estou certo q ele acredita em milagres, oh se acredita :)
O ministro se recusou a comentar...

O ministro se recusou a comentar? Mas porque deveria comentar, o que adiantaria... O que ele tem a ver diretamente com o assunto? Se for o caso, não é ele que tem que demitir o Relvas, mesmo que seja a pedido dos jornalistas... Do quarto Poder.

Parece que isso é apenas uma curiosidade que nada tem a ver com o ministro... Parece-me uma pergunta de jornalista pouco qualificado que nada mais tem para perguntar..
O quê? Ver comentário
Re: O quê? Ver comentário
Por favor...Relvas

Por favor... Relvas não se demita... Eles acabam por cansar... Até porque não há quem que possa o substituir...

Não há vestais em seu partido, como sabemos, embora muitos se façam... De puras e honradas.
Eu não disse??
Acertei em cheio! Tambem não era dificil ....

          Em Portugal não é o criminoso que se sujeita á Lei - é a Lei que é moldada de acordo com os interesses do criminoso!

        Já só falta a universidade fechar, mas não deve demorar muito .... pelo menos alunos novos deve ser dificil que tenha em abundância nos próximos anos!!!
Re: Eu não disse?? Ver comentário
Re: Eu não disse?? Ver comentário
Re: Eu não disse?? Ver comentário
Re: Eu não disse?? Ver comentário
Re: Eu não disse?? Ver comentário
Re: Eu não disse?? Ver comentário
O cliente que se segue
Há cadeiras para todos os gostos e feitios especialmente aquelas pela cabeça abaixo.
Mas atenção que a clientela é restrita.
A educação ao mais alto nível.
Pois pois
Vai ser revisto de maneira a que estas atitudes de compadrio e promiscuidade não sejam mais tomadas tão descaradamente ...

O que o coração não vê, o coração não sente
!
Aproveitem para rever muitas leis, começando logo pela lei eleitoral. Depois vão às leis das fundações e institutos públicos. A lei do aborto também deve ser mexida, pois eu não tenho que estar a pagar impostos para a mulheres abortarem de graça. A lei penal idem, aspas. Criem um cúmulo jurídico como no país vizinho por forma que quem assassina uma pessoa não tenha a mesma pena como se tivesse assassinado cem ou mil. A lei anti-corrupção também carece ser revista. Como há muitas décadas não tem havido governo está tudo abandalhado.

O Relvas ate faz com que o regime juridico do
ensino superior tenha que ser revisto, mas Passos Coelho diz que é um "não assunto".....o caso Relvas....
O credito que devemos salientar na licenciatura de
Relvas é o obtido numa Associação de folclore. Este credito é o que mais se ajusta ao senhor doutor....
regime-juridico-do-ensino-superior-vai-ser-revisto
Carta aberta ao reitor da Universidade Lusófona
Exmo. Reitor.
Foi com grande satisfação que soube que a Universidade Lusófona conferiu uma licenciatura em Ciência Política ao Dr. Miguel Relvas em apenas 14 meses, reconhecendo dessa forma a sua elevada estatura intelectual. Sempre sonhei com o alargamento das Novas Oportunidades ao Ensino Superior e fiquei muito feliz por terem dado o devido valor à cadeira de Direito que o senhor ministro fez há 27 anos com nota 10. Depois, naturalmente, o processo foi "encurtado por equivalências reconhecidas" (palavras do Dr. Relvas), após análise do seu magnífico currículo profissional.
É dentro desse mesmo espírito que vinha agora solicitar igual tratamento para a minha pessoa. Embora seja licenciado pela Universidade Nova com uns simpáticos 17 valores, a verdade é que o curso levou--me quatro anos a concluir e o Jornalismo anda pela hora da morte.
Nesse sentido, e após análise da oferta disponível no site da universidade, venho por este meio requerer a atribuição do grau de licenciado em:
- Animação Digital (tenho visto muitos desenhos animados com os meus filhos).
- Ciência das Religiões (às vezes vou à missa).
- Ciências Aeronáuticas (já viajei muito de avião).
- Ciências da Nutrição (como imensa fruta).
- Direito (fui duas vezes processado).
- Economia (sustento uma família numerosa).
- Fotografia (tiro sempre nas férias).
- Turismo (visitei 15 países).
Cont.
Re: regime-juridico-do-ensino-superior-vai-ser-rev Ver comentário
Mais um credito na licenciatura..
A Universidade Lusíada anulou a matricula do então deputado Miguel Relvas, em 1996, por estar a dever 160.272 escudos (cerca de 800 euros) de propinas......
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub