24 de abril de 2014 às 17:08
Página Inicial  ⁄  Opinião  ⁄  Luis Marques  ⁄  Quem manda em Portugal?

Quem manda em Portugal?

Luís Marques (www.expresso.pt)

Em Maio a Revista Única, que integra este jornal onde escrevo, elegeu os mais poderosos de Portugal. Um painel constituído por 17 personalidades da sociedade portuguesa não teve dúvidas. Ricardo Salgado, presidente do Banco Espírito Santo, é o homem com mais poder neste país, destronando Belmiro de Azevedo, presidente da Sonae, que ficou em segundo lugar.

Na lista dos dez primeiros, o primeiro-ministro aparece em terceiro lugar e o Presidente da República em sexto. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, ficou num modesto último lugar deste pelotão. Nos dez da frente estão ainda três empresários (Pinto Balsemão, Soares dos Santos e Américo Amorim), um comentador (Marcelo Rebelo de Sousa), o presidente do FC Porto e Rui Vilar, presidente da Gulbenkian.

Este exercício vale o que vale, ou seja, dá-nos apenas uma indicação sobre a forma como o poder em Portugal é percepcionado por 17 influentes personalidades. Mas, mesmo assim, não deixa de ser um exercício sobre o qual vale a pena reflectir. Principalmente porque há muita gente a comungar da ideia de que o sector financeiro manda neste país.

Na realidade essa ideia resulta de uma evidência. O sector produtivo tem vindo a perder para o sector financeiro, a indústria definha e a banca cresce, os banqueiros tomam o palco enquanto os empresários perdem protagonismo. A economia portuguesa vive a crédito e o crédito é o negócio dos bancos. Acresce que a banca em Portugal, e em especial o BES, é muito mais do que a actividade financeira. Cruza interesses em empresas, sobretudo as grandes empresas colocadas na órbita pública, envolve-se com o Estado nos chamados 'grandes projectos' e afirma uma indisfarçada capacidade de influência nas decisões políticas.

Na hierarquia do poder económico (chamemos-lhe assim para facilitar) é hoje claro que o poder financeiro prevalece sobre os restantes sectores. Mas, mais extraordinário, é a percepção de que ele pode ter mais poder do que o próprio poder político.

Estamos a falar, como é óbvio, de um poder baseado não no poder formal que resulta do controlo dos instrumentos tradicionais de poder (poder de coerção), mas de outros instrumentos, entre os quais estão o dinheiro e a influência.

Seja verdadeira ou apenas percepcionada, esta realidade mostra um desequilíbrio preocupante na hierarquia do poder em Portugal. É suposto que o poder político prevaleça sobre os outros poderes. Desde logo porque é eleito, depois porque deve defender o interesses de todos e não apenas de um sector, económico ou social.

Mas indicia outra coisa ainda mais preocupante, a saber, que o poder político permitiu de forma activa ou passiva, ou seja, por culpa própria, que aos olhos de muitos portugueses os interesses de alguns sectores ou grupos se sobreponham ao bem comum que é suposto a política defender.

Mais perigosa, mas igualmente verdadeira, é a sensação de que o poder político, pelo menos uma parte, vive à sombra do poder financeiro, deslumbrado pela luz que dele emana.

l.s.marques@sapo.pt

Texto publicado na edição do Expresso de 12 de Junho de 2010

Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Os deslumbrados
Mais uma excelente artigo, escrito por um jornalista que faz a diferença, embora por vezes se fixe demasiado na crítica ao Governo e a José Sócrates, que com os seus defeitos e virtudes, serão mais os primeiros, tem uma tarefa complicada para gerir. Mas sobre os mais poderosos do país é certo que o económico se sobrepôs ao político, tem mais poder é quem dita as regras sopradas dos fóruns onde se reunem os peso-pesados da alta finança, levando de braço dado alguns políticos para trazerem os recados. Referindo-me ao deslumbramento, este começa quando os agentes políticos, os seus comissários, saem da esfera do poder e são atraídos pelos cargos na administração da banca, Celeste Cardona, Vara, Faria de Oliveira, Mira Amaral, Rui Vilar, etc., etc., seguindo-se o movimento inverso quando o "dinheiro" precisa.
Ninguém!
Ninguém! (ponto final e parágrafo)
- só se fôr o mister do futebol.....
Que grande amargura!
Afinal parece que não é bem assim!
Diz o autor que existe a sensação que o poder político vive à conta do poder finançeiro, deslumbrado pela luz que dele emana!
De facto, se recuarmos uns tempos atrás, mais concretamente aos tempos áureos do cavaquismo, podemos associar esta suspeição que revela o jornalista ao facto de altos dirigentes do PSD terem criado o Banco Português de Negócios e através dessa aquisição terem gerado uma rede de negócios, através da SLN, ligados às mais variadas áreas da actividade económica. Quer dizer, deslumbrados pela luz que emanava do poder financeiro, aqueles responsaveis políticos do PSD não resistiram aos seus encantos!
O problema foi que a luz do seu poder financeiro foi de tal intensidade que os cegou e o poder político do Governo de José Sócrates não permitiu, de forma activa, que os interesses privados daquele grupo se tivessem sobreposto ao interesse público.
Re: Afinal parece que não é bem assim! Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub