Anterior
Atirador de Oak Creek poderá estar ligado a grupos racistas brancos
Seguinte
'Vizinha' de Passos Coelho assaltada na Manta Rota
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   PSP volta a abrir portas a novos agentes em 2013

PSP volta a abrir portas a novos agentes em 2013

"Apesar das dificuldades que o país atravessa", vão continuar a ser admitidos novos agentes da PSP para formação, anunciou hoje o ministro Miguel Macedo.
Lusa |
Miguel Macedo garante que o número de agentes não vai diminuir
Miguel Macedo garante que o número de agentes não vai diminuir / Estela Silva/Lusa

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, anunciou hoje que, em 2013, e "apesar das dificuldades que o país atravessa", vão continuar a ser admitidos novos agentes da PSP para formação, não tendo avançado ainda números.

Na cerimónia de comemoração do 145.º aniversário da PSP do Porto, Miguel Macedo sublinhou que a produção eficaz de segurança depende de fatores como "a capacidade operacional das forças de segurança, baseada em profissionalismo, tecnicidade e disciplina, as condições de trabalho dos profissionais da polícia por forma a promover a eficiência na organização e a moralização dos seus profissionais, na garantia regular e continuada de recrutamento e formação de novos agentes".

"Apesar das dificuldades que o país atravessa, no próximo ano, em 2013, vamos fazer exatamente o que fizemos este ano: vamos continuar a admitir para formação novos agentes da Polícia de Segurança Pública. Consideramos que isso é essencial para uma instituição como a Polícia de Segurança Pública", anunciou o ministro da Administração Interna durante o seu discurso.

Interromper ciclo de dois anos


No final, questionado pelos jornalistas, sobre o número de agentes a ser admitidos em 2013, Miguel Macedo respondeu que "neste momento" estão a ser ultimados os dados, "porque eles depois vão ser públicos, no momento em que apresentarmos o Orçamento do Estado", tendo avançado que o número de agentes não vai diminuir.

"Agora nós fizemos este ano e vamos fazer para o ano, outra vez, vamos interromper aquele ciclo de que só de dois em dois anos, em regra, é que entravam elementos para a Polícia de Segurança Pública e entravam mil de cada vez. Eu sempre disse que eu pretendia outro sistema, que era entrar todos os anos, embora menos, como é evidente, de acordo com as necessidades da Polícia de Segurança Pública e, apesar das dificuldades, é isso que vamos fazer no próximo ano outra vez", explicou.

Na opinião do governante, "a capacidade operacional da Polícia de Segurança Pública está, de resto, bem expressa nos números", tendo sublinhado que os indicadores do primeiro semestre deste ano do Comando Metropolitano do Porto "são bem encorajadores quando comparados com o primeiro semestre do ano passado, apontando para uma redução da criminalidade geral na ordem dos seis por cento e de mais de 12 por cento de redução no que toca à criminalidade violenta e grave".

"Sei bem que o mero enunciado de estatísticas, por si, não resolve o sentimento de insegurança que persiste em muitos dos nossos concidadãos. (...) Tenho também insistido na necessidade de garantir proximidade e visibilidade", acrescentou ainda.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 33 Comentar
ordenar por:
mais votados
E ainda dizem que não há dinheiro
Para o que eles querem há dinheiro , para a polícia , para as escolas privadas , para os hospitais privados , para escritorios de advogados , para fundações privadas , etc ...

Não há dinheiro é para combater o desemprego e incentivar a economia.

Não há dinheiro , é quando convem , quando se trata de impôr mais austeridade e mais cortes.

Mas ainda há muitos parolos que acreditam nessa história tonta.

O dinheiro nunca faltou , está é a ser desviado em grandes quantidades para os bolsos errados , por isso começa a faltar onde é mais preciso , na educação e saúdes públicas e no desenvolvimento da economia portuguesa.
Há dinheiro só para meter XUIS pró-Governamentais
Re: Há dinheiro só para meter XUIS pró-Governament
Re: E ainda dizem que não há dinheiro
Re: E ainda dizem que não há dinheiro
Com Macedo, é à fartazana !!

Em 2012 foram admitidos 1100, treinados para robocops. Presumo que a título de fazer baixar a despesa, embora digam as más línguas que são os da porrada laranja, ameaçada que se sentia pelos polícias existentes não virem a acatar toda e qualquer ordem contra as populações e quem ouse discordar do PREC de direita.

Ao memso tempo, o MAI não sofreu cortes de Orçamento, tendo até sido reforçado em 400 milhões, ou seja, metade do ROUBO organizado que o governo fez aos subsídios.

Agora vem mais uma leva. Macedo, o homem que voltou aos bufos e aos infiltrados em manifestações, presta-se e bem à implementação de uma nova União-Nacional.

POLÌCIAS p/1000 habitantes/Eurostat 2010:

Portugal: 5,2/1000

Bélgica: 3,8

Rep Checa: 4,2

Irlanda: 1,4

Finlândia: 1,5

Grécia: 4,5

Força Coelhito, ROUBA aos velhos, doentes e pensionistas, para pagar os teus cães-de-fila.
Re: Com Macedo, é à fartazana !!
Em Portugal não é preciso mais policia. Se fosse
na Argentina onde a cidadania é uma realidade com esta poitica anti patriotica sim. youtu.be/QYp3-RV9Ias
!
É para substitir os que se suicidam? Não havia de aparecer ninguem interessado- Deve ser das piores profissões hoje. Num País onde se retirou toda a força às polícias e autoridades e se deu toda a força a ladrões, assaltantes, vigaristas, assassinos, políticos e fdp.
Pela parte que me toca tenho medo de sair à noite, o mesmo acontecendo a quem vive na minha zona. A partir das 21 horas fecha-se tudo em casa pelo mesmo motivo. As notícias que se ouvem é só de assaltos no Algarve e em toda a parte, incluindo multibancos destruídos à bomba. Foi o que nos trouxeram os "democratas" e esta democracia do faz de conta. Um País abandalhado, roubado, cagado, delapidado, emigrado, empobrecido e numa miséria completa no século XXI. Sim, não estamos nos anos 60 do século XX em que e Europa estava desfeita com a guerra, Portugal estava em guerra nas colónias e não vinham fundos da UE.
Re: !
Será esse o caminho?
Tenho estado a ler um estudo realizado pela PWC comparando países semelhantes a Portugal em termos de dimensão (população e/ou PIB).
Relativamente aos polícias por 100.000 habitantes, verifica-se o seguinte:
Portugal 520
Irlanda 140
Bélgica 381
R. Checa 420
Finlandia 150
Grécia 450
Nova Zelândia 190
Croácia 450
Austria 320
Têm-nos vendido a ideia de Portugal como um dos países mais seguros da Europa. Aparentemente as estatísticas demonstram o contrário. Ou existe desorganização e seguramente despesismo nesta matéria. Quais são as causas? Será por haver 3 forças policiais (e consequente sobreposição de tarefas)? Uma coisa é certa: os números apontam para a não necessidade de mais polícias.
Re: Será esse o caminho?
Re: Será esse o caminho?
Re: Será esse o caminho?
Re: Será esse o caminho?
Re: Será esse o caminho?
POLÍCIAS
Muitos comentários referem a admissão de polícias como politicamente motivada. Aparecem mesmo alguns exageros, como a formação de uma guarda pretoriana, preparada para reprimir as grandes manifestações, tumultos e desacatos, que tardam em aparecer, para grande desgosto de alguns.

Nada disto tem a ver com a necessidade de renovação permanente, numa profissão de desgaste rápido e em que, aos 40 anos, se começa a perder condições físicas para o patrulhamento activo.

Tem havido pouca imaginação no recrutamento, sempre feito numa perspectiva de carreira, donde resulta um número elevado de polícias de 40/50 anos, aos quais é necessário atribuir tarefas.

Talvez tenha que se encarar contratos por 10 ou 15 anos, com garantia de formação para futura profissão e um subsídio de reintegração, como se faz com a tropa.

Quanto aos rácios referidos, o mesmo acontece com médicos e juízes , e bem sabemos a eficiência desses serviços.
O mal é a desorganização a incompetência, a macrocefalia (ninguém quer sair das grandes cidades), as corporações imobilistas e conservadoras, etc

Sobre polícias, há a acrescentar as guerrilnhas internas, a PJ com estatuto de aristocrata, a pouca colaboração e até ocultação entre eles.

