Anterior
Bruxelas determinada a mostrar ao G20 que euro é "irreversível"
Seguinte
Fitch baixa rating do Santander Totta
Página Inicial   >  Economia  >   Portugal precisa de um "novo modelo económico"

Portugal precisa de um "novo modelo económico"

Ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, aponta o caminho do crescimento através da reindustrialização, qualificação, exportação, atração de investimento e valorização do território.

Lusa |
"Não tenho as mínimas dúvidas de que vamos por Portugal a crescer", frisa o governante, que hoje visitou a Procalçado – Produtora de Componentes para Calçado, em Pedroso, Vila Nova de Gaia
"Não tenho as mínimas dúvidas de que vamos por Portugal a crescer", frisa o governante, que hoje visitou a Procalçado – Produtora de Componentes para Calçado, em Pedroso, Vila Nova de Gaia / José Coelho/Lusa

O ministro da Economia afirmou hoje estarem lançadas "as principais reformas estruturais" e impor-se "um novo modelo económico" em Portugal que passa pela reindustrialização, qualificação, exportação, atração de investimento e valorização do território.

"Agora que as principais reformas estruturais já estão no terreno é chegada a hora de lançar as linhas de orientação de um novo modelo económico para o país. Portugal precisa de se reindustrializar, Portugal precisa de se qualificar e de apostar na reabilitação do ensino técnicoprofissional, Portugal precisa de exportar mais, Portugal precisa de voltar a investir e de atrair investimento, Portugal precisa de poupar mais para investir e Portugal precisa de valorizar o seu território", sustentou Álvaro Santos Pereira.

"Com todas estas reformas estruturais e com a dinâmica do nosso tecido empresarial - acrescentou - não tenho as mínimas dúvidas de que vamos por Portugal a crescer".

O ministro falava aos jornalistas em Matosinhos, à margem da primeira edição da iniciativa "Portugal a Crescer", para apresentação aos empresários das políticas atualmente em curso para revitalização, internacionalização e financiamento das empresas e combate ao desemprego.

Governo está "a criar condições para pôr Portugal a crescer"


Instado pelo anfitrião e presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), José António Barros, a "não dececionar os empresários", que precisam "muito do apoio do Governo e da política pública, de financiamento, de condições para trabalhar e de flexibilidade no emprego", Santos Pereira garantiu que o executivo está "a criar as condições para por Portugal a crescer".

Entre as "reformas sem precedentes" em curso, Santos Pereira destacou a "ambiciosa" reforma laboral, a reforma do licenciamento industrial Zero, o novo código de insolvências, o programa Revitalizar e o novo processo extrajudicial de conciliação de dívidas, "que irá entrar em vigor brevemente".

Destacou ainda a aprovação da nova lei da concorrência e a reestruturação em curso do setor dos transportes, que garante ter evitado a morte de muitas empresas, tecnicamente falidas, e permitirá atingir o "equilíbrio operacional" da atividade "no final deste ano".

Também destacada pelo ministro foi a reforma do capital de risco público, a anunciar publicamente na segunda-feira e que acabará com o capital "para os amigos" ou com "motivações políticas".

Fundos comunitários "ao serviço da economia"


Adicionalmente, Álvaro Santos Pereira salientou ter cortado "mais de dois mil milhões de euros nas rendas da energia" e ter colocado os fundos comunitários "ao serviço da economia".

Como "principais desafios de curto prazo" o governante apontou "a pronunciada subida do desemprego e as dificuldades de financiamento das empresas, principalmente as PME".

A este propósito, recordou que o Governo "já garantiu o alargamento" dos prazos de reembolso das linhas PME Investe, avançou com uma linha PME Crescimento com mais de 1.200 milhões de euros de crédito concedido, está "a trabalhar no reforço da linha PME Crescimento" e lançará "para a semana" a linha BEI para o investimento produtivo.

Paralelamente, está "a ultimar os fundos de reestruturação empresarial de base regional, que serão na ordem dos 110 milhões do QREN, mais 110 milhões de euros adicionais por parte das instituições financeiras".

