Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

A primeira vez em que os 10 foram notícia

  • 333

A poucos dias das eleições presidenciais, o Expresso revela-lhe a idade e as circunstâncias em que os 10 candidatos ao cargo de chefe de Estado apareceram pela primeira vez nas páginas do nosso jornal. Saiba o que dizia de Marcelo uma edição do Expresso que nunca chegou às bancas e veja a foto de Nóvoa quando era conselheiro de Jorge Sampaio. Os hospitais têm falta de enfermeiros mas esse problema já se sentia em 1984, quando Maria de Bélém foi chefe de gabinete do ministro da Saúde. Ao longo deste artigo pode ler as páginas do Expresso com a primeira notícia que demos sobre cada candidato

Se a maioria dos portugueses se deixar seduzir por um dos slogans da candidatura de Henrique José de Sousa Neto [“A 24 de janeiro vote no primeiro”], pode acontecer que este homem que começou a vida como operário venha a ser o Presidente da República mais velho, batendo o recorde etário que até aqui pertencia ao marechal Carmona. Neto, que fará 80 anos a 27 de abril, também poderá ser o mais velho no dia da tomada de posse [o PR eleito toma posse a 9 de março].

Ao longo dos 75 anos de história da República só nas polémicas e antidemocráticas eleições de 13 de fevereiro de 1949 é que foi (re)eleito um PR, Óscar Carmona, que estava a nove meses de completar 80 anos. Todos os outros 18 homens que exerceram o cargo de Presidente eram mais novos no dia em que foram empossados.

É o decano dos 10 candidatos a PR, e é também aquele cujo nome apareceu primeiro nas páginas do <b>Expresso</b>. Num suplemento especial, a edição de 23 de abril de 1983 falou no empresário Neto <a href="http://cdn.impresa.pt/e77/508/8089982/HenriqueNeto-Expresso1983.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

É o decano dos 10 candidatos a PR, e é também aquele cujo nome apareceu primeiro nas páginas do Expresso. Num suplemento especial, a edição de 23 de abril de 1983 falou no empresário Neto Clique aqui para ver o PDF

Henrique Neto começou a trabalhar como operário quando tinha 16 anos e, de acordo com a página oficial da sua candidatura, despertou para a intervenção cívica e política no ano em que Carmona morreu, aderindo ao MUD-Juvenil aos 15 anos. Mais tarde apoiou a candidatura de Humberto Delgado à presidência e foi militante do PCP quando o partido operava na clandestinidade.

Em abril de 1983, o fundador e primeiro diretor do Expresso, Francisco Pinto Balsemão, chefiava o VIII Governo Constitucional e o já desaparecido Augusto de Carvalho dirigia o jornal. Na edição de 23 de abril, dois dias antes das eleições legislativas que o PS venceu por maioria simples e nas quais a UDP [União Democrática Popular] perdeu o único deputado que tinha desde 1975, o jornal publicou um suplemento dedicado à Feira Industrial de Hanover, onde surgiu pela primeira vez o nome de Neto, num texto intitulado “O que os participantes disseram sobre a participação portuguesa”.

Pela leitura da página 9 desse suplemento ficamos a saber que o industrial Henrique Neto, da Plastrade, classificava a presença lusa em Hanover de “positiva, ainda que sujeita a condicionantes e à marcação de uma posição de prestígio e não de negócios”.

O empresário Henrique Neto foi um dos fundadores da Iberomoldes em 1975. Anos mais tarde, esta empresa seria a holding de um grupo. Henrique Neto tinha 49 anos quando esta foto foi tirada em 1985

O empresário Henrique Neto foi um dos fundadores da Iberomoldes em 1975. Anos mais tarde, esta empresa seria a holding de um grupo. Henrique Neto tinha 49 anos quando esta foto foi tirada em 1985

Rui Ochôa

O candidato que desistiu aos 82 anos

À laia de curiosidade recorde-se que Américo Thomaz, o último Chefe de Estado da ditadura, estava a caminho dos 78 anos quando foi reeleito pela última vez, por sufrágio indireto, a 25 de julho de 1972, dois anos antes da Revolução do 25 de Abril; no entanto, tanto Thomaz como Carmona tinham menos idade do que Neto no dia das eleições.

