91
Anterior
Merkel tenta apagar chamas na Europa com gasolina
Seguinte
Crise: Ferreira Leite defende "tratamento mais lento"
Página Inicial   >  Economia  >   Portugal "está hoje mais forte", diz Passos

Portugal "está hoje mais forte", diz Passos

Primeiro-ministro defende que, ao fim de um ano de Governo, os "portugueses já não estão perante o abismo" e a economia beneficia da mudança "mais importante dos últimos 50 anos".
Lusa |
Passos Coelho numa intervenção durante um jantar promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, no Convento do Beato, em Lisboa
Passos Coelho numa intervenção durante um jantar promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, no Convento do Beato, em Lisboa / António Cotrim/Lusa

O primeiro-ministro defendeu hoje que, ao fim de um ano de Governo, "os portugueses já não estão perante o abismo" e que está em curso uma mudança económica que é "a mais importante dos últimos 50 anos".

Durante um jantar promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, no Convento do Beato, em Lisboa, Pedro Passos Coelho considerou que "a envolvente externa" oferece motivos de preocupação, mas que Portugal "está hoje mais forte, mais sólido e mais resistente a contágios adversos".

Numa intervenção de cerca de quinze minutos, o primeiro-ministro referiu que hoje foram conhecidas as "conclusões positivas" da quarta avaliação ao cumprimento do programa de assistência financeira a Portugal e que na terça-feira se cumpre um ano desde as eleições legislativas que deram a vitória ao PSD, na sequência das quais foi formado o atual Governo de coligação com o CDS-PP.

"Portugal muito mais preparado para receber investidores"


"Os portugueses já não estão perante o abismo com que nos defrontámos há praticamente um ano atrás. Portugal está muito mais preparado para receber investidores e para iniciar um novo ciclo de investimento, ao mesmo tempo que, a prazo, poderá recuperar o dinamismo da sua procura interna, assim que tenha realizado o seu ajustamento interno também", defendeu, em seguida.

Segundo Passos Coelho, Portugal está "a conquistar progressivamente a confiança dos mercados" e os últimos dados estatísticos permitem acreditar que "algo está a mudar na direção de um ciclo de retorno ao investimento e ao crescimento".

Sem querer fazer um balanço da governação, o primeiro-ministro afirmou que foi mandatado para "recuperar a credibilidade e resgatar as melhores condições de investimento para o país" e que, um ano depois, a economia portuguesa "está a beneficiar de uma mudança que é estrutural e que em termos qualitativos e quantitativos é, sem dúvida, a mais importante dos últimos 50 anos".

Passos Coelho acrescentou que a mudança em curso é "talvez mesmo a mais relevante" desde que Portugal integrou a Associação Europeia de Livre Comércio, em 1960.

O primeiro-ministro alegou que hoje é patente, mesmo para os mais céticos, que o Governo tem "uma ideia clara" para a economia portuguesa, que passa por "mais democracia económica e diversificação nos mercados".

Reformas no "caminho certo"


De acordo com Passos Coelho, a troika  composta por Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia atestou que as reformas estruturais estão "num caminho correto" em Portugal.

"É o que sucede no mercado laboral, na mobilidade de pessoas e bens, proporcionadas com as reformas que estão também a emergir do arrendamento habitacional, na gradual eliminação dos tradicionais défices da economia portuguesa, como por exemplo na área energética e dos transportes, nos contratos de concessões, na reforma do mapa judicial e nos códigos de justiça, na reforma autárquica, na eliminação das barreiras ao investimento, na eliminação ou redução de custos de contexto, como é o exemplo do 'licenciamento zero', na reestruturação das empresas públicas, principalmente no setor dos transportes, na exigência de mais concorrência no mercado, entre muitas outras matérias", enumerou.

Processo de privatizações com "êxito indiscutível"


Por outro lado, o primeiro-ministro sustentou que é indiscutível "o êxito" do processo de privatizações, que apontou como "uma etapa crucial para a recuperação do país, e deixou um elogio à "grande capacidade de resistência" dos portugueses.

"Têm suportado, em nome do interesse nacional e de uma esperança no futuro, grandes sacrifícios, como o fazem os nossos desempregados", afirmou.

No que respeita à "envolvente externa", Passos Coelho considerou que a União Europeia, em particular a zona euro, atravessa "um momento crucial" e que "os próximos três meses serão decisivos", manifestando-se "confiante" de que serão "novas respostas para a dimensão política e social".

No seu entender, "é crucial a ratificação dos tratados europeus firmados recentemente em Bruxelas".

 


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 91 Comentar
ordenar por:
mais votados
Vivas a PPC !!!

A dívida cresceu.

A despesa também.

O desemprego é galopante.

As receitas baixam.

O PIB cai.

O crescimento é nulo.

Há fome.

Há uma casta de novos lobinhos já bem gordos !!

E ainda bem que avisaram: "nós sabemos ao que vamos, nós somos a solução"
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Re: Vivas a PPC !!!
Não ligue...
Re: Não ligue...
Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Haja alguém que diga ao homem que está a ver o País com os binóculos ao contrário. Como pode ter a ousadia de dizer tal disparate, mas se está mesmo convencido e não é pura propaganda o caso é mesmo muito grave. O óbvio entra pelos olhos de qualquer mortal.