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 54 Comentar
ordenar por:
mais votados
Comprar um trator para a agricultura!
Se um agricultor precisar de ajuda num trator agricola,dirige-se a quem?
Como está a burocracia dá a impressão que tem de ir ao Terreiro do Paço pedir dinheiro à sra Ministra Cristas.
Ora é este tipo de questão ,como mero exemplo, que Álvaro ,o ministro, deve responder.
A teoria,é bonita.
A prática é outra coisa,infelizmente!
Re: Comprar um trator para a agricultura!
Re: Comprar um trator para a agricultura!
Re: Comprar um trator para a agricultura!
S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
É disto que Portugal precisa ...

Exportamos Ministros ...

Temos Álvaros, Relvas, Gaspares, Coelhos, Portas e muito mais ...

Quer se ver livre de Ministros incompetentes e vaidosos ? ...
A S. E. M. trata do seu problema ... temos relações privilegiadas com o Burkina Faso e com a Papua - Nova Guiné ...
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
Re: S. E. M . - SOCIEDADE EXPORTADORA DE MINISTROS
e o FUGITIVO de PARIS?
É bom NÃO esquecer. Peçam ao fugitivo d Paris os 90,000 milhões d euros q aumentou na dívida pública entre 2005 e 2010.Peçam ao fugitivo d Paris, q decidiu nacionalizar o BPN, colocando-o às costas do contribuinte, aumentando o seu buraco em 4300milhões em 2 anos, e fornecendo ainda mais 4000 milhões em avales da CGD q irão provavelmente aumentar a conta final para perto d 8000
milhões, depois d ter garantido q não nos ia custar um euro. Peçam ao fugitivo d Paris os 695 milhões d derrapagens nas PPPs só em 2011. Peçam ao fugitivo d Paris, q graças às suas brilhantes PPPs fez aumentar o custo do Campus da Justiça d 52 para 235 milhões. Peçam ao fugitivo d Paris os 1300 milhões q um banco público emprestou a uns amigos do partido p comprarem acções d um banco
privado rival, q agora valem pouco mais q zero. Quem paga? O contribuinte.
Peçam ao fugitivo d Paris os 450 milhões injectados no BPP p pagar os salários dos administradores nomeados p acautelar os interesses do Estado. Peçam ao fugitivo d Paris os 587 milhões q gastou no OE de 2011 em atrasos e erros de projecto nas SCUTs Norte. Peçam ao fugitivo d Paris os 200 milhões d euros que ?desapareceram? entre a proposta e o contrato da Auto-estrada do Douro Interior. Peçam ao fugitivo d Paris os 5800 milhões em impostos q anulou ou deixou prescrever. Peçam ao fugitivo d Paris os 7200 milhões d fundos europeus q Portugal perdeu pela incapacidade do governo d programar o seu uso.
Re: e o SOCIALISTA FUGITIVO de PARIS? 2
Re: e o SOCIALISTA FUGITIVO de PARIS? 2
Re: e o SOCIALISTA FUGITIVO de PARIS? 2
Re: e o SOCIALISTA FUGITIVO de PARIS? 2
Re:POIS É ... mas o país era credível e cumpridor
Re: Re:POIS É ... mas o país era credível e cumpri
Re: e o SOCIALISTA FUGITIVO de PARIS? 2
Re:Está em curso um INQUERITO MAS SE SOUBER ALGO
Re: Re:Está em curso um INQUERITO MAS SE SOUBER AL
Re: Re:para te ver?
Re: Re:Está em curso um INQUERITO MAS SE SOUBER AL
Novo modelo económico.
José A. Barros instou a "não dececionar os empresários", que precisam "muito do apoio do Governo e da política pública, de financiamento, de condições para trabalhar e de flexibilidade no emprego",
  Bem, a mim parece-me mais do mesmo : os pintainhos sob as asas da mãe galinha que amorosa esgravata a terra para que os pintos só tenham que debicar e não magoem os biquinhos nos calhaus.
Re: Novo modelo económico.
O ministro foi educado, aprendeu no Canadá...

O ministro foi muito cortês ao dizer que Portugal precisa de um novo modelo econômico, certamente, não quis ofender, fez bem... Ora, Portugal nunca teve um modelo econômico para se desenvolver ... Logo não pode haver um novo, mas é bom que haja um primeiro..

Portugal nunca teve um modelo econômico para se desenvolver, simplesmente, porque tudo foi feito, em cima dos joelhos, sempre com vistas nas próximas eleições... Navegou-se à vista dos acidentes... Fozcoa é um exemplo de nossa improvisação... OTA? Outro.

