0
Anterior
"Paradise: Love" ou o turismo sexual segundo Ulrich Seidl
Seguinte
Michael Haneke abriu um túmulo em Cannes
Página Inicial   >  Dossiês  >  Postais  >  Cannes 2012  >  "Reality": da ilusão ao desespero
Com vídeo

"Reality": da ilusão ao desespero

A vanglória da telerrealidade segundo Matteo Garrone.
|
Aniello Arena em "Reality", de Matteo Garrone
Aniello Arena em "Reality", de Matteo Garrone

Ao dia 5, Cannes já cobriu a aposta, já valeu a visita. Houve desilusões no fim de semana (já esperadas: do dinamarquês Vinterberg, do romeno Mungiu), mas também houve "Amour", de Michael Haneke e "Like Someone in Love", de Kiarostami. No primeiro, Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva são sublimes (tanto que até um 'não hanekiano' se interroga: não é este o melhor filme do cineasta austríaco?). No segundo, conto moral de Kiarostami, a filmar com atores japoneses, pela primeira vez, no país do sol nascente.

"Amour" e "Like Someone in Love" são dois pequenos filmes que não têm uma ponta de cinismo nos seus títulos. Duas peças de câmara estranhas, surpreendentes, difíceis de balizar nas obras dos seus autores: são para já os melhores filmes a concurso.

Hong Sang-soo, sempre em forma, levou Isabelle Huppert para a Coreia no também precioso "In Another Country", embora o filme não acrescente particular novidade ao percurso de Hong: foi a atriz francesa que se adaptou ao sistema do coreano, e não o contrário.

Alain Resnais, aos 90 anos e novamente a concurso em Cannes (três anos depois de "Les Herbes Folles"), ao contrário de Haneke e Kiarostami, é bastante mais subtil em "Vous n'Avez Encore Rien Vu". Filme sobre a morte, sobre a despedida, mas também um coup de théâtre com ideias de cinema magníficas em cima de um texto aborrecido: "Vous n'Avez Encore Rien Vu" é um filme problemático, deixou-nos divididos. Mas é preciso ter cuidado com as aparências em Resnais. Filme a rever, sem dúvida - e que ninguém se admire se ainda viermos aqui traçar-lhe elogios.

Ainda falta "Holy Motors", de Leos Carax, e não há voltas a dar: daqui, ou sai desastre ou obra-prima. Falta "Cosmopolis", de Cronenberg: Cannes inteira está à espera dele. Falta ainda "Mud", de Jeff Nichols, para o qual partimos com as expectativas lá em cima (Cannes guardou-o para o último dia do concurso, no próximo sábado: sinal de aposta ou mera coincidência de calendário?). A todos estes filmes voltaremos com merecida demora. Para já, estacionamos em "Reality", do italiano Matteo Garrone.

Tempos de crise


Garrone é o realista social (realista, não retratista: leia-se bem) do cinema italiano contemporâneo. O homem que fundiu a vaga herança abandonada do neorrealismo nos tempos da globalização. Seguimos o seu trabalho desde "L'Imbalsamatore" (2002) e "Primo Amore" (2004). Seguimos a evolução e a metamorfose das suas personagens. Até "Gomorra", crónica documentada e provada da atividade da máfia napolitana e da penetração profunda dos seus 'valores' na sociedade que a gerou (foi com "Gomorra", mostrado aqui em Cannes, em 2008, que Garrone se impôs)

Um plano de Matteo Garrone - é preciso dizê-lo - vale dez filmes de Crialese, cem filmes de Sorrentino. Exagero? Veja-se como começa "Reality". Com um plano irreal: longuíssima panorâmica aérea sobre Nápoles de helicóptero que se funde depois (sem qualquer truque de truncagem?) num movimento de grua que traz a câmara à Terra. A entrevista com Garrone que há de vir começa por aqui: a grua desceu do helicóptero? Vinha em nave espacial?

"Grande Fratello"


Desembarcamos na comédia, num casamento de Disneylândia em que a figura maior da noite é um anónimo que a TV transformou em vedeta. Nesse casamento, está Luciano, peixeiro da praça napolitana, falador entusiasmado, homem sério, pai de família. Por acaso, Luciano faz um casting para o Big Brother italiano, o "Grande Fratello", águas passadas da telerrealidade europeia que no país da bota ainda goza de popularidade extrema: entrou este ano na 12ª (!) temporada.

O casting sai-lhe a matar. Luciano convence-se de que vai mesmo entrar na famosa casa. "Pinóquio dos tempos modernos", como Garrone lhe chamou, o nosso herói deixa de comer, de dormir, vende a peixaria, perde a família, os amigos. Só tem olhos para o telemóvel, à espera que o chamem.

"Reality", um dos poucos filmes de Cannes (ainda) exibidos em película 35mm (fez figura de ave rara no aglomerado digital), vai longe e há muito que pegar por aqui. 1) o uso do Scope num trabalho de câmara (à mão) notável 2) a metamorfose de Luciano, visceral, patética, na incrível performance do ator Aniello Arena, herdeiro de outro napolitano, Totò. 3) o lamento pelo cinema e pela sua decadência, já que o "Grande Fratello" é rodado em Roma... nos estúdios da Cinecittà. Onde outrora se inventaram filmes, inventam-se agora miragens grotescas.

Comédia delirante ao estilo de um Risi e de um Monicelli, conto de fadas que se abate sobre um pobre homem, "Reality" descobrirá de seguida uma amarga crónica de costumes com uma comoção à beira do desespero. Uma crónica aplaudida pelo também italiano Nanni Moretti, que está no júri, na cadeira do presidente.


Reality de Matteo Garrone Competição




Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub