3
Anterior
Dilma Rousseff antecipa regresso ao Brasil
Seguinte
Passos quer reafetar verbas do TGV para políticas sociais
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   PSD debate programa eleitoral

PSD debate programa eleitoral

"O PSD vai, a partir desta noite, iniciar todo o seu processo de construção de uma alternativa política em Portugal", anunciou Pedro Passos Coelho.

Lusa |
Pedro Passos Coelho: «O país inteiro sabe que, nesta altura, o Governo só tem uma estratégia, que é querer responsabilizar o PSD por tudo o que de mau acontece em Portugal»
Pedro Passos Coelho: «O país inteiro sabe que, nesta altura, o Governo só tem uma estratégia, que é querer responsabilizar o PSD por tudo o que de mau acontece em Portugal» / André Kosters/Lusa

A Comissão Política do PSD vai levar hoje ao Conselho Nacional uma proposta de bases de um programa eleitoral do partido, anunciou o presidente dos sociais-democratas, Pedro Passos Coelho.

"O PSD vai, a partir desta noite, iniciar todo o seu processo de construção de uma alternativa política em Portugal. A Comissão Política decidiu submeter ao Conselho Nacional uma proposta que visa a elaboração do programa eleitoral e que tem como missão abrir, na oportunidade da crise que está criada em Portugal, uma janela de esperança e de confiança ao país", declarou Pedro Passos Coelho.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do PSD, Passos Coelho adiantou que os sociais-democratas vão hoje "lançar as bases não apenas daquilo que deve ser um programa de estabilização financeira de curto prazo, mas também um programa de emergência de apoio aos mais carenciados na sociedade e àqueles que têm sido vítimas mais dolorosas de todo o processo de crise económica e financeira em que Portugal vive há demasiado tempo".

Aumentar o IVA ou cortar nas pensões?


No encontro com os jornalistas, Passos Coelho disse ainda que a ideia de que o PSD vai aumentar o IVA "não tem fundamento", mas reiterou que prefere essa medida, se "faltar dinheiro", do que ir buscá-lo às "pensões mais degradadas".

"Os impostos têm um efeito recessivo sobre a economia. A ideia que se foi gerando em Portugal de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento", declarou o presidente do PSD.

Passos Coelho reiterou, contudo, que "se depois de falhar tudo aquilo que é importante realizar-se e que este Governo não conseguiu cumprir, que é o ataque à despesa pública, se ainda assim faltar dinheiro", prefere "pensar nos impostos sobre o consumo do que ir às pensões mais degradadas que existem em Portugal".

"Nós não sujeitaremos as pessoas que vivem com 200 ou 300 euros por mês de rendimento a um sacrifício que não é justo nem é moral. Foi isto que eu disse e que eu reafirmo. Julgo que ninguém no PSD discorda desta minha afirmação", concluiu.

De quem é a culpa?


Pedro Passos Coelho aproveitou ainda para acusar o primeiro-ministro de ter como única preocupação culpar o PSD "por tudo o que de mau acontece no país" e rejeitou responsabilidades, remetendo-as para o Governo do PS.

"O país inteiro sabe que, nesta altura, o Governo só tem uma estratégia, que é querer responsabilizar o PSD por tudo o que de mau acontece em Portugal.

Todos os portugueses já perceberam que a única preocupação do primeiro-ministro é dizer que, se não houver dinheiro, a culpa é do PSD, se os mercados não confiarem, a culpa é do PSD, se porventura algum desastre económico acontecer em Portugal, é culpa do PSD", declarou Pedro Passos Coelho.

"Ora, o PSD não está a governar", acrescentou.

O presidente do PSD referiu depois que "este primeiro-ministro é primeiro-ministro há seis anos, mas tem responsabilidades de Governo em Portugal há 16 anos".

"Eu nunca estive no Governo. Portanto, qualquer português hoje percebe que, se a verdade da situação portuguesa é menos desagradável do que desejaríamos, não foi por o PSD ter faltado em apoio a este Governo. Eu direi até que o PSD esperou demasiado tempo e deu demasiadas oportunidades ao Governo para que ele cumprisse com uma política económica que estivesse ao nível daquilo que eram as necessidades do país. Mas isso acabou", rematou. 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
PASSOS COELHO É A ÚNICA ALTERNATIVA!
Para quem critica PPC, ele tanto não pretendia derrubar o Governo q não tem programa de Governo elaborado (se pensasse em derrubar o Governo agora, já tinha esse programa). Além disso o PSD viabilizou 2 OEs e 3 PECs para possibilitar um Governo de minoria (e não ser acusado de “SOFREGUIDÃO” pelo Poder, mas chegou ao limite… e ainda assim é acusado por Sócras… imagina se não aprovasse o primeiro PEC como seria a dramatização de Sócas).

PPC já disse o q pretende fazer: reduzir MUITO a despesa; diminuir o tamanho do Estado (por exemplo, a privatizar empresas q resultam em prejuízo e q atualmente são mantidas para empregar os boys); fazer o Estado atuar mais como gestor do sector económico e concentrar recursos nas áreas sociais etc. Mas COMO ele vai fazer isso? Ora, é preciso esperar o PROGRAMA de Governo (q está a ser elaborado agora exatamente pelo fato de q não se esperava já demissão de Sócras, a FUGIR).

Mas, com certeza, SÓCRAS não tem qq alternativa. Culpa o PSD pela situação que estamos, como se ela resultasse do chumbo ao PEC IV. Para SÓCRAS estava a correr tudo bem no País e agora o PSD deita tudo abaixo. A economia a crescer e a apresentar resultados HISTÓRICOS como anunciou T. dos Santos. Os juros, bem, esses estavam a 8% após 3 PECs, mas agora se aproximam do 9%. Portugal tinha 20% de seus títulos comprados pelo BCE, mas agora temos quase 25%. As empresas públicas tinham dinheiros para mais 2 meses e, após o chumbo do PEC IV, talvez nem mais para isso"...
a partir desta noite?
Sócrates escolheu o 1 de Abril. Foi mais original e, também para não fugir à sua imagem de marca...
PSD debate programa eleitoral
Não percebo, então onde está o sentido de Estado se deitam um governo ao chão e não têm solução. Quem pode confiar num chefe que põe os interesses pessoais e do partido acima dos interesses do País e dos portugueses. Como eu e todos os portugueses devem estar agradecidos a toda a Oposição por gostarem tanto de mim e de todos nós. Obrigado em meu nome e em nome de todos os portugueses por mais este serviço que acabam de fazer. Como todos devemos agradecer pelos altos serviços prestados, mas também pelo sentido de Estado demonstrado. Desde já e para agradecer venho convidar o Senhor dos Passos O Apostolo Paulo, o San Jerónimo e o San Francisco para assistirem a uma missa seguida de procissão num dia e local a combinar. Antecipadamente grato pela vossa resposta.
Comentários 3 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub