Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Maria de Belém: “O Presidente deve ser um motivador”

  • 333

LUCÍLIA MONTEIRO

A candidata visitou a fábrica da cerâmica Valadares, cuja recuperação (pelos trabalhadores) considerou um exemplo a seguir. “E o Presidente da República deve ter aí um papel muito importante”

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

(texto)

Jornalista da secção Política

Lucília Monteiro

Lucília Monteiro

(fotos)

Fotojornalista

"Devemos ter autoestima, porque a autoestima gera confiança e é a confiança que nos permite ultrapassar situações mais difíceis". Autorretrato de uma candidata a lutar por chegar à segunda volta? Nada disso, que ela confesse pelo menos. Maria de Belém falava esta terça-feira aos jornalistas à saída de uma visita à fábrica de cerâmica Valadares, em Vila Nova de Gaia, recentemente recuperada pelos trabalhadores quando se encontrava à beira da falência total. E inspirou-se no que acabava de ver para saudar o que considerou ser um exemplo a seguir.

Classificou o sucedido com a Valadares como "uma regeneração de sucesso", "extraordinariamente agradável" de observar. Um exemplo de como a recuperação de uma empresa ("que faz parte do nosso imaginário coletivo") foi possível graças "às pessoas mobilizadoras envolvidas no projeto" e "à capacidade dos credores para acreditarem no projeto". Se for eleita, promete desempenhar um papel ativo na promoção destas soluções: "O Presidente da República deve ser sempre um motivador deste tipo de iniciativas", disse.

A deslocação à Valadares, em Vila Nova de Gaia, preencheu o espaço entre duas visitas a hospitais: ao Instituto Português de Oncologia do Porto, de manhã, e ao Pedro Hispano, agora à tarde. Maria de Belém justifica a insistência do seu programa de campanha nas visitas a hospitais e instituições sociais com o facto de ter assumido o compromisso de, uma vez Presidente, "dar voz aos mais frágeis".

Esta terça-feira ainda não houve referências, nem diretas nem indiretas, aos seus mais diretos adversários na corrida, Marcelo Rebelo de Sousa ou António Sampaio da Nóvoa.

LUCÍLIA MONTEIRO