Anterior
Chirac critica Durão Barroso nas suas memórias
Seguinte
Rastreio inédito: "A Aorta não Avisa"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Primeiro-ministro grego desiste de governo de unidade nacional

Primeiro-ministro grego desiste de governo de unidade nacional

O ambiente político em Atenas tornou-se caótico. Cinco deputados do partido que está no poder em Atenas, o PASOK de Georgios Papandreou, demitiram-se nos últimos dias.

|
A situação está a ficar cada vez mais confusa e frágil em Atenas

A situação está a ficar cada vez mais confusa e frágil em Atenas, ameaçando o futuro próximo da Grécia e a capacidade de o governo conseguir ter dinheiro em caixa para pagar as despesas correntes do Estado, podendo conduzir o país a uma falência técnica.

O reflexo mais evidente do clima de desespero que está a atingir a Grécia neste momento é a sequência de avanços e recuos protagonizada pelo primeiro-ministro Georgios Papandreous nas últimas 24 horas. Primeiro propôs um governo de unidade nacional ao líder da oposição, depois disse que não e anunciou que ia apenas mudar alguns dos seus ministros e agora adiou a decisão, confrontado com um crescente número de deserções de deputados do seu partido socialista, o PASOK.

Dois deputados do PASOK apresentaram a demissão do partido e do parlamento esta quinta-feira, em sinal de protesto contra a indicação de terem de votar a favor do segundo memorando de entendimento com a troika do FMI, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia, de forma a desbloquear um plano de resgate suplementar que pode chegar aos 110 mil milhões de euros, um valor semelhante ao empréstimo negociado em Maio do ano passado para garantir o equilíbrio das contas públicas do país e conseguir cumprir com os pagamentos aos credores internacionais.

Esta semana já foram cinco os deputados do PASOK que decidiram abandonar o parlamento. As deserções não puseram em risco a maioria absoluta de 155 lugares que o partido detém (num total de 300 deputados), porque as suas cadeiras serão ocupadas por outros socialistas, mas aqueceram a discussão interna sobre a eventualidade de o primeiro-ministro ter de ser substituído, por falta de consenso à volta da sua figura neste momento.

Pressionado para fazer aprovar o segundo memorando de entendimento com a troika a tempo de começar a implementação do novo pacote de medidas de austeridade ainda em junho, o primeiro-ministro tem apelado repetidamente à responsabilidade de todos os políticos, dentro e fora do partido, mas não tem tido grande sucesso. De acordo com a imprensa local, além da oposição se mostrar intransigente quanto à indisponibilidade para votar a favor do acordo suplementar com a troika, os ânimos no PASOK estão exaltados.

Um consenso cada vez mais remoto

 

Nos últimos dias, algumas figuras do partido já tinham vindo a público dizerem que iam votar contra o acordo. Durante a greve geral e as manifestações que ocuparam praças e ruas de 67 cidades da Grécia na quarta-feira, Papandreous reuniu-se de emergência com o presidente da República, tendo mantido depois disso três conversas telefónicas com Antonis Samaris, o líder do maior partido da oposição, o partido de direita da Nova Democracia.

Pelo que descrevem os jornais gregos, citando fontes do governo, num primeiro telefonema, o primeiro-ministro sugeriu a formação de um governo de unidade nacional, aceitando a exigência de Samaris de que ele teria de abandonar o cargo. Num segundo telefonema, o líder da oposição impôs como condição a realização de eleições antecipadas para definir um reequilíbrio de forças. E num terceiro telefonema, Papandreous respondeu a dizer que isso era inaceitável.

Pouco depois, quando os confrontos mais violentos do ano entre manifestantes e a polícia de choque já tinham terminado na praça Syntagma, em frente ao parlamento, o primeiro-ministro dava uma conferência de imprensa a anunciar que iria fazer apenas uma remodelação da sua equipa de ministros, ao contrário das notícias que já corriam por toda a Grécia e pela Europa de que o país estava prestes a formar um governo de unidade nacional.

A remodelação do governo era esperada para esta quinta-feira, mas a deserção de mais dois deputados levou a adiar o anúncio de quem sai e quem entra como ministros. Uma reunião de emergência do PASOK foi, entretanto, convocada para discutir os sinais de desmembramento no partido.

Numa comunicação ao parlamento, esta quinta-feira à tarde, Papandreou acusou o líder da oposição de ter inviabilizado as conversações para um eventual governo de unidade nacional, por ter apresentado condições inaceitáveis e por ter promovido uma fuga de informação praticamente instantânea.

O primeiro-ministro disse que o governo deverá avançar como uma solução de referendo, para serem os eleitores gregos a decidir se aceitam ou não o novo pacote de medidas de austeridade. Mas não adiantou nada sobre a remodelação da sua equipa (que pode ainda ser anunciada hoje à noite).

A última vez que a Grécia teve um referendo foi em 1974, depois do fim da ditadura militar, quando optou por não ter uma. O tom generalizado nos órgãos de comunicação nacionais é de que a crise política no país deu mais um salto em direcção ao fundo. Nas ruas de Atenas, havia já uma piada que corria: "A única pessoa que sabe que governo a Grécia vai ter nos próximos tempos é o Chuck Norris". Para já, o que é certo é que Chuck Norris, o actor de filmes de acção onde resolve sempre tudo, é mais popular aqui do que Papandreou. 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 22 Comentar
ordenar por:
mais votados
Senhors
Senhores deputados gregos...

Depois de falirem o país... Só lhes resta uma saída... Fugirem e lançar o Poder à rua... A praça que resolva...

Que os de cá se cuidem... Estamos indo pelo mesmo caminho.
O comboio europeu tem uma solução...

Os seus maquinistas, em primeiro lugar podem desengatar a Grécia, depois a Irlanda, e segue-se Portugal...

A Espanha é um caso a pensar... Mas não está livre de ser desengatada...
A crise é o resultado concreto e visível
da má gestão dos negócios de estado, que podia estar na mão da direita ou da esquerda, tanto faz. O grande problema frente a atual situação é, que, não se está querendo achar os verdadeiros vilões, que todos conhecem. O que se está querendo á encontrar são os tolos que arcarão com o ônus da dívida, que será inevitavelmente o "Zé Povinho". As reformas políticas e financeiras vão dilapidar o patrimônio público desses estados, detonar direitos e garantias pessoais , mas vão garantir a saúde dos de sempre, os causadores da crise, o especulador malandro que se aproveita de tudo, é a realidade. A conversa de que é preciso salvar os grandes empreendimentos que, se aqueles se tornarem pó, será muito pior é, para mim, uma falácia. Não foi o empregado, o funcionário público de carreira, a dona de casa, o estudante, ou o desempregado os causadores da crise mas, sim, quem detém o poder para fazer e desfazer. Por isso, a crise é ampla e profunda, que pode apodrecer o tecido social e transformar tudo numa oportunidade para de pequenas a grandes escaramuças, ou mesmo o surgimento de oportunistas de plantão, qual salvadores da pátria, que continuarão à serviço dos de sempre. Ademais, quanto pior ficar é melhor para negociar no preço vil dos que se locupletam da carniça às moscas. Rio Grande
O caos da política grega
Os pe­ri­gos do capita­lismo desenfreado e da es­cravidão do mercado .

A ti­rania de todos os poderes erráticos do passado,dos défices escondidos, de uma UE que não foi capaz de fiscalizar, caminha para um fim...onde não se vislumbram soluções.

É um caminho perigoso para a Grécia e para a própria UE.

Re: O caos da política grega
Tragédia Grega
Quem quiser ter uma ideia de como vai estar Portugal dentro de um ano, deve analisar com atenção a evolução da tragédia grega...
Portugal para lá caminha e talvez mais cedo do que se pensa.
Se a politica da UE não for invertida, se o paradigma não mudar, se o eixo Alemanha-França mantiver o alheamento como se a crise nos membros periféricos da UE - PIIGS - só a eles dissesse respeito, será o princípio do fim do Euro como afirmou Roubini há uns dias.
Se a cride das dívidas soberanas não for assumida pela UE/BCE/FEEF como um problema global que à UE diz respeito, o cenário será a implosão do € daqui a 5 anos (teoria de Roubini) ou mais, tanto importa...
A Srª Merkel não pretende mudar o paradigma, não viabiliza a emissão de eurobonds, não reforma o BCE no sentido da implementação de uma verdadeira politica orçamental e monetária comum.
È o princípio do fim do declínio da UE, não tenhamos dúvidas...
Re: Tragédia Grega
Re: Tragédia Grega
A história repete-se
Há cerca de 2500 anos o povo ateniense farto do mau jugo de príncipes tiranos e oligarquias corruptas , revoltou-se e pôs um ponto final nessa história , tomando o destino nas suas próprias mãos e assiom nasceu a democracia.

Parece que o povo grego vai ter de voltar a colocar ordem nisto , acabando com esta ditadura financeira corrupta
Re: A história repete-se
Re: A história repete-se
Re: A história repete-se
ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História repet?
Re: ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História re
Re: ENTÃO SOU EU QUE ESTOU ERRADO ou a História re
Re: A história repete-se
Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: Desconheço?
Re: A história repete-se...OU NÃO!!!
Comentários 22 Comentar

Últimas


Pub