Parece ser fenómeno universal, muito referido nos filmes americanos, com os ciúmes entre FBI e polícias locais.....
Re: POLÍCIAS
Re: POLÍCIAS
Re: POLÍCIAS
Re: POLÍCIAS
Re: POLÍCIAS
Esta política está-lhes no sangue.
Espera-se que sejam bem formados, quantidade nunca foi sinónimo de qualidade.
Penso que se fossem melhor remunerados, não haveria necessidade de se estar a encharcar a PSP de efetivos.
Re: Esta política está-lhes no sangue.
O País que temos
Se não há policia, queixam-se da falta dela, se há, são gastos desnecessários (os eternos descontentes)

E.... naquele tempo havia a guerra do ultramar.... e naquele tempo não havia insegurança..... e naquele tempo era uma maravilha (os saudosistas)

E temos mais policias que os outros países..... e os policias são "robocops" e ...... infiltram-se nas manifestações....e o governo só tira tudo...... e........(os idiotas)

E contribuir para o desenvolvimento, apresentar ideias válidas e não apenas e só contestar????..... Isso não, que já dá trabalho não é??? Por tudo isso, somos aquilo que somos!!!!
Sugestão minha
Re: Sugestão minha
Re: O País que temos
Claro, as forças segurança
são essenciais quando um regime se vê apertado. PPC está com medo e claro manda reforçar a polícia, apesar da nossa média equiparada com os restantes países europeus já estar no top.
PSP ou PSPE
Claro que vão continuar a formar policias de segurança particular do estado!!!Se não quem os defende?E depois a policia auto paga-se,pois eles são pressionados a multar,pois há objetivos a cumprir.Não é por acaso,que todos os anos no OGE,já consta estatisticamento um montante apurado em multas!!!è a tal situação de"ANTES DE O SER JÁ O ERA".Portanto,quantos mais policias,mais lucro.Mas p'ra quê?Este dinheiro e outros dinheiros,vão para um saco rôto,o que é uma pena.É VERGONHOSO,UMA AUTÊNTICA FRAUDE...
Re: PSP volta a abrir portas a novos agentes em 20
Querem é mais guarda costas, cambada, corrupção
O poder tem medo das suas guardass pretoriana
Apesar das dificuldades que o país atravessa, o poder instalado tem medo das armas e também tem medo das insurreições e greves. Assim, toca a contentar as forças de segurança e a tropa dando-lhes mais gente, para continuarem a ter horarios de 9h às 17h, e abrir-lhes excepcionalmente, ao contrário dos restantes corpos da FP, as portas das promoções e progressões nas carreiras, que para os demais estão congeladas, e até aprovando-lhes, nas vésperas dos cortes salariais, e à sucapa, novos regimes retributivos que quase na totalidade cobrem esses mesmos cortes. É obra para um governo tão rigoroso nas contas públicas e que para outros corpos especiais, com muito menor número de elementos para sobrecarregar o erário público, e cuja especial dignidade imporia que se os não se pusesse numa posição de subalternização financeira relativamente até mesmo aos membros de topi daquelas forças, - já sem falar relativamente s determindas profissões do SEE - se anda a cortar em mesquinhos proventos representativos de mesquinhos ou nulos ganhps para o Estado. Enfim!....
Demcracia
A democracia em Portugal é eleger quem nos vai violar durante quatro anos, democracia em Portugal é quem vota passa um cheque em branco e entrega ao governo é passarlhes uma procuração.
Democracia em Portugal é por acima os valores economicoa acima dos humanos.
Democracia em Portugal é uma guerra de enteresses, onde os grupos se salva guardam, manipulam o sistema a seus interesses.
Democracia em portugal por acima os bem economico social acima dos tribunas, os tribunais são boneco da politica, para não cair na asneira de chamar justiça a tribunais, que é a casa do diabo do monopolio finaceiro, isto é Portugal, coitado daquela que cai nesse entrenho de vampiros e parassitas.
Juizes roubam e os advogados ajudam.
Comentários 33 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Últimas


Pub