Siga-nos

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Edgar Silva apelou ao voto nos valores de Abril

Edgar Silva fez uma visita do Mercado Municipal do Feijó este sábado, onde esteve acompanhado por vários apoiantes

Tiago Petinga / Lusa

"Não seria o primeiro caso em que se lançaram foguetes antes da festa e depois se viram na contingência de juntar as canas", disse o candidato presidencial sobre a corrida a Belém

O candidato presidencial Edgar Silva apelou este sábado ao voto dos portugueses nos valores de Abril nas eleições de 24 de janeiro e lembrou que "em democracia não há vencedores antecipados".

"Não seria o primeiro caso em que se lançaram foguetes antes da festa e depois se viram na contingência de juntar as canas", disse Edgar Silva em Almada, ao ser confrontado com as sondagens favoráveis ao candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Em democracia não há vitória antecipada, não há vencedores antecipados, está tudo em aberto. Os resultados conquistam-se, constroem-se, e nós estamos no terreno para construir e conquistar o nosso eleitorado e a nossa base eleitoral. E eu estou confiante", acrescentou.

O candidato comunista falava aos jornalistas no final de uma visita ao Mercado Municipal do Feijó, em que se fez acompanhar por centenas de apoiantes, incluindo o presidente da Câmara de Almada, Joaquim Judas (CDU).

Confrontado com um alegado aumento da agressividade nos últimos dias de pré-campanha eleitoral, Edgar Silva assegurou que não há qualquer "crispação" da candidatura comunista.

"Não há qualquer intenção de crispação. O nosso único propósito é tudo fazer para que as nossas propostas, os nossos compromissos, possam ser apresentados às portuguesas e aos portugueses. Em relação à minha candidatura, compreendo que possa haver uma ou outra preocupação, mas isso é sinal de que estamos no bom caminho", respondeu.

Num município que é um dos principais bastiões comunistas de todo o país, Edgar Silva foi bem recebido e cumprimentou centenas de pessoas, deixando sempre um apelo para que "ninguém falte com o voto nos valores de Abril" e para que os portugueses não fiquem à espera de uma eventual segunda volta das eleições presidenciais.

"Tudo se decide no dia 24. E é no dia 24 de janeiro que temos de mobilizar toda a nossa energia, vontade, criatividade, para trazer todos os homens e mulheres ao voto nos valores de abril. A 24 de janeiro é que se decide da possibilidade da vitória dos valores de abril", disse.