2
Anterior
Sócrates quer a crise?
Seguinte
Turismo do Algarve: antigo presidente avança para tribunal
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Reações à entrevista de Sócrates

Reações à entrevista de Sócrates

Primeiro-ministro deu esta noite uma entrevista à SIC.
Lusa |

PSD acusa primeiro-ministro de confundir portugueses 


O PSD acusou hoje o primeiro-ministro, José Sócrates, de lançar a confusão sobre a disponibilidade do Governo para apresentar as medidas adicionais para redução do défice no Parlamento antes do próximo Conselho Europeu.

Numa reação à entrevista desta noite do primeiro-ministro à SIC, no Parlamento, o vice-presidente do grupo parlamentar do PSD Luís Montenegro declarou aos jornalistas que José Sócrates "lançou várias confusões e tentou também confundir os portugueses".

Segundo o social-democrata, uma das confusões lançadas pelo primeiro-ministro, "muito preocupante", foi "a de dizer que estava disponível para discutir este Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) antes do próximo Conselho Europeu".

"Ora, ainda hoje, na conferência de líderes aqui na Assembleia da República nós propusemos que assim fosse e foi o Governo que o rejeitou", assinalou o deputado e vice-presidente do PSD.

Luís Montenegro sublinhou que José Sócrates manifestou disponibilidade "para trazer a discussão do PEC à Assembleia da República antes da cimeira" e que "a próxima cimeira é o Conselho Europeu do dia 24 de março".

"Ainda hoje de manhã, na conferência de líderes, o PSD e os outros partidos da oposição propuseram exatamente que essa discussão se fizesse antes do dia 24 e foi o Governo, o ministro dos Assuntos Parlamentares, na circunstância, que rejeitou liminarmente essa opção. Portanto, é uma confusão que nós não conseguimos compreender do primeiro-ministro, mas que vem na sequência de toda a entrevista", completou.

CDS: Sócrates provocou a crise política


A deputada do CDS-PP Cecília Meireles considerou hoje "surpreendente" que o primeiro-ministro fale de crise política, afirmando que foi José Sócrates que a causou ao apresentar novas medidas de austeridade sem informar o Presidente e o Parlamento.

"É surpreendente que o primeiro-ministro venha falar de crise política quando ele vem apresentar estas medidas - que aliás ficamos sem perceber se são propostas ou se são compromissos -, sem falar ou sequer informar o Presidente da República ou o Parlamento", disse aos jornalistas a deputada democrata-cristã.

"Não se percebe como é que o primeiro-ministro vem falar de crise política como se não tivesse sido ele precisamente a provocá-la, pela forma e pela substância daquilo que fez", referiu Cecília Meireles, que condenou ainda que o primeiro-ministro se apresente "como uma vítima, como se não houvesse responsáveis por esta situação".

A deputada salientou que "nos últimos cinco anos a dívida pública portuguesa passou de cerca de 80 mil milhões de euros para cerca de 150 mil milhões de euros".

"Querer que a responsabilidade seja toda da crise financeira internacional e o primeiro-ministro apresentar-se como vítima, sem assumir as suas responsabilidades, parece-me manifestamente desadequado", sustentou.

A deputada centrista considerou ainda que, na entrevista, "ficou por explicar o que é que correu mal" na execução orçamental. "Há um mês, o primeiro-ministro dizia que tínhamos uma folga de 800 milhões de euros, agora ficamos a saber que faltam mais 1,4 mil milhões de euros", afirmou.

Cecília Meireles lamentou ainda que não tenha havido "uma palavra para a questão social e para as pessoas que foram as mais sacrificadas por esta crise".

PCP critica "postura de vítima"


O PCP criticou hoje a "postura de vítima" do primeiro-ministro, José Sócrates, afirmando que as "verdadeiras vítimas" são "os que sofrem as consequências das políticas" do Governo.

Jorge Pires, da Comissão Política do PCP, disse à agência Lusa que o primeiro-ministro "apareceu com uma postura de vítima", quando "as verdadeiras vítimas são os que sofrem as consequências das políticas" do Governo: os pensionistas, os desempregados e os trabalhadores precários.

Para o PCP, o chefe do Executivo socialista manifestou "um estranho conceito de interesse nacional", quando avança com "o congelamento de salários e reformas e o facilitismo do despedimento de trabalhadores".

Jorge Pires afirmou que a questão de uma moção de censura do PCP ao Governo "não está posta de lado", mas, para já, acrescentou, o partido vai associar-se à manifestação no sábado promovida pela CGTP.

BE: Portugueses "entre o pântano e o dilúvio"


O Bloco de Esquerda acusou hoje o primeiro-ministro de colocar aos portugueses a escolha "entre o pântano e o dilúvio", condenando o que classificou de "calculismo político do PS e PSD que conduziu o país a uma situação terrível".

"O primeiro-ministro procurou pôr os portugueses entre duas escolhas: ou José Sócrates e a sua política ou o FMI, ou seja, entre o pântano e o dilúvio", afirmou o deputado do BE João Semedo.

O Bloco considerou que o país está a assistir a uma "degradação da vida política", com "um jogo de passa-culpas, um artificial conflito" entre PS e PSD e que representa, acrescentou, "a cumplicidade dos dois partidos na mesma política".

João Semedo criticou o que disse ser um "calculismo político" do PS e do PSD, que, acrescentou, "tem conduzido o país a uma situação terrível, dramática, que atinge a vida de centenas de milhares de portugueses, de forma bastante dura e difícil".

"Temos um Governo que governa enquanto o principal partido da oposição o deixa governar e temos o principal partido da oposição à espera que os efeitos desta impopularidade das medidas desgastem suficientemente o Governo para depois, como disse Pedro Passos Coelho, ir finalmente ao pote. Isto é o pântano", sublinhou o deputado bloquista.

Instado a comentar qual será o cenário em caso de chumbo do Programa de Estabilidade e Crescimento pela Assembleia da República, "o Governo ficará numa situação muito difícil se todos os partidos rejeitarem essas políticas", admitiu João Semedo, sublinhando que "vários partidos tomarão a iniciativa de apresentar projetos de resolução que condenem estas medidas".

O deputado do BE afirmou que "há mais alternativas" às medidas propostas pelo Executivo, defendendo que "uma outra política, outra política de emprego, de apoio à economia, uma reforma fiscal que consiga ultrapassar o défice orçamental".

 

 


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sócrates não deu entrevista nenhuma
o Sr. Engº formulou as questões e respondeu a seu belo prazer. Não foi um monólogo porque a Ana Lourenço tinha sido informada pelo sr. engº, que a última coisa que ela devia fazer era anunciar-lhe no final que tinha acabado o protesto dos motoristas. Sócrates saíu em ombros, só não foi ovacionado porque os expectadores estavam em casa. Sócrates em monólogo repetiu o que tinha dito na sua comunicação ao país.
Será que ninguém tem coragem para exigir ao sr. engº que explique porque é que ele teve que ir com as calças na mão, com estas novas medidas para Bruxelas?
Será que ninguém tem a coragem de confrontar o sr engº com o facto de na semana passada ele anunciar uma situação desafogada, enquanto a UE o BCE, o FMI e o próprio Banco de Portugal, na mesma data dizerem precisamente o contrário?
o farsante vestiu uma farda que não larga. Terá futuro no teatro. Em geral usa o teleponto, mas como repete sempre a mesma coisa já não lhe custa fazer o papel.
Citando o Presidente do Supremo Tribunal
...
"Quando Inês morre
nada a ressuscita..."

Entra em decomposição
com cheiro nauseabundo!
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub