Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Sondagem: Marcelo absoluto, Nóvoa cresce, Belém cai

  • 333

Na última sondagem antes das eleições presidenciais, Marcelo Rebelo de Sousa confirma a tendência de vitória à primeira volta. Marisa Matias mantém-se à frente de Edgar Silva

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor da SIC

Apesar dos números esmagadores de Marcelo Rebelo de Sousa, que sondagem após sondagem tem somado intenções de voto, a grande dúvida que resta é se fica tudo resolvido no domingo. Marcelo lidera isolado e com um resultado (55%) que, a verificar-se, lhe garante a eleição à primeira volta. Mas, e a dúvida é esta, a abstenção pode por tudo em causa.

Na história das eleições presidenciais só por uma vez houve segunda volta, em 1986, quando Soares derrotou Freitas. E na primeira vez em que foram eleitos, os antigos presidentes obtiveram 61,59% (Eanes), 51,18% (Soares), 53,91% (Sampaio) e 50,54% (Cavaco). Se Marcelo chegar aos 55% nas urnas, só Eanes conseguiu uma votação superior na primeira vez que foi eleito para Belém.

Se nestas eleições a abstenção ultrapassar a fasquia dos 50%, o impacto vai sentir-se no resultado de todas as candidaturas. Mas o principal prejudicado será mesmo Marcelo. Num cenário de elevada abstenção, a eleição presidencial pode só ficar resolvida numa segunda volta – a 14 de fevereiro –, o principal objetivo de Sampaio da Nóvoa. Nesta equação é preciso ter em conta a chamada abstenção por “convicção de vitória”, ou seja, com resultados tão positivos para Marcelo Rebelo de Sousa existe o perigo de os portugueses não irem votar por acreditarem que já está tudo resolvido (foi o que aconteceu, por exemplo, no referendo do aborto em junho de 1998, em que o sim acabou derrotado apesar de todos os estudo de opinião). Por isso, Marcelo tem tentado contrariar a ideia de um “excesso de confiança”. Mas, ainda assim, tem dramatizado pouco. Talvez esteja a guardar o apelo ao voto para as últimas horas de campanha, que termina à meia-noite desta sexta-feira.

O histórico da abstenção nas eleições presidenciais mostra que na primeira eleição dos presidentes o recorde negativo foi alcançado em 2006, quando Cavaco foi eleito para Belém, com 38,47% de abstenção. O recorde absoluto de abstenção nas presidenciais foi atingido em 2011, na reeleição de Cavaco, com 53,48%.

Todas estas contas estão a ser feitas ao pormenor pelas várias candidaturas, especialmente pela de Marcelo. A expectativa é que, mesmo que haja nestas eleições um acréscimo do nível de abstenção, ela fique abaixo dos 50%.

José Carlos Carvalho

De qualquer forma, e importa sublinhar, Marcelo Rebelo de Sousa apresenta um crescimento consolidado na intenção de voto. Na comparação com as últimas sondagens feitas para o Expresso/SIC, saltou de 48% em novembro para os 55% registados neste estudo. Valores que o deixam confortável na liderança e a poucas horas do fim da campanha.

Se Marcelo está na “primeira liga”, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém disputam, ferozmente, o primeiro lugar da segunda divisão – e o ex-reitor ainda sonha com a segunda volta. Mas os ataques que têm trocado entre eles, qual luta fratricida, não os favorece: divide eleitorado e faz sobressair Marcelo. Ainda assim, Nóvoa, que continua a léguas de Marcelo (19% para 55%), conseguiu distanciar-se da ex-presidente do PS. Maria de Belém dá um trambolhão de 3 pontos – e esta sondagem ainda não reflete a polémica com as subvenções dos ex-políticos, em que esta semana a candidata se viu envolvida.

À esquerda, na guerra BE-PCP, este estudo mostra que as presidenciais podem ser uma repetição do filme das legislativas. Ou seja, o BE, neste caso Marisa Matias, pode voltar a ultrapassar o PCP e o seu candidato Edgar Silva. Segundo esta sondagem, o comunista não está a marcar terreno (nem a segurar eleitorado?): o seu score está a cair desde novembro. Já a bloquista está a conseguir aguentar o resultado. Ainda assim, quer um quer outro continuam muito longe dos valores que os partidos conseguiram nas legislativas. Em outubro, o BE alcançou 10,19% e o PCP teve 8,25%.

No campeonato dos mais pequenos, Paulo Morais, com o seu discurso totalmente centrado na corrupção, leva a melhor sobre Henrique Neto.

FICHA TÉCNICA

ESTUDO DE OPINIÃO EFETUADO PELA EUROSONDAGEM S.A. PARA O EXPRESSO E SIC, DE 14 A 19 DE JANEIRO DE 2016. ENTREVISTAS TELEFÓNICAS, REALIZADAS POR ENTREVISTADORES SELECIONADOS E SUPERVISIONADOS. O UNIVERSO É A POPULAÇÃO COM 18 ANOS OU MAIS, RESIDENTE EM PORTUGAL CONTINENTAL E HABITANDO LARES COM TELEFONE DA REDE FIXA. A AMOSTRA FOI ESTRATIFICADA POR REGIÃO: NORTE (20,2%) — A.M. DO PORTO (15%;); CENTRO (28%) — A.M. DE LISBOA (26,9%) E SUL (9,9%), NUM TOTAL DE 2025 ENTREVISTAS VALIDADAS. FORAM EFETUADAS 2468 TENTATIVAS DE ENTREVISTAS E, DESTAS, 443 (17,9%) NÃO ACEITARAM COLABORAR NESTE ESTUDO. A ESCOLHA DO LAR FOI ALEATÓRIA NAS LISTAS TELEFÓNICAS E O ENTREVISTADO, EM CADA AGREGADO FAMILIAR, O ELEMENTO QUE FEZ ANOS HÁ MENOS TEMPO, E DESTA FORMA RESULTOU, EM TERMOS DE SEXO: FEMININO — 51,4%; MASCULINO — 48,6% E, NO QUE CONCERNE À FAIXA ETÁRIA DOS 18 AOS 30 ANOS — 17,7%; DOS 31 AOS 59 — 50,7% E COM 60 ANOS OU MAIS — 31,6%. O ERRO MÁXIMO DA AMOSTRA É DE 2,18%, PARA UM GRAU DE PROBABILIDADE DE 95%. UM EXEMPLAR DESTE ESTUDO DE OPINIÃO ESTÁ DEPOSITADO NA ENTIDADE REGULADORA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL.