Anterior
Vídeos SIC sobre a entrevista do primeiro-ministro
Seguinte
Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Entrevista à RTP primeiro-ministro  >  Primeiro-ministro desvaloriza divergências com Presidente

Entrevista à RTP

Primeiro-ministro desvaloriza divergências com Presidente

José Sócrates garantiu que mantém um "bom relacionamento" com Cavaco Silva e mostrou-se confiante em que a justiça descobrirá e punirá quem usa o seu nome de forma "abusiva e criminosa" no processo Freeport.
|
José Sócrates na entrevista com Judite de Sousa e José Alberto Carvalho
José Sócrates na entrevista com Judite de Sousa e José Alberto Carvalho / Manuel de Almeida/Lusa

Uma hora e cinco minutos de entrevista divididos, quase cientificamente, em três partes iguais: os primeiros 20 dedicados às relações entre o primeiro-ministro e o Presidente da República (que, desde sábado, têm vindo a ocupar boa parte do noticiário político); os segundos versando a crise económica e a estratégia do Governo para a combater; os últimos dominados pelo caso Freeport.

José Sócrates levava um objectivo claro para a conversa com Judite de Sousa e José Alberto Carvalho: tranquilizar a assistência televisiva (que é como quem diz, o eleitorado que lhe dará, ou não, nova maioria nas eleições legislativas daqui a cinco meses). Afiançar-lhe que, pese embora as últimas notícias, não são tensas as relações entre Belém e São Bento. Assegurar-lhe que, apesar da dimensão imprevisível da crise, o plano de combate do Governo está a produzir resultados. Garantir-lhe que, não obstante a história parecer longe do fim, tudo vai acabar bem no processo Freeport, com a justiça a apurar e punir os verdadeiros culpados.

O primeiro-ministro recusou-se a prosseguir a escalada que parecia ter iniciado no sábado quando, no seu discurso nas Novas Fronteiras, se recusou a aceitar as "políticas do recado" - no que foi interpretado como mais não sendo do que um recado para o Presidente da República. Sócrates mostrou-se convicto que Cavaco Silva "não se vai deixar instrumentalizar por nenhuma oposição, não se vai deixar envolver no jogo político", em ano eleitoral. Questionado várias vezes pelos jornalistas, quis objectivamente deixar claro que as palavras do chefe de Estado não lhe causam nenhuma incomodidade: "Tem todo o direito de dizer o que pensa da situação - isso não tem qualquer problema", desdramatizou.

Recusando a ideia de que tenha demorado até realizar a dimensão da crise - "nenhum economista ou instituição, antes do Verão de 2008, tinha ideia de que a recessão iria ter esta dimensão" -, aproveitou o incontornável tema da situação económica para apresentar o seu principal argumento de campanha contra os partidos da oposição neste particular: "Acho um abuso, e até uma certa infantilidade, pretendermos que esta é uma crise portuguesa". Por outras palavras: "O que está a acontecer em Portugal deriva da situação internacional".

E não desperdiçou o tempo de antena em horário nobre: enquanto o deixaram, elencou todas as estatísticas que pôde relativamente aos resultados das medidas do "plano anti-crise do Governo" - um plano "só possível porque tínhamos as contas públicas em ordem". Mais uma vez, a comparação com o que se passa lá fora deu-lhe argumentos para contrariar os que acusam o Governo de não ter conseguido ultrapassar os problemas estruturais portugueses: na Irlanda as previsões de défice apontam para os 10% e as estimativas de recessão para -8%.

Mas foi o aguardado tema Freeport a proporcionar os momentos mais 'quentes' da entrevista, com o primeiro-ministro a sair, por dois ou três momentos, do registo relativamente sereno que conseguira manter nos primeiros quarenta minutos da conversa. Um assunto que lhe tem merecido, reconheceu, silêncio e reserva: "Por respeito pela seriedade da investigação" e por "não querer contribuir para um tema que envenena o nosso espaço político". Mas que hoje decidiu quebrar: "Não posso ficar calado perante uma tentativa de assassinato político que me visa directamente".

Desta vez Sócrates fugiu à expressão "campanha negra", mas as alternativas não foram mais suaves: "Faz-me lembrar os regimes da América Latina em que se organizam processos judiciais contra políticos", afirmou; e ainda "sou vítima de um processo kafkiano". O primeiro-ministro, que garantiu não ter dúvidas das motivações políticas que criaram o processo Freeport - fez questão, aliás, de lembrar como nasceu o processo, em Outubro de 2004, "quinze dias depois de ter sido eleito secretário-geral do PS" -, revelou ter processado Charles Smith por injúria e difamação e mostrou-se esperançoso de que, "mais tarde ou mais cedo", a justiça encontre e puna quem tenha usado o seu nome "abusivamente e de forma criminosa com o objectivo de obter alguma vantagem ilegítima".

Confiante "no bom senso e razoabilidade dos portugueses", disse acreditar que haja elevada participação nas europeias de Junho e que não serão as consequências do Freeport a retirar-lhe a maioria absoluta nas legislativas de Setembro/Outubro. "Não me vencem desta forma", afirmou, acrescentando ainda, em tom de desafio: "Tenho pouco jeito para servir de vítima".


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
A entrevista a José Sócrates
Não vi a entrevista mas, por aquilo que aqui se diz, José Sócrates fez aquilo que de alguma maneira se esperava dele.

1- pôs um pouco de água fria na polémica com o presidente da república em virtude de o país nada ter a ganhar com as querelas institucionais. Eu, que não sou primeiro ministro, nem tenho nada a ver com a política activa, penso que a "guerra" aberta por Cavaco Silva não faz sentido. Aquilo que ele veio dizer em público, deveria tê-lo dito nas reuniões semanais que mantém com o governo. Da forma como o fez dá o direito de pensar que Cavaco Silva está a fazer um frete ao PSD.

2 -Respondeu pela parte económica que mais preocupa os portugueses, de forma a não criar mais alarmismo. Um primeiro ministro não deve ser um elemento de desestabilização da situação social. Para isso já basta a crise mundial que nos está a afectar grandemente em virtude da nossa economia não ser capaz de produzir aquilo que consumimos.

3- No caso FREEPORT, independentemente de ele ter ou não feito alguma coisa menos transparente, seria bom que a justiça se fizesse célere a fim de evitar aquilo a Guterres em tempos, classificou como um "pântano".
Re: A entrevista a José Sócrates
A quem serviu este disparate ?
Numa entrevista de 60 minutos, dedicar 20 ( um terço ) a analisar as "divergências" com o PR foi um verdadeiro disparate .
E aqui ( há que "chamar os bois pelos nomes") a culpa vai inteirinha para a jornalista Judite de Sousa.
Por mais de uma vez o Primeiro-Ministro pretendeu mudar de assunto ( chegando mesmo a ser indelicado com ela) mas a jornalista insistia em voltar a chamar o Cavaco à colação.
Até parece que o País tem saudades da governação daquele Senhor (considerado por muitos como o principal responsável pelo estado das Finanças) ...
Não estamos num sistema Presidencialista nem o Senhor Cavaco é a Rainha de Inglaterra ou simbolo do que quer que seja ...
Perder um terço do tempo da entrevista a analisar se há ou não divergências entre os dois ... é fazer um frete ao Sócrates, que assim escapou a assuntos muito mais importantes
ISENÇÃO
Lamentável a ideia que as pessoas têm do jornalistas.
Jornalismo não é atacar, fazer politiquice ou oposição (Embora exista que o faça)
Jornalismo sério é investigar, é estudar para poder fazer as perguntas que o cidadão comum gostaria de poder fazer.
Quando acontece o contrário, estão a servir outros interesses...
Comentários 4 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub