Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

O socialista que teve o "Marcelinho" na rifa premiada

  • 333

Jose Carlos Carvalho

Em Almada os barões partidários do PSD e do CDS foram dar um abraço a Marcelo, mas foi um socialista que subiu ao palco para lhe fazer o elogio e a defesa: Eduardo Barroso, amigo de infância, com muito afeto

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Texto

Jornalista da secção Política

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotos

Fotojornalista

Para entrar no espírito da campanha de Marcelo Rebelo de Sousa é preciso entrar no que se poderia chamar o comprimento-de-onda-Paulo-Coelho, onde os "afetos" salvam o mundo e a autoestima faz o resto. Marcelo repete a cada discurso que "o país precisa de afetos", "o país está carenciado de afetos, de convergências, de aproximações", e com essa mensagem passa por cima das "feridas, dos sacrifícios, dos afastamentos" provocados pela crise económica, primeiro, e pela longa disputa legislativa e pós-legislativa, depois. Esta segunda-feira, em Almada, o seu comício teve um convidado especial que deu uma demonstração prática de como os afetos superam as divergências.

Sala modesta, que modesta é a terra para quem chega com cartão laranja, mesmo que se apresente como sendo "a esquerda da direita", Marcelo tinha umas 200 pessoas à sua espera em Almada para a sua "sessão pública" (marcelês para "comício"). Entre eles, várias caras conhecidas do PSD e do CDS, que por estes dias disfarçam menos a sua proximidade ao candidato: Nilza de Sena, vice-presidente do PSD, Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS, mais os líderes distritais dos dois partidos em Setúbal, e ainda uns quantos deputados e ex-deputados eram visíveis pela sala. Mas não era nem do PSD nem do CDS a estrela convidada para abrilhantar a sessão. Era o cirurgião Eduardo Barroso, socialista de voto e sangue, mas marcelista de criação - são os melhores amigos, e os mais antigos amigos. Ambos da mesma idade (67), ambos amigos e cúmplices há 65 anos (vá lá, 63 anos, se tivermos em conta, como admitiu Barroso, que nos primeiros dois se limitaram a balbuciar e babar).

Ao palco de Almada, Barroso trouxe a promessa do voto em Marcelo, a certeza da vitória de Marcelo à primeira volta (até adiou uma ida a Angola para estar em Portugal no domingo) e as razões do apoio a Marcelo - incluindo, claro está, o afeto.

A rifa premiada, em resposta a Sampaio da Nóvoa

Numa referência a Sampaio da Nóvoa (que, segundo Barroso relevou, o convidou para ser seu mandatário), o cirurgião pegou na frase do ex-reitor sobre votar em Marcelo se o mesmo que comprar uma rifa. Eduardo Barroso tirou do bolso a suposta rifa, desembrulhou-a, descobriu que tinha prémio. "Então, Marcelinho, o que diz a rifa? Diz que talvez eu não mereça a tua amizade fraterna. Elogia a tua competência, a tia generosidade, a tua solidariedade, às vezes a tua irreverência, o teu grande sentido de humor, a tua inteligência e a tua experiência política."

"Marcelinho", na primeira fila, aplaudiu com o resto da sala. Eduardo explicou que o seu voto no amigo "não é um voto nem de esquerda nem de direita, é o voto na pessoa que pensamos estar melhor preparada para ser Presidente da República" - e, curiosamente, incluiu nessa preparação ao anos de comentário televisivo em que Rebelo de Sousa falava de tudo e mais alguma coisa, "até de futebol" - se esses comentários são hoje atacados pelos adversários do candidato, o seu amigo mais antigo viu sempre ali um processo "fundamental" na preparação para o mais alto cargo da nação.

Afinal, o cargo para o qual ele, Eduardo, sempre viu Marcelo talhado: o amigo havia de ser ou Presidente do Conselho (se se desse o caso da ditadura não ter caído), ou Presidente da República. Agora, até a mãe de Marcelo, apesar de já ter morrido, estará "tão contente, porque finalmente o filho vai concretizar o sonho".

No meio de tanta amizade, tanto afeto e até alguma dimensão espiritual (foi essa, "espiritual", a palavra usada adiante por Marcelo para falar da proximidade afetuosa que quer praticar a partir de Belém), ainda houve lugar para Eduardo Barroso fazer política. Cirurgião que é, e de pergaminhos, jurou pelo apoio do amigo, desde sempre, ao serviço nacional de saúde. A acusação contrária, que os adversários têm feito a Marcelo, "foi das mais injustas" de que foi alvo. Palavra de médico e socialista.