-A dívida cresceu, Sócrates deixou 80% já vai em 118%.
-A despesa aumentou segundo as últimas noticias.
O desemprego já vai em 16% e segundo os dados num milhão e duzentos mil, o maior desde sempre.
-As falências qualquer coisa nunca dantes vista.
-As receitas cobradas baixaram assustadoramente.
- O PIB cai a pique.
- Crescimento negativo. Recessão de 4%, mas que pode aumentar para 5 ou 6%.
-As Organizações humanitárias informam não poder atender a todas as necessidades.
- A emigração é já a única solução encontrada pelos desempregados e os jovens.
-Há noticias que não saem na Comunicação de que os suicídios aumentaram.
-Há gente que deixou de ir ao médico e de comprar medicamentos, por não ter dinheiro.
-Os assaltos a casas disparam 330%
Mais palavras para quê? Não vale a pena continuar com o rol de desgraças.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/portugal-beira-da-catastrofe.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/citigroup-pib-portugues-devera-recuar.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/anuncio-de-emprego-sem-comentarios.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/abomino-classe-dos-politicos-juiz.html?utm_sour ce=BP_recent

Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Re: Portugal-esta-hoje-mais-forte-diz-passos
Abismado
Quem fica abismado com estas declarações sou eu, porque nós não estamos perante o abismo, estamos no abismo e sem esperança.
Depois do franchising dos pasteis de nata...
... aí está o guru da economia mundial:

«"Ficou muito claro que, para a 'troika' e para os nossos parceiros estrangeiros, Portugal é crescentemente visto com uma país com um ímpeto reformista muito forte, em que já foram feitas reformas estruturais claríssimas a par de uma consolidação orçamental importantíssima", disse Álvaro Santos Pereira, em Barcelona»

O ímpeto reformista conhecido:

Facilidade nos despedimentos e diminuição do valor das indemnizações; em 2011 saque de 50% do subsídio de Natal a FP e pensionistas; 2012, saque da totalidade dos 13º e 14º meses aos mesmos do costume; aumento generalizado de todos os impostos; aumento das taxas moderadoras, transportes, electricidade, gás. Aumento do desemprego, aumento da dívida, aumento do défice, aumento da recessão...

Estas são as únicas coisas que o governo no seu "impeto reformista" fez e isso porque o «sacrifício do povo tem limites» como abaixo se demonstra:
 
www.youtube.com/watch?v=gNu5BBAdQec
 
www.youtube.com/watch?v=1iEU6dk0Gyg

Ler mais: expresso.sapo.pt/ajuda-externa-avaliacao-da-troika-demonstra-que-portugal-reconquis tou-credibilidade-ministro-da-economia=f730919#ixzz1wvgbgS00
investir em quê se não há consumo interno?
Entre o final de 2011 e o final do mês de março, triplicou o número de novos beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) atingindo os 330 mil, bem como o das famílias que auferiam este subsídio contabilizando-se em 123.948 as famílias portuguesas que em arço deste ano auferiam do RSI (site RTP).
Os delírios da laranjada
Tu e o reino da laranjada é que estão melhor , nunca estiveram tão bem.

Só há um problema , Portugal não é a laranjada , e entretanto vai para o beleleu com a laranjada idílicamente toda a viver e a assistir de camarote.
Re: Os delírios da laranjada
Re: Os delírios da laranjada
Os portugueses já não estão perante o abismo disse
Passos Coelho. Não porque com o ultra liberalismo Portugal já caiu no abismo....Agora cabe à população levantar-se e atirar para o abismo estes oportunistas que procuram enganá-la....
Ideologia não é para esta gente...
É verdade Sr., PM
A classe média deixou de existir para se juntar à classe pobre que agora é miseravel, enquanto que os ricos engordaram e de que maneira e os politicos alguns adquiriram cartão vip anti justiça têm carta branca para a criminalidade impune.
A justiça também parece ter desaparecido pois nem se nota, a não ser para os pobres.
Re: É verdade Sr., PM
Re: É verdade Sr., PM
Re: É verdade Sr., PM
Dizer que é do interesse nacional vender o que
resta do País, atravez das privatizações, nada tem a ver com o interesse nacional e é pura garotisse de individuos que pretendem enriquecer uma minoria em detrimento do interesse do País....
Com mais privatizações
As obras feitas em Portugal continuarão a ser ruínosas para os portugueses, mas boas para os gestores privados. Qual o investimento de grande envergadura feito em Portugal (pontes, estradas, hospitais, empresas com capital do estado - EDP, PT, Galp, CGD, EPAL...), pago pelos portugueses, que não são, ou foram, cobiçadas pelos bons gestores privados? Porque será? Quais os gestores privados que estão a investir na economia real? Porque não os vejo senão a comprar títulos soberanos e aquilo que é carninha do lombo? Será que isto é investimento ou simplesmente aquisições oportunistas que não criam mais valias nem geram riqueza nacional? Porque será que esta crise gera pobreza às populações e os bons gestores dela se aproveitem para lançar mão às estruturas chaves das diferentes economias? Porque é tão fácil fazer boa gestão em empresas cujos serviços prestados são sempre aumentados e ninguém pode deixar de os consumir?
Por falar em empreendedorismo. Porque será que tantos bons gestores não empreendem na economia real e se exige aos que não têm meios que o sejam? Parece-me que anda por aqui uma ciência económico-financeira que me faz acreditar que não há boa gestão sem maus gestores.....
POrtugal mais forte e os Portugueses...
... mais fracos...
Será que Passos ainda não se apercebeu que ainda existem Portugueses em Portugal???
Nem todos têm posses para comprar um bilhete de avião.
Re: POrtugal mais forte e os Portugueses...
Re: POrtugal mais forte e os Portugueses...
EU DIRIA...
Menos piegas!

A maior parte das pessoas já se habituou a viver com menos rendimento e estão mais preparadas para passarem fome...

De modo que, venha a crise, que nós cá estamos para emagrecer!!

Ai Passos, Passos que saiste pior que a encomenda...
Então e as PPP, já acabaram??
Então e os milhares de fundações, já acabaram??
Então e as milhares de empresas municipais, já acabaram?
Então e os reformados milionários, ao estilo Cavaco, