Siga-nos

Perfil

Expresso

Notícias

Estudantes ganham 25 mil euros com rede social inovadora

Desenvolvida por alunos da Universidade do Porto, o Taggeo é uma aplicação que permite deixar mensagens geolocalizadas numa lógica de rede social.

A comunidade empreendedora portuguesa continua a dar mostras de criatividade e inovação, em conceitos que podem ser disseminados pelo mundo inteiro. Um dos exemplos mais recentes é o da rede social Taggeo, que recebeu o prémio Inov C 2012 da Universidade de Coimbra, no valor de 25 mil euros.

O conceito foi criado por um grupo de três estudantes da Universidade do Porto - Mariana Teixeira, Rúben Ribeiro e Tiago Fernandes - e consiste numa "rede social que permite deixar mensagens geolocalizadas. "Por exemplo, se formos na rua e deixarmos uma mensagem geolocalizada num determinado sítio para um amigo, quando ele passar no mesmo local irá receber a mensagem que lá deixámos como se fosse uma mensagem normal", explica a equipa fundadora em declarações ao Quero Estudar Melhor.

Uma ideia que remonta a 2007, quando um professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto disse a Tiago Fernandes que gostaria de colocar à mão, no Google Earth, todas as fotos das suas viagens, de forma a torná-las geolocalizadas. Contudo, devido a diversos impedimentos, só foi possível avançar para uma primeira versão em setembro de 2012. 

Apesar de a ideia da rede social e das mensagens geocalizadas serem a base do Taggeo, a plataforma pretende expandir-se para outros elementos: "O conceito vai muito além desta componente de rede social, uma vez que o Taggeo consiste igualmente num alargado conjunto de serviços web com vista à criação de atividades de marketing interativo e geolocalizado, e também ao desenvolvimento de aplicações personalizadas baseadas na nossa tecnologia. Ou seja, uma empresa que esteja interessada em utilizar serviços de geolocalização, social networking ou agregação de redes sociais, poderá utilizar a tecnologia do Taggeo para criar as suas próprias aplicações."

Atualmente a plataforma com cerca de 600 utilizadores e 3000 downloads, estando disponível para Android, iOS e Windows Phone, além da versão Web. O prémio da Universidade de Coimbra surge, assim, para os fundadores "como um ponto de partida extremamente importante no sentido da construção de negócio", cujo objetivo passa agora por uma tentativa de internacionalização.