Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

“Presidente não pode ser uma senhora da Conferência de São Vicente de Paula”

  • 333

Marcos Borga

A justiça social e a pobreza voltaram a ser o tema principal do discurso da noite de Edgar Silva. O candidato do PCP exige uma papel mais ativo do Presidente da República que “tem de fazer mais do que qualquer senhora da Conferência de São Vicente de Paula” para acabar com os três milhões de pobres que existem em Portugal

O salão das "Águias de Alpiarça" estava cheio quando o candidato presidencial chegou para o comício que encerrou o dia de campanha. Edgar Silva voltou a falar do combate à pobreza e às desigualdades, matérias que insiste serem a sua "marca distintiva". "É como a impressão digital, como uma marca marcada a ferro e fogo na palma das nossas mãos".

A luta pela irradiação da pobreza foi uma tarefa de vida do candidato madeirense. Mas é também uma missão que deve ser atribuída ao senhor que se seguir no palácio de Belém, na visão que Edgar Silva tem das funções presidenciais. "Um Presidente da República tem de estar na linha da frente da irradiação da pobreza", disse, perante uma plateia de apoiantes, bandeiras de Portugal ao alto.

Para Edgar Silva, a pobreza que atinge o país é "um dos mais graves problemas políticos do país", que o Presidente da República tem de enfrentar. E, nesse ponto, surgiu o 'sound bite' da noite. O candidato rapou da sua experiência no terreno e da sua passagem pela Igreja para acrescentar que ao chefe de Estado "não basta fazer discursos a dizer que há pobreza, que há o problema dos pobres". "Isso qualquer senhora da Conferência de São Vicente de Paula faz!", disse.

Risos na sala, o candidato prossegue, explicando como a organização católica pede a quem mais tem para dar aos mais necessitados mas o problema mantém-se, "e os pobres continuam pobres".

Apostado "em dar a volta a isto" Edgar Silva faz agora um forte apelo ao voto. "Mobilizar, mobilizar, mobilizar" é a palavra de ordem deixará em cada iniciativa de campanha. "Abril pode triunfar no próximo domingo", garante. Em depois do "viva Alpiarça, viva Portugal", tocou o hino e a desmobilização para casa foi feita num instante.