4
Anterior
Greves nos portos travam exportações
Seguinte
Seguro apela para FMI reconhecer necessidade de abandonar austeridade
Página Inicial   >  Economia  >   PPR já pode ser usado para pagar habitação

PPR já pode ser usado para pagar habitação

A partir do dia 1 de janeiro já pode levantar dinheiro do seu plano poupança reforma (PPR) para abater no empréstimo à habitação sem ser penalizado.
|

Foi hoje publicado no Diário da República o regulamento aprovado no âmbito das mudanças feitas ao crédito à habitação. O objetivo é facilitar as famílias com empréstimo bancários para habitação para que não cheguem ao ponto de verem as suas casas penhoradas por não poderem pagar a prestação ao banco.

Para isso o legislador permite que a partir de janeiro de 2013 possam ser levantadas quantias aplicadas em PPR para pagamento das prestações do crédito à habitação permanente sem sofrer qualquer espécie de penalizações.

Estas alterações possibilitam ainda, em casos limite, a entrega das casas como forma de pagamento à banca ou a reestruturação dos empréstimos bancários, de forma a que as famílias não entrem em incumprimento.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
pois !!!
... chama-se a isso chover no molhado !!! Quando uma familia tem PPR nunca nessecitará de contrabalançar o ónus pela divida !!!
boa notícia ?
Por um lado, é uma maneira de movimentar o investimento em PPR's e aliviar a prestação mensal do crédito hipotecário.
Parece umsa boa medida -- mas será que a médio prazo não vamos sofrer mais com esta alteração ?
Se as entidades emissoras de PPR's -- a Banca e as Seguradoras -- virem sair milhões e milhões em PPR's ficarão em grave desiquilíbrio -- e então lá vamos nós ser chamados para, através dos nossos impostos, tapar mais este buraco.
O Estado altera uma vez mais as regras fiscais sem pensar nas consequências.
Será que pensou nesta medida, calculou bem o efeito global ?
Dualidade de sentidos
Esta notícia contém uma dualidade de sentidos muito contraditórios.
Pela perspetiva bancária, vão perder depósitos que são úteis para o financiamento do crédito e assim voltarem a fazer mais dinheiro, mas em contrapartida ficam com mais liquidez imediata e menos crédito mal parado.
Pela perspetiva dos clientes, conseguem adiar a possível perda da casa, mas ficam sem poupanças para o futuro.
Considero o risco para os clientes superiores e serão este que mais cuidados deverão ter com as decisões de tomam. Penso que a solução de renegociação do crédito, para tentar vender o imóvel seria mais eficaz do que perder as poupanças para a reforma.
Em momentos difíceis, é complicado tomar a decisão certa.
O que faltou dizer...
Faltou dizer que não é possível fazer amortizações do empréstimo hipotecário, com o PPR.

Conclusão: quem fez PPRs vai continuar a perder dinheiro (visto que a sua rendibilidade tem sido negativa) sem os perder movimentar. Quando chegar o tempo da reforma, nem pensão da segurança social, nem sequer o valor do capital de poupanças em PPRs.
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub