Anterior
Sr. primeiro-ministro: estão a comer do caixote do lixo à minha porta
Seguinte
Rui Pedro Soares, Emídio Rangel e um cão que nasceu verde
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Quer saber porque acabaram os bonecos do Contra-Informação?

Quer saber porque acabaram os bonecos do Contra-Informação?

O melhor programa de sátira e humor da história da nossa televisão chegou ao fim. A crise e os cortes orçamentais dizem uns. Um programa incómodo para o established, sem dúvida. Mas a razão só pode ser uma. Saiba qual.
|

Acabar com um programa como o Contra-Informação nunca poderia passar por um motivo de contenção ou corte orçamental. Isto porque não consigo admitir que numa estação pública se pague vinte mil euros por mês a alguns apresentadores de concursos para dizerem baboseiras e depois se alegue que não há dinheiro para manter um programa que presta um verdadeiro serviço público, há anos a fio, mantendo sempre níveis de qualidade irrepreensíveis. Ou a RTP acha que serviço público passa pelos telespectadores saberem que A e B já foram muitos felizes atrás de uma moita na praia de Mira? Não me parece.

Outro motivo poderia ser a alergia que um programa deste género causa. Terrivelmente assertivo, com uma capacidade de satirizar inteligentemente a actualidade como nenhum outro, tornando-se cada vez mais incómodo para uma sociedade e actual classe política que já deu mostras de ter pouco poder de encaixe. O grau de desenvolvimento de um país também pode ser medido pela capacidade que este tem ou não de se rir de si próprio, e pela liberdade que quem cria ou humoriza tem de o poder fazer livremente e sem espartilhos. E nesse aspecto estamos a anos-luz de muitos outros países. Temos muito que aprender. Basta pensarmos no humor Inglês.

Somo o país dos Malucos do riso, Maré Alta e outros "fenómenos" do género, programas "fáceis" que conquistam com facilidade audiências. Mas mesmo este espartilho mental não parece ter sido a causa. Até porque o Contra-Informação, quando passado em horário decente (coisa que já não acontecia), sempre foi bem recebido pelo público.

Por tudo isto o único motivo plausível para se acabar com um programa como a Contra-Informação apenas poderá ser o de os bonecos terem sido ultrapassados pelos personagens reais que caricaturavam. Ou seja, isto está de tal forma de pernas para o ar que começámos a não perceber quem na verdade é o boneco. Se o próprio boneco ou a figura real. Quando a realidade é mais caricata e divertida que o humor que a recria e procura satirizar, a essência de um programa deste género morre. Exemplo: há muito que José Sócrates fez "José Trocas-te" perder a piada.  Isto porque o original faz rir muito mais do que o boneco. Até admira o boneco não ter pedido a demissão à Produtora Mandala por se sentir ultrapassado e se estar com uma depressão profunda. Mas há mais: Madaíl, Queiroz e tantos, tantos outros...

Se olharmos para tudo o que se tem passado nos últimos tempos verificamos que vivemos num país de figurinhas,  fantoches, bonequinhos e muitas personagens verdadeiramente hilariantes, difíceis por isso de recriar com mais humor do que o seu natural, o que as próprias emanam. A nossa realidade é cada vez mais um episódio do contra-informação. O noticiário  das 20:00 suplanta qualquer programa de humor negro. Os bonecos ganharam vida própria. Ou o contrário.

PS: parabéns a toda equipa do Contra, à produtora e aos argumentistas pelos excelentes momentos televisivos que proporcionaram. Catorze anos, 170 bonecos. Um grande programa.

Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 44 Comentar
ordenar por:
mais votados
E que tal uma petição para recomeçar?
VAmos fazer uma petição para que a contra-informação recomece?
Re: E que tal uma petição para recomeçar?
Excelente Comentário !!
.
Re: Excelente Comentário !!
TM
Acabam porque começam a ser muito incomodativos, e a atingir os mesmos de sempre da novela Malhação.
INCOMODIDADE
O Sr. Engº sentiu-se incomodado, com algumas verdades que por lá se iam retratando.
Só tem dúvidas quem vive à sombra do Engº
Re: INCOMODIDADE
Re: INCOMODIDADE
Re: INCOMODIDADE
Re: INCOMODIDADE
A verdade e a ficção
A decisão de acabar com a Contra-Informação é simples: a ficção foi ultrapassada pela realidade. Os bonecos acabaram por ser sérios perante o que tem acontecido no País e o que dá vontade de rir, agora, são as intervenções de Cavaco Silva e Manuel Alegre como candidatos à presidência da República, as actuações do governo de José Sócrates, os escândalos das sucatas, o escudo anti-Sócrates do Procurador-Geral da República e outras comédias de personagens que deveriam ser os responsáveis pelo normal funcionamento do país mas que não passam simplesmente de uns "malucos do riso"...
Re: A verdade e a ficção
fraquinho
muito fraquinha esta crónica. O título sugere algo interessante mas depois, profunda desilusão... eu, porventura sem jeito para a coisa acho que era capaz de escrever isto ou melhor. Não percebo como este jornal de expõe a crónicas tão desinteressantes.
Re: fraquinho
Re: fraquinho
Re: fraquinho
Re: fraquinho
vai acabar
Porque falta la o teu!
Plenamente de acordo...
Acho que os politicos fazem concorrência desleal aos comediantes... e não é de agora. Na verdade concordo quando diz que o telejornal é divertido. É o programa que me consegue arrancar mais gargalhadas. Já nem o consigo ver durante o jantar pois engasgo-me... (aproveito para comer durante a fase da "bola" que é quase metade dele...).
A sério que este politicos... comediantes "nonsense" tipo Monty Python mas de um nivel mais baixo (se não o "publico" não atinge...) conseguem fazer rir ... mais do que os gatos...
Não se pode falar em censura...
À primeira vista, cheira a censura mas...