Mais exemplos? Há muitos... Lembrei-me do CCB, porque recentemente um ex-ministro do Cavaco disse que ele foi feito sem orçamento... Ia se gastando à medida que a obra avançava. Resultado até hoje o CCB está por acabar...

O Álvaro foi muito educado!!!
E já agora
Um novo tipo de políticos, aqueles com sentido de estado?
Sujeito a ser censurado.
P. precisa de um "novo modelo económico"
e sobretudo de um NOVO GOVERNO!
Enquanto continuarmos..........
......"agarrados" a uma Constiuição que apenas serve para entalar o "tuga" não vamos lá. Era bom começarmos por onde fede, depois era penalizar quem usa o Direito para brincar "às escondidas" com a Constituição (está atento Dr.Marinho Pinto?) e por aí fora. Só era preciso começar........
   
Re: Enquanto continuarmos..........
Re: Enquanto continuarmos..........
Governo é trampolim para lobbies
De todas as reformas estruturais que o ministro refere só uma me parece uma reforma estrutural - a redução do custo do despedimento para aqueles que menos ganham e o aumento do custo do despedimento para os que mais ganham.
Toda a gente sabe que os tubarões quando são despedidos já com os bolsos cheios de remunerações de muitas centenas de milhares de euros por ano, e de terem criado buracos de milhares de milhões para os contribuintes pagarem, ainda são premiados com milhões de euros.
Essa reforma laboral é a maior reforma estrutural que este governo conseguiu fazer.
Infelizmente as coisas são assim. Os governos são trampolins que impulsionam os seus membros para os lobbies e isso torna os governantes em servos dos mesmos.
Falou Sua Excelência o Pastel de Nata!
O pastel de nata disse que Portugal precisa de um novo modelo económico. Eu digo que Portugal precisa de gente capaz, honesta, não corrupta, não aldrabona, não ladrona, não vigarista, não farsante, íntegra, vertical para governar o País e os Portugueses e não esta escumalha podre e infecta de gatunos mafiosos!
Re: Falou Sua Excelência o Pastel de Nata!
Re: Falou Sua Excelência o Pastel de Nata!
Re: Falou Sua Excelência o Pastel de Nata!
PORQUÊ?
O MODELO DA MAÇONARIA JÁ NÃO SERVE?
O Álvaro...
«O ministro da Economia afirmou hoje estarem lançadas "as principais reformas estruturais" e impor-se "um novo modelo económico" em Portugal que passa pela reindustrialização, qualificação, exportação, atração de investimento e valorização do território.»

...e pela miséria total dos trabalhadores e pensionistas!

Estamos no bom caminho para apobreza tão deseja - para os outros - por este governo capitaneado pelo único desempregado de sucesso conhecido no país.

De desempregado passou a administrador de empresas (não vale dizerem que as empresas são do holandês Ãngelo Correia) e logo a seguir chegou a primeiro ministro!!!

Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
Re: O Álvaro...
RUINA
O governo PSD/CDS com a cumplicidade deste ministro teve pressa em encerrar empresas impondo austeridade extrema "custe o que custar" sem olhar a meios ou consequências.
Arruinaram a industria e os pequenos comerciantes e agora vêm com programas para pôr a funcionar tudo outra vez!!
Só de loucos!
Primeiro baixa-se o poder de compra dos portugueses e mandam-se para o desemprego depois vem dizer que o desemprego lhe tira o sono...SEM VERGONHA.

Primeiro encerra
Re: RUINA
Pois...
...coiso!
Re: Pois...
Dizer e fazer
" Portugal precisa de se reindustrializar, Portugal precisa de se qualificar e de apostar na reabilitação do ensino técnicoprofissional, Portugal precisa de exportar mais, Portugal precisa de voltar a investir e de atrair investimento, Portugal precisa de poupar mais para investir e Portugal precisa de valorizar o seu território."

Estou de acordo. O problema é que não há a menor hipótese deste ministro e deste governo conseguirem fazer alguma coisa que se aproxime disso. Não têm conhecimentos, competência, meios ou sequer vontade de o fazer. Ficamos à espera de um programa detalhado...
Comentários 54 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub