Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Sampaio da Nóvoa

Quando o candidato Sampaio da Nóvoa foi apenas professor

Ou como uma iniciativa se transformou numa pequena polémica na Marinha Grande

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Texto

Redatora Principal

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotos

Fotojornalista

Foi o menos político dos discursos de Sampaio da Nóvoa nesta primeira semana de campanha, mas mesmo assim falando de políticas - no caso a política da educação (ou do ensino superior, como pretere dizer), e da necessidade da inovação e do conhecimento na vida empresarial.

O candidato falava numa cerimónia dos 25 anos do Instituto Superior D. Dinis, na Marinha Grande, que reuniu cerca de 220 pessoas, muitos alunos e docentes, mas também empresários da região.

A intervenção de Sampaio da Nóvoa deu origem a alguma polémica interna: a direção da escola queria que o antigo reitor falasse apenas como professor catedrático, o que para o candidato em campanha não fazia sentido. Acabou por fazer uma intervenção de "compromisso", após quase meia hora de "negociações".

A aposta do futuro

Para Sampaio da Nóvoa, o Portugal democrático fez três apostas, no ensino, na ciência e na ligação entre a universidade e a sociedade. "Precisamos de coletivamente nos pôr de acordo sobre que país queremos ser" disse, salientando que só com conhecimento, inovação e produtividade.

O candidato afirmou ainda que "o Estado não deve substituir-se às empresas, mas deve fazer investimentos estruturantes. Também não partilho a tese", acrescentou, que "a iniciativa privada deve substituir-se ao Estado em todas as situações".

E terminou, citando Bernardino Machado: "uma universidade deve ser escola de tudo, mas sobretudo de liberdade".