Anterior
Chirac critica Durão Barroso nas suas memórias
Seguinte
Rastreio inédito: "A Aorta não Avisa"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Primeiro-ministro grego desiste de governo de unidade nacional

Primeiro-ministro grego desiste de governo de unidade nacional

O ambiente político em Atenas tornou-se caótico. Cinco deputados do partido que está no poder em Atenas, o PASOK de Georgios Papandreou, demitiram-se nos últimos dias.

|
A situação está a ficar cada vez mais confusa e frágil em Atenas
A situação está a ficar cada vez mais confusa e frágil em Atenas

A situação está a ficar cada vez mais confusa e frágil em Atenas, ameaçando o futuro próximo da Grécia e a capacidade de o governo conseguir ter dinheiro em caixa para pagar as despesas correntes do Estado, podendo conduzir o país a uma falência técnica.

O reflexo mais evidente do clima de desespero que está a atingir a Grécia neste momento é a sequência de avanços e recuos protagonizada pelo primeiro-ministro Georgios Papandreous nas últimas 24 horas. Primeiro propôs um governo de unidade nacional ao líder da oposição, depois disse que não e anunciou que ia apenas mudar alguns dos seus ministros e agora adiou a decisão, confrontado com um crescente número de deserções de deputados do seu partido socialista, o PASOK.

Dois deputados do PASOK apresentaram a demissão do partido e do parlamento esta quinta-feira, em sinal de protesto contra a indicação de terem de votar a favor do segundo memorando de entendimento com a troika do FMI, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia, de forma a desbloquear um plano de resgate suplementar que pode chegar aos 110 mil milhões de euros, um valor semelhante ao empréstimo negociado em Maio do ano passado para garantir o equilíbrio das contas públicas do país e conseguir cumprir com os pagamentos aos credores internacionais.

Esta semana já foram cinco os deputados do PASOK que decidiram abandonar o parlamento. As deserções não puseram em risco a maioria absoluta de 155 lugares que o partido detém (num total de 300 deputados), porque as suas cadeiras serão ocupadas por outros socialistas, mas aqueceram a discussão interna sobre a eventualidade de o primeiro-ministro ter de ser substituído, por falta de consenso à volta da sua figura neste momento.

Pressionado para fazer aprovar o segundo memorando de entendimento com a troika a tempo de começar a implementação do novo pacote de medidas de austeridade ainda em junho, o primeiro-ministro tem apelado repetidamente à responsabilidade de todos os políticos, dentro e fora do partido, mas não tem tido grande sucesso. De acordo com a imprensa local, além da oposição se mostrar intransigente quanto à indisponibilidade para votar a favor do acordo suplementar com a troika, os ânimos no PASOK estão exaltados.

Um consenso cada vez mais remoto

 

Nos últimos dias, algumas figuras do partido já tinham vindo a público dizerem que iam votar contra o acordo. Durante a greve geral e as manifestações que ocuparam praças e ruas de 67 cidades da Grécia na quarta-feira, Papandreous reuniu-se de emergência com o presidente da República, tendo mantido depois disso três conversas telefónicas com Antonis Samaris, o líder do maior partido da oposição, o partido de direita da Nova Democracia.

Pelo que descrevem os jornais gregos, citando fontes do governo, num primeiro telefonema, o primeiro-ministro sugeriu a formação de um governo de unidade nacional, aceitando a exigência de Samaris de que ele teria de abandonar o cargo. Num segundo telefonema, o líder da oposição impôs como condição a realização de eleições antecipadas para definir um reequilíbrio de forças. E num terceiro telefonema, Papandreous respondeu a dizer que isso era inaceitável.

Pouco depois, quando os confrontos mais violentos do ano entre manifestantes e a polícia de choque já tinham terminado na praça Syntagma, em frente ao parlamento, o primeiro-ministro dava uma conferência de imprensa a anunciar que iria fazer apenas uma remodelação da sua equipa de ministros, ao contrário das notícias que já corriam por toda a Grécia e pela Europa de que o país estava prestes a formar um governo de unidade nacional.

A remodelação do governo era esperada para esta quinta-feira, mas a deserção de mais dois deputados levou a adiar o anúncio de quem sai e quem entra como ministros. Uma reunião de emergência do PASOK foi, entretanto, convocada para discutir os sinais de desmembramento no partido.

Numa comunicação ao parlamento, esta quinta-feira à tarde, Papandreou acusou o líder da oposição de ter inviabilizado as conversações para um eventual governo de unidade nacional, por ter apresentado condições inaceitáveis e por ter promovido uma fuga de informação praticamente instantânea.

O primeiro-ministro disse que o governo deverá avançar como uma solução de referendo, para serem os eleitores gregos a decidir se aceitam ou não o novo pacote de medidas de austeridade. Mas não adiantou nada sobre a remodelação da sua equipa (que pode ainda ser anunciada hoje à noite).

A última vez que a Grécia teve um referendo foi em 1974, depois do fim da ditadura militar, quando optou por não ter uma. O tom generalizado nos órgãos de comunicação nacionais é de que a crise política no país deu mais um salto em direcção ao fundo. Nas ruas de Atenas, havia já uma piada que corria: "A única pessoa que sabe que governo a Grécia vai ter nos próximos tempos é o Chuck Norris". Para já, o que é certo é que Chuck Norris, o actor de filmes de acção onde resolve sempre tudo, é mais popular aqui do que Papandreou. 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 22 Comentar
ordenar por:
mais votados
Senhors
Senhores deputados gregos...

Depois de falirem o país... Só lhes resta uma saída... Fugirem e lançar o Poder à rua... A praça que resolva...

Que os de cá se cuidem... Estamos indo pelo mesmo caminho.
O comboio europeu tem uma solução...

Os seus maquinistas, em primeiro lugar podem desengatar a Grécia, depois a Irlanda, e segue-se Portugal...

A Espanha é um caso a pensar... Mas não está livre de ser desengatada...
A crise é o resultado concreto e visível
da má gestão dos negócios de estado, que podia estar na mão da direita ou da esquerda, tanto faz. O grande problema frente a atual situação é, que, não se está querendo achar os verdadeiros vilões, que todos conhecem. O que se está querendo á encontrar são os tolos que arcarão com o ônus da dívida, que será inevitavelmente o "Zé Povinho". As reformas políticas e financeiras vão dilapidar o patrimônio público desses estados, detonar direitos e garantias pessoais , mas vão garantir a saúde dos de sempre, os causadores da crise, o especulador malandro que se aproveita de tudo, é a realidade. A conversa de que é preciso salvar os grandes empreendimentos que, se aqueles se tornarem pó, será muito pior é, para mim, uma falácia. Não foi o empregado, o funcionário público de carreira, a dona de casa, o estudante, ou o desempregado os causadores da crise mas, sim, quem detém o poder para fazer e desfazer. Por isso, a crise é ampla e profunda, que pode apodrecer o tecido social e transformar tudo numa oportunidade para de pequenas a grandes escaramuças, ou mesmo o surgimento de oportunistas de plantão, qual salvadores da pátria, que continuarão à serviço dos de sempre. Ademais, quanto pior ficar é melhor para negociar no preço vil dos que se locupletam da carniça às moscas. Rio Grande
O caos da política grega
Os pe­ri­gos do capita­lismo desenfreado e da es­cravidão do mercado .

A ti­rania de todos os poderes erráticos do passado,dos défices escondidos, de uma UE que não foi capaz de fiscalizar, caminha para um fim...onde não se vislumbram soluções.

É um caminho perigoso para a Grécia e para a própria UE.

Re: O caos da política grega
Tragédia Grega
Quem quiser ter uma ideia de como vai estar Portugal dentro de um ano, deve analisar com atenção a evolução da tragédia grega...
Portugal para lá caminha e talvez mais cedo do que se pensa.
Se a politica da UE não for invertida, se o paradigma não mudar, se o eixo Alemanha-França mantiver o alheamento como se a crise nos membros periféricos da UE - PIIGS - só a eles dissesse respeito, será o princípio do fim do Euro como afirmou Roubini há uns dias.
Se a cride das dívidas soberanas não for assumida pela UE/BCE/FEEF como um problema global que à UE diz respeito, o cenário será a implosão do € daqui a 5 anos (teoria de Roubini) ou mais, tanto importa...
A Srª Merkel não pretende mudar o paradigma, não viabiliza a emissão de eurobonds, não reforma o BCE no sentido da implementação de uma verdadeira politica orçamental e monetária comum.
È o princípio do fim do declínio da UE, não tenhamos dúvidas...
Re: Tragédia Grega
Re: Tragédia Grega
A história repete-se
Há cerca de 2500 anos o povo ateniense farto do mau jugo de príncipes tiranos e oligarquias corruptas , revoltou-se e pôs um ponto final nessa história , tomando o destino nas suas próprias mãos e assiom nasceu a democracia.

Parece que o povo grego vai ter de voltar a colocar ordem nisto , acabando com esta ditadura financeira corrupta
Re: A história repete-se
Re: A história repete-se
Re: A história repete-se
ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História repet?
Re: ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História re
Re: ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História re
Re: A história repete-se
Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: A história repete-se...OU NÃO!!!
Comentários 22 Comentar

Últimas


Pub