Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Uma campanha que vai “do Tino de Rans popular ao Tino de Rans erudito”

  • 333

Maria de Belém visitou o Hospital da Misericórdia de Vila Verde. Sábado, 16 de janeiro

LUCILIA MONTEIRO

E ao sétimo dia, Maria de Belém não descansa. O dia começou em Valongo e há-de terminar em Coimbra. À hora de almoço teve uma ‘prenda’: casa a abarrotar, em Fafe, onde a máquina liderada pelo antigo secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias, não falhou o apoio à candidata

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Texto

Jornalista da secção Política

Lucília Monteiro

Lucília Monteiro

Fotografia

Fotojornalista

Laurentino Dias não brinca em serviço. O diretor de campanha de Maria de Belém no distrito de Braga, antigo dirigente socialista de Fafe e atual chefe de gabinete de Carlos César na Assembleia da República, pôs a máquina (do partido?) local a funcionar e sobrelotou o pavilhão da escola secundária de Fafe. Um contraste com o que foi a primeira semana de campanha - em que foi notória a falta que o PS faz na mobilização para as ações de campanha, algo que não passou despercebido nem a Manuel Alegre nem a Vera Jardim.

Discursando no almoço de Fafe, o antigo ministro da Justiça de Guterres e porta-voz da candidatura de Belém, constatou o que já ontem se tinha ouvido a Alegre, em Coimbra: que nem todo o PS está a cumprir a orientação de António Costa de não dar o apoio a nenhum dos candidatos da área socialista e que estará ao lado de Sampaio da Nóvoa. "Não estou muito confortável com algumas coisas que se têm passado que não refletem inteiramente a decisão do secretário-geral. Estou confortável com a decisão mas não com o cumprimento da decisão. Tenho receio que haja alguma batota".

Antes tinha falado Laurentino Dias, antecipando que esta será uma campanha presidencial que "ficará para a história por ser uma campanha diferente. Mas nalguns casos não por boas razões". Sem se referir explicitamente a Marcelo, mas todos percebendo que era a ele que se dirigia, Laurentino assegurou que "esta não é uma campanha para os óscares de Hollywood". E prosseguiu: "É uma campanha que vai do Tino de Rans popular ao Tino de Rans erudito. Pelo meio tem candidatos que dignificam o debate e o cargo a que concorrem".

O novo treinador do Porto

Maria de Belém iniciou o sétimo dia de campanha em Valongo, concelho liderado pelo socialista José Manuel Ribeiro, que guiou a candidata pela feira semanal. Numa manhã gelada, Belém ouviu palavras de incentivo, queixas dos feirantes e até ficou a saber que "o António Costa vem para o (Futebol Clube do) Porto? Então não é ele que transforma derrotas em vitórias?".