Não se pode falar em censura... quando há canais privados que poderão pegar no programa.

http://muitosuave.blogspo...
À primeira vista, cheira a censura mas...
À primeira vista, cheira a censura mas...

Não se pode falar em censura... quando há canais privados que poderão pegar no programa.

http://muitosuave.blogspo...
Re: À primeira vista, cheira a censura mas...
Refere-se claramente ao Malato
Quando eu vejo que apresentadores como o Malato são considerados bons apresentadores, apercebo-me que o povo português é ainda mais parvinho do que aquilo que eu pensava. É que não tem pontas por onde se lhe pegue. Fraco e incompetente.
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Re: Refere-se claramente ao Malato
Trocas-te para PM e Sócrates no Contra-informação!
Acho que TROCA-TES pediu para sair do programa porque já lhe apetece ser PM, visto que o seu desempenho já supera e muito o de Sócrates. SÓCRATES, por sua, vez, sabe que seu tempo como PM acabou e já prepara uma REMODELAÇÃO no contra-informação, quando ele próprio assumirá o papel que hoje é de troca-tes.
Bravo
Parabéns


1. Faço minhas as suas a suas palavras de parabéns:
              "PS: parabéns a toda equipa do Contra, à produtora e aos argumentistas pelos excelentes momentos televisivos que proporcionaram. Catorze anos, 170 bonecos. Um grande programa."

2. Concordo coma interpretação acerca do motivo porque lhe pôe fim.

3. Como as personagens suplantaram os bonecos, faz todo o sentido ( ao contrário do que afirma) acabar com eles.
 
O público deve passar a rir-se das personagens. Mas rir mesmo. Porque os artistas são caros.

Nota : Até neste aspecto, a medida não é inteligente (isto na perspectiva dos "bonecos" reais). Vamos rir com aquela trupe!
Contra-informação tem graça, mas não é de graça!
Ora, ora... o actual sistema político português não tem culpa de ser assim: um sinistro forrobodó burlesco! :->

Nota de Humor: Se a Mandala Produções fossem patriotas a sério não teriam sacado tanta grana ao longo destes 14 anos, o déficit público seria certamente menor, e todos esses 170 bonecos teriam sido mais úteis para os internados no Hospital Júlio de Matos a bem da saúde mental dos portugueses. (ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah!)
Obrigações ultrapassadas
Tenho pena que uma estação estatal (como a RTP) não cumpra os seus - supostos - objectivos: promover a educação do povo português. No entanto, no país do faz-de-conta e onde tudo se encontra trocado, outra coisa não seria de esperar. O Contra-Informação era um programa que, de forma satírica mas genial, retratava a sociedade portuguesa mas que, infelizmente, segundo a máxima "dar pérolas a porcos" foi ultrapassada por programas decadentes que transpiram mediocridade e decadência como o Secrets Story-casa dos segredos e as telenovelas do costume que não são mais do que vidas idealizadas onde a audiência de autoprojecta para encontrar uma satisfação ilusória. Os responsáveis pelo fim do Contra-Informação não é o governo (para eles tanto lhes dá) mas sim o povo português. Sim, quem vê os programinhas cor-de-rosa que a televisão oferece em troco de uns níveis de audiência fáceis promove o desaparecimento deste tipo de programas sérios que, a meu ver, de uma forma inteligente, introduzem ideias acertadas nas cabeças portuguesas (ou oferecem matérias-primas para que cada qual formule as suas próprias). Se isto continuar, vai chegar o dia em que a televisão nacional, desperdiçando todo o potencial que acredito ter, só vai passar chachadas, entretenimento "low-cost", de baixo nível e,por isso, degradante. Vai ser esse o dia em que não volto a ligar a televisão!
Re: Obrigações ultrapassadas
Comentários 44 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub