Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Sampaio da Nóvoa considera apoio de Carlos César “importante e especial”

  • 333

Sampaio da Nóvoa falou este sábado à margem de um almoço de homenagem ao antigo Presidente da República Ramalho Eanes

Tiago Petinga / Lusa

O apoio de Carlos César, presidente do PS, ao candidato às presidenciais foi manifestado este sábado à entrada para a reunião da Comissão Nacional do PS

O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa considerou este sábado que o apoio manifestado pelo presidente do PS, Carlos César, à sua candidatura, "é importante e especial" e espelha a "dinâmica vitoriosa" da sua campanha.

"É um apoio obviamente muito importante para mim, que traduz uma realidade que eu já conhecia mas que se afirma publicamente", afirmou à Lusa o candidato, acrescentando que "é um apoio especial, obviamente, pelo papel de Carlos César dentro do Partido Socialista, por ser o presidente do partido, tem obviamente um significado muito grande".

Para Nóvoa, que falava à margem de um almoço de homenagem ao antigo presidente da República Ramalho Eanes, este apoio "confirma aquilo que se está a traduzir hoje, de uma campanha que está a ganhar uma dinâmica vitoriosa e que está a ganhar uma dinâmica, de facto, de ser a única alternativa que existe ao candidato que apelou ao voto em Passos Coelho e Paulo Portas, que é o professor Marcelo Rebelo de Sousa.
Sampaio da Nóvoa referiu ainda que "vai haver, aliás, muitos apoios de muita gente nos próximos dias".

O presidente do PS, Carlos César, manifestou este sábado o seu apoio pessoal à candidatura presidencial de Sampaio da Nóvoa, considerando que tem a "distância útil" e a "proximidade política e estratégica mais conveniente" para os socialistas.

"Creio que a candidatura de Sampaio da Nóvoa tem a distância partidária útil e suficiente, e a proximidade política e estratégica com o PS mais conveniente para um voto consciente de um socialista em Portugal", declarou Carlos César à entrada para a reunião da Comissão Nacional do PS.

Questionado pelos jornalistas quanto à possibilidade de contar com o voto do primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, António Sampaio da Nóvoa manifestou "acreditar que isso seja possível".

"Acredito que haja muita gente de setores muito diferentes da sociedade portuguesa que vão votar em mim, é uma das matrizes principais desta candidatura, o agregar gente muito diferente, pessoas muito diferentes, em torno de valores humanistas e progressistas, em torno de um outro país", vincou.

Relativamente ao apoio do PS, o candidato afirmou que "o Partido Socialista tomou a decisão que achava que devia ter tomado, na sequência das eleições legislativas", referindo-se à liberdade de voto entre a sua candidatura e a de Maria de Belém.

"Eu nunca pedi o apoio do PS, sempre disse que era muito importante para mim, como era muito importante o apoio de outros partidos, como era o apoio de outras pessoas", vincou, negando que a sua candidatura seja "fechada em fações ou setores".

"Honra-me muito ter o apoio de muita gente socialista e de muita gente que é de outros campos e de outros setores, e é com esses apoios todos que eu vou fazer esta candidatura", afirmou, acrescentando que quer "o apoio de todos os partidos", incluindo o apoio "daqueles setores do PSD e do CDS que se reveem nos valores genuínos da social-democracia, do humanismo cristão, da democracia cristã".

Durante a intervenção que fez no almoço de homenagem ao antigo Presidente da República, Nóvoa teceu vários elogios a Ramalho Eanes, enfatizando a sua "coragem, independência e lealdade".

Advogando não ser "indiferente aos portugueses", o candidato referiu que quer "um país que respire, que esteja preparado [...] e mais capaz para enfrentar o século XXI".

[notícia atualizada às 17h05]