Se recuarmos de novo às eleições de fevereiro de 1949, e à candidatura de Norton de Matos, apoiada por toda a oposição democrática ao regime de Salazar, verificamos que o general estava prestes a completar 82 anos quando retirou a sua candidatura, na véspera do sufrágio, por considerar que não estavam reunidas as condições necessárias para a realização de eleições livres.

1975: Marcelo Rebelo de Sousa ao lado de Franscisco Pinto Balsemão, fundador do Expresso e do PPD/PSD, num comício do partido. Na 2ª fila, Helena Roseta

1975: Marcelo Rebelo de Sousa ao lado de Franscisco Pinto Balsemão, fundador do Expresso e do PPD/PSD, num comício do partido. Na 2ª fila, Helena Roseta

ARQUIVO A CAPITAL/IP

Nesta corrida para o cargo de XIX Presidente de Portugal, Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa é o segundo candidato mais velho, com 67 anos feitos em dezembro passado. E, entre os dez portugueses que vão a votos, também é a personagem que os portugueses estão mais habituados a ver na televisão. Professor, comentador, ator de novelas radiofónicas, jornalista, deputado e líder partidário... Marcelo já fez de tudo um pouco.

No nº 7 do<b> Expresso</b>, publicado a 17 de fevereiro de 1973, Marcelo Rebelo de Sousa assinou o primeiro artigo de opinião neste jornal, onde trabalhou até 1981 <a href="http://cdn.impresa.pt/d24/e36/8089996/Macelo-Rebelo-Sousa.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

No nº 7 do Expresso, publicado a 17 de fevereiro de 1973, Marcelo Rebelo de Sousa assinou o primeiro artigo de opinião neste jornal, onde trabalhou até 1981 Clique aqui para ver o PDF

Quando tinha 25 anos, este homem dos sete instrumentos integrou o núcleo fundador do Expresso. A primeira referência ao seu nome nos nossos arquivos surgiu na alegada edição de 30 de dezembro de 1972, que apresentou Marcelo como administrador-delegado.

Acresce dizer que esta alegada edição foi uma espécie de ecografia “avant la lettre” ao bebé Expresso, cujo primeiro número foi para as bancas a 6 de janeiro de 1973.

No nº 375 do <b>Expresso</b>, a 5 de janeiro de 1980, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu a direção do jornal, na sequência da saída de Francisco Pinto Balsemão para o Governo chefiado por Francisco Sá Carneiro (como ministro-adjunto do PM) <a href="http://cdn.impresa.pt/5dc/e3d/8090011/Marcelo-diretor.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

No nº 375 do Expresso, a 5 de janeiro de 1980, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu a direção do jornal, na sequência da saída de Francisco Pinto Balsemão para o Governo chefiado por Francisco Sá Carneiro (como ministro-adjunto do PM) Clique aqui para ver o PDF

Os leitores da primeira hora deste jornal só veriam o nome de Marcelo impresso a 17 de fevereiro, no nº 7, a assinar um artigo de opinião sobre o IV Plano de Fomento do Governo de Marcello Caetano, de quem Marcelo ‘herdou’ o nome. Recorde-se que o último chefe de Governo da ditadura foi padrinho de casamento dos pais de Rebelo de Sousa.

Diretor-interino em 1980

A 3 de janeiro de 1980, Marcelo assumiu a direção do Expresso (que já integrava desde janeiro de 1975, como subdiretor), porque Francisco Pinto Balsemão tomou posse como ministro-adjunto do VI Governo Constitucional, também conhecido por Governo da AD (Aliança Democrática), chefiado por Francisco Sá Carneiro.

Duas mulheres na corrida

Se Henrique Neto tem hipóteses de vir a ser o Presidente mais velho que alguma vez foi eleito, Maria de Belém é uma das duas candidatas a ser a primeira mulher chefe de Estado.

Maria de Belém em 1996. À epoca exercia o cargo de ministra da Saúde do XIII Governo Constitucional, chefiado por António Guterres

Maria de Belém em 1996. À epoca exercia o cargo de ministra da Saúde do XIII Governo Constitucional, chefiado por António Guterres

Ilídio Teixeira

O Expresso mencionou o seu nome pela primeira vez na edição de 1 de dezembro de 1984, num artigo intitulado “Serviços hospitalares fechados por falta de enfermeiros”. Há 32 anos, os hospitais já tinham falta de enfermeiros e Maldonado Gonelha tutelava a pasta da Saúde do Governo do Bloco Central (IX Governo), chefiado por Mário Soares, que tomara posse em junho do ano anterior.

Maria de Belém foi ministra da Saúde no primeiro Governo de Guterres e foi por causa dos hospitais que se estreou no Expresso em dezembro de 1984, só que nessa altura era chefe de gabinete do então titular da pasta, Maldonado Gonelha <a href="http://cdn.impresa.pt/fdd/b97/8090015/Maria-de-Belem-Expresso1984.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Maria de Belém foi ministra da Saúde no primeiro Governo de Guterres e foi por causa dos hospitais que se estreou no Expresso em dezembro de 1984, só que nessa altura era chefe de gabinete do então titular da pasta, Maldonado Gonelha Clique aqui para ver o PDF

O gabinete de Gonelha era chefiado por Maria de Belém Roseira Martins Coelho Henriques de Pina, então com 35 anos e que era militante do Partido Socialista desde 1976.

O Governo do Bloco Central geriu o país durante uma crise económica que abriria as portas à segunda intervenção do FMI. Os termos do resgate foram negociados por uma equipa do FMI chefiada por Teresa Ter-Minassian, que chegou a Portugal no final de julho de 1983 e, durante três semanas, preparou a intervenção cujas condições seriam tornadas públicas em outubro desse ano.

Os cortes na saúde, entre outros, marcaram os anos de fome e desemprego que se seguiram e o ciclo só seria invertido com a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia, em 1986.

Não fosse Otelo... ela seria a mais jovem

Marisa Matias ao lado de Miguel Portas,na noite eleitoral de 7 de junho de 2009; nestas eleições europeias o Bloco de Esquerda escolheu o Forum-Lisboa para local de acompanhamento dos resultados. O Bloco elegeu 3 eurodeputados e Marisa foi eleita

Marisa Matias ao lado de Miguel Portas,na noite eleitoral de 7 de junho de 2009; nestas eleições europeias o Bloco de Esquerda escolheu o Forum-Lisboa para local de acompanhamento dos resultados. O Bloco elegeu 3 eurodeputados e Marisa foi eleita

António Pedro Ferreira

Com 39 anos, Marisa Isabel dos Santos Matias é outra candidata a primeira mulher eleita Presidente e, também, a mais jovem pessoa que alguma vez poderá ocupar o cargo. Se este cenário se concretizar, Marisa já tomará posse na quarta década de vida.

Mesmo assim, no momento da posse, seria mais jovem do que António Ramalho Eanes, eleito Presidente com 41 anos. E só não é a mais jovem candidata à presidência do Portugal democrático porque, em 1976, Otelo Saraiva de Carvalho também se candidatou com 39 anos... e umas semanas mais longe dos 40.

Em 41 anos de democracia, Marisa Matias é a segunda pessoa mais jovem a candidatar-se ao cargo de PR. O seu nome surgiu pela primeira vez no Expresso na campanha para as presidenciais de 2006, como apoiante de Francisco Louçã <a href="http://cdn.impresa.pt/adf/67f/8090016/MarisaMatias-Expresso2005.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Em 41 anos de democracia, Marisa Matias é a segunda pessoa mais jovem a candidatar-se ao cargo de PR. O seu nome surgiu pela primeira vez no Expresso na campanha para as presidenciais de 2006, como apoiante de Francisco Louçã Clique aqui para ver o PDF

O nome de Marisa apareceu pela primeira vez no Expresso em dezembro de 2005, num artigo intitulado “Tréguas de Natal na campanha”. Nesse final de ano, o país preparava-se para a corrida presidencial de 2006.

Cavaco Silva foi o vencedor, dez anos depois de ter sido derrotado por Jorge Sampaio. Em 2006, Marisa apoiava a candidatura do então líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, à mais alta magistratura da nação.

O padre que contestou o poder de Jardim

O PCP surpreendeu muitos portugueses ao escolher para candidato a PR Edgar Silva. Este madeirense de 53 anos é licenciado em Teologia e foi padre

O PCP surpreendeu muitos portugueses ao escolher para candidato a PR Edgar Silva. Este madeirense de 53 anos é licenciado em Teologia e foi padre

António Pedro Ferreira

Se as eleições fossem literatura, o madeirense Edgar Freitas Gomes Silva, 53 anos, teria todos os ingredientes para ser a personagem mais consistente da narrativa. Licenciado em Teologia, escolheu o lado dos mais fracos, foi padre “católico”, como faz questão de referir na página oficial da sua candidatura, e abandonou o sacerdócio em 1997, depois de ter regressado à Madeira um ano antes “como objetor de consciência para o cumprimento do serviço cívico no trabalho com crianças de rua”.

Nesse ano, 1996, também “foi candidato independente nas listas da CDU à Assembleia Legislativa Regional da Madeira, tendo sido eleito deputado regional”.

O padre Edgar Silva estreou-se nas páginas do Expresso em 1992 como um dos dez padres da Madeira que contestavam a política de Alberto João Jardim <a href="http://cdn.impresa.pt/548/8c9/8089972/EdgarSilva-Expresso1992.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

O padre Edgar Silva estreou-se nas páginas do Expresso em 1992 como um dos dez padres da Madeira que contestavam a política de Alberto João Jardim Clique aqui para ver o PDF

Conflitos de fé

Um candidato que se mantém firme na campanha quando as sondagens lhe dão cerca de 4% das intenções de voto [quase menos 6 pontos percentuais do que o PCP teve em outubro]... é um homem de fé. Tudo leva a crer que foi o conflito com a hierarquia da igreja católica que colocou Edgar cada vez mais perto dos mais pobres - tudo isto se passou no tempo em que ainda era padre, uns anos antes da sua adesão formal ao Partido Comunista.

Em agosto de 1992, no artigo intitulado “Sermão de Jardim aos pecados”, o Expresso dava notícia de um documento intitulado “Mais democracia, melhor democracia”, redigido e assinado por um grupo de dez jovens padres da Madeira, “ordenados nos últimos cinco anos”. Esta é a primeira menção ao nome de Edgar Silva no nosso jornal [Tolentino Mendonça é outro dos subscritores deste texto, que contestava o posicionamento de Alberto João Jardim e do bispo do Funchal].

Em 1994, o Expresso fez uma reportagem sobre o padre Edgar, intitulada "Conflitos de Fé". Publicamos este texto em que o candidato do PCP surgiu pela segunda vez no Expresso por admitirmos que a rotura de Edgar Silva com o sacerdócio pode suscitar a curiosidade dos leitores <a href="http://cdn.impresa.pt/abd/46d/8089980/EdgarSilva-Expresso1993.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Em 1994, o Expresso fez uma reportagem sobre o padre Edgar, intitulada "Conflitos de Fé". Publicamos este texto em que o candidato do PCP surgiu pela segunda vez no Expresso por admitirmos que a rotura de Edgar Silva com o sacerdócio pode suscitar a curiosidade dos leitores Clique aqui para ver o PDF

Os sacerdotes denunciavam a caça ao voto que se sentia na ilha e diziam ser “inaceitável” que algum cidadão se sentisse compelido a filiar-se ou mostrar-se simpatizante de um determinado partido político, para tentar garantir o acesso ao emprego. Em setembro de 1994, o Expresso volta a falar de Edgar e publicou um texto exclusivamente dedicado ao conflito do padre com a hierarquia da igreja católica madeirense. Este clima de tensão crescente fazia perigar a continuidade de uma escola frequentada pelos chamados “miúdos das caixinhas”.

Nas década de 1980 e 1990, as crianças conhecidas como “miúdos das caixinhas” pediam dinheiro aos turistas utilizando caixinhas. Eram oriundas dos bairros pobres do Funchal e, sobretudo, de Câmara de Lobos, onde escasseava o emprego para os mais velhos... e os miúdos tornavam-se pedintes de ‘profissão’ para ajudar ao sustento da família.

O emergente de 2016

Jorge Sequeira no dia 22 de dezembro de 2015, à entrada do Tribunal Constitucional para formalizar o processo da sua candidatura a PR

Jorge Sequeira no dia 22 de dezembro de 2015, à entrada do Tribunal Constitucional para formalizar o processo da sua candidatura a PR

Tiago Petinga / LUSA

As presidenciais de 2016 bateram o recorde do número de candidatos. Nesta fase, muitos portugueses já sabem que Jorge Manuel Pais Seara Rodrigues Sequeira é bom dançarino - viram-no bailar numa reportagem realizada durante uma ação de campanha.

Até ao início do verão de 2015, não encontramos qualquer menção a este candidato, licenciado em Psicologia, nas páginas do Expresso. O seu nome surgiu pela primeira vez na edição de 22 de agosto de 2015, na página 7 do 1º Caderno, num artigo que apresentava 12 cidadãos que tinham intenção de entrar na corrida presidencial.

Em matéria de intervenção cívica ou política, o psicólogo Jorge Sequeira é o verdadeiro emergente dos 10 candidatos à presidência. O <b>Expresso</b> falou pela primeira vez dele no último verão... e não foi para dizer que Sequeira se reclama inventor do termo “criativação” <a href="http://cdn.impresa.pt/4a6/2ef/8089985/JorgeSequeira-Expresso2015.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Em matéria de intervenção cívica ou política, o psicólogo Jorge Sequeira é o verdadeiro emergente dos 10 candidatos à presidência. O Expresso falou pela primeira vez dele no último verão... e não foi para dizer que Sequeira se reclama inventor do termo “criativação” Clique aqui para ver o PDF

Sequeira, Morais e Cândido conseguiram reunir as assinaturas exigidas pelo Tribunal Constitucional, mas os outros nove ficaram pelo caminho [Manuela Gonzaga, Graça Castanho e Paulo Borges, entre outros], podendo tentar novamente daqui por cinco anos.

Quanto a Sequeira, e ao seu estilo de vendedor/pregador, só o tempo dirá como vai ser o futuro das suas atividades como “motivational speaker, docente e comentador” - é assim que este psicólogo de 49 anos se apresenta na sua página na Internet ... onde mostra fotografias das sessões por ele ‘motivadas’. Mas certo, certo, é que Sequeira é o único candidato que emergiu nas páginas do Expresso por causa da sua candidatura às presidenciais de 2016. Todos os outros, com mais ou menos destaque, tiveram direito a uma ou muitas e múltiplas menções em anos anteriores.

Médico, empresário e escrevinhador

Cândido Ferreira nasceu no mesmo ano que Maria de Belém. No site da sua candidatura lê-se esta apresentação do candidato: “Uma vez médico, médico para sempre, mas nunca foi só um profissional de saúde”. E o Expresso sabe que isto é verdade! Por ordem cronológica, Cândido Manuel Pereira Monteiro Ferreira foi o quarto candidato a debutar nas páginas do nosso jornal... sendo que Marcelo integrou o jornal na sua fundação, como já referimos.

As eleições autárquicas de 1989 assinalam o debute do médico Cândido Ferreira no nosso jornal. E ficamos a saber que este socialista não integrou a lista de alegados “traidores” de Leiria <a href="http://cdn.impresa.pt/4e4/5f1/8089969/CandidoFerreira-Expresso1989.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

As eleições autárquicas de 1989 assinalam o debute do médico Cândido Ferreira no nosso jornal. E ficamos a saber que este socialista não integrou a lista de alegados “traidores” de Leiria Clique aqui para ver o PDF

Estreou-se na edição de 1 de dezembro de 1989 do Expresso e foi descrito como um dos homens do PS que se manteve à margem de uma trama de “traidores e traídos” na corrida para as eleições autárquicas de 17 desse mês. A referência que lhe foi então feita, poucos dias depois da queda do Muro de Berlim, não teve direito a foto. No nosso arquivo encontrámos uma imagem publicada pela revista “TVMais” em julho de 2008, no lançamento do seu livro “Esmeralda - Sim! Histórias de Uma Menina que Foi Traficada”.

O médico Cândido Ferreira no lançamento do seu livro “Esmeralda - Sim! Histórias de Uma Menina que Foi Traficada”, na livraria Bertrand do Centro Comercial Vasco da Gama, em Lisboa. 11 de julho de 2008

O médico Cândido Ferreira no lançamento do seu livro “Esmeralda - Sim! Histórias de Uma Menina que Foi Traficada”, na livraria Bertrand do Centro Comercial Vasco da Gama, em Lisboa. 11 de julho de 2008

Luís Coelho / TV Mais

A campanha de Cândido teve um estilo peculiar: no primeiro dia do ano fez a sua estreia televisiva a bater com a porta num debate na TVI [em que também participavam Marcelo, Sequeira e Tino de Rans], depois de ter lido uma dura declaração em que acusava a cobertura mediática da campanha de discriminar os candidatos de “segunda” em benefício daqueles que, segundo ele, os media veriam como candidatos de “primeira”.

Com o passar do tempo deve ter mudado de opinião porque, a 19 de janeiro, participou no debate alargado. Durante a campanha teve um serviço de comunicação muito ativo e uma agência que diligentemente enviava mails aos jornalistas sobre as atividades diárias do Cândido candidato.

Um homem do Norte

Paulo Morais em 2000. Na altura era o número 2 de Rui Rio na Câmara do Porto. Antes trabalhou como especialista em sondagens naa Universidade Lusíada

Paulo Morais em 2000. Na altura era o número 2 de Rui Rio na Câmara do Porto. Antes trabalhou como especialista em sondagens naa Universidade Lusíada

Lucília Monteiro / Visão

Paulo Alexandre Baptista Teixeira de Morais, 52 anos, estreou-se nas páginas do Expresso quando tinha 34, em junho de 1997, como contestarário à liderança do PSD no norte, protagonizada por Luís Filipe Menezes. Em causa estava a forma como Menezes preparava as listas para as autárquicas de dezembro desse ano.

Mais do que atingir Menezes, Morais e os seus amigos Nápoles e Figueiredo quereriam atacar a liderança de Marcelo Rebelo de Sousa. E Morais foi veemente: “Inconcebível que a cidade de Sá Carneiro não tenha um candidato próprio”. Nesse ano, o PS venceu no Porto.

As eleições autárquicas de dezembro de 1997 provocaram uma onda de contestação interna à liderança do PSD do distrito do Porto. Paulo Morais debutou no Expresso como elemento do trio que contestava Luís Filipe Menezes <a href="http://cdn.impresa.pt/0af/3f5/8090026/PauloMorais-Expresso1997.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

As eleições autárquicas de dezembro de 1997 provocaram uma onda de contestação interna à liderança do PSD do distrito do Porto. Paulo Morais debutou no Expresso como elemento do trio que contestava Luís Filipe Menezes Clique aqui para ver o PDF

Morais usou a campanha eleitoral para prosseguir a sua campanha (pessoal) contra a corrupção, que iniciara uns anos antes na Associação Transparência e Integridade. Entre 2002 e 2005, foi número 2 de Rui Rio na Câmara do Porto.

Sonhou ser astrónomo, aspiração que o levou a escolhar o curso de Matemática. Nasceu a norte da capital (em Viana do Castelo), tal como outros sete candidatos. Só Edgar Silva, que nasceu no Funchal, e Marcelo e Neto, que vieram ao mundo em Lisboa, têm outra origem geográfica.

“O Tino pode ser o que quiser”

Mal abrimos o site da candidatura de Tino, encontramos esta frase que joga com o hino: “Contra as máquinas marchar marchar”.

Acontece que Vitorino Francisco da Rocha e Silva não é um candidato belicista. Aos 44 anos acredita que pode conquistar o voto dos portugueses por ser “uma pessoa alegre, feliz”, o que na sua opinião o torna “uma pessoa mais saudável, mais confiante e certamente uma melhor pessoa”, que rejeita a mentira e critica o Presidente da República que “vier a público dizer que um banco é fiável e depois não é”.

Para Tino, o homem que será sempre lembrado como autarca de Rans, “isso é muito grave e deveria ser CRIME. Somos nós que sustentamos o país com os nosso impostos. Vamos recuperar a nossa dignidade, não podemos ficar indiferentes e dizer sim a tudo. Se eu quiser mandar um e-mail ou telefonar aos mercados [de] que quem tanto se falam, para onde mando?”.

Vitorino da Rocha e Silva é um nome que diz pouco aos portugueses. Mas se nos referirmos a este homem como Tino de Rans, a memória de muitos recuará até ao Congresso do Partido Socialista em fevereiro de 1999, no qual o autarca de Rans proclamou “O Tino pode ser o que quiser” <a href="http://cdn.impresa.pt/8d0/bff/8090052/TinodeRans-Expresso1999.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Vitorino da Rocha e Silva é um nome que diz pouco aos portugueses. Mas se nos referirmos a este homem como Tino de Rans, a memória de muitos recuará até ao Congresso do Partido Socialista em fevereiro de 1999, no qual o autarca de Rans proclamou “O Tino pode ser o que quiser” Clique aqui para ver o PDF

Este homem de discurso simples, que aposta na autenticidade e nas origens rurais, está contente consigo próprio e com o seu caminho. O candidato Vitorino da Rocha e Silva é o Tino que em 1999 saltou para o palco do Coliseu dos Recreios, num congresso do PS em Lisboa, e saiu de lá membro da comissão nacional. O Expresso referiu-o por esse facto e reproduz a sua frase “o Tino pode ser o que quiser”. Quatro anos antes, em 1995, esta foto em baixo atestava a presença de Tino como militante ativo do Partido Socialista.

Nesta foto está Vitorino da Rocha e Silva em 1995, na conferência nacional do PS que reuniu no Porto para discutir as legislativas de 1 de outubro desse ano. António Guterres ganhou com maioria absoluta e Jorge Sampaio seria eleito PR em janeiro de 1996, derrotando Cavaco Silva

Nesta foto está Vitorino da Rocha e Silva em 1995, na conferência nacional do PS que reuniu no Porto para discutir as legislativas de 1 de outubro desse ano. António Guterres ganhou com maioria absoluta e Jorge Sampaio seria eleito PR em janeiro de 1996, derrotando Cavaco Silva

Rui Ochôa

Numa corrida presidencial disputada por dois professores catedráticos (Marcelo e Nóvoa), e em que outros seis têm formação académica em áreas que vão da Teologia à Matemática, só Vitorino Silva e Henrique Neto não foram à Universidade... e assumem-no sem complexos. Porque, afinal, “o Tino pode ser o quiser”. E a prova disso é que conseguiu as assinaturas exigidas pela lei para se candidatar ao cargo de PR... ao contrário de outros nove proto e anunciados candidatos.

O homem que mobilizou os velhos Presidentes

Quem nas últimas semanas tiver reparado nos escaparates das livrarias ou supermercados, terá visto três livros com a fotografia de Sampaio da Nóvoa na capa: “Política de vida” é de sua autoria, e os outros dois são biografias feitas por jornalistas recentemente publicadas.

Três PR eleitos da democracia portuguesa - Soares, Sampaio e Eanes - participaram na campanha de Nóvoa, que rapidamente se assumiu como renovado breviário dos ideais de Abril.

Em 1998, António Sampaio da Nóvoa tinha 44 anos e era consultor para a Educação do Presidente da República Jorge Sampaio

Em 1998, António Sampaio da Nóvoa tinha 44 anos e era consultor para a Educação do Presidente da República Jorge Sampaio

João Ribeiro / JL

Nóvoa reitor deu lugar ao Nóvoa “capaz” que invoca a sua experiência profissional para defender que “o futuro de Portugal está na educação, na qualificação e na inovação”. Foi como reitor da Universidade de Lisboa que o nome do nascido no Minho António Manuel Seixas Sampaio da Nóvoa apareceu pela primeira vez nas páginas do Expresso, em dezembro de 2006, quando ainda ninguém adivinhava que o reitor da UL se iria candidatar à Presidência. Nesse artigo do Expresso, Nóvoa comentava as conclusões de um relatório da OCDE que advogava a subida das polémicas propinas.

O reitor defendia uma maior autonomia da Universidade e classificava as recomendações daquela organização internacional como “muito tímidas e politicamente corretas”.

Sampaio da Nóvoa foi reitor da Universidade de Lisboa. E foi nesta qualidade, a propósito da polémica questão do preço das propinas, que o nome dele surgiu no <b>Expresso</b> pela primeira vez <a href="http://cdn.impresa.pt/921/cbf/8090040/SampaiodaNovoa-Expresso2006.pdf" target="_blank">Clique aqui para ver o PDF</a>

Sampaio da Nóvoa foi reitor da Universidade de Lisboa. E foi nesta qualidade, a propósito da polémica questão do preço das propinas, que o nome dele surgiu no Expresso pela primeira vez Clique aqui para ver o PDF

Dez anos depois, os tempos “demonstraram” a importância “do papel do Presidente”. E Sampaio da Nóvoa acredita que é o “garante [de] uma leitura prudente e de uma intervenção determinada na defesa da Constituição”.

Este domingo saberemos se os resultados lhe sorriem mais do que as sondagens e se o apoio dos primeiros três Presidentes eleitos da democracia foi suficiente. Se Cavaco o tivesse apoiado... o velho jogador da Académica teria feito o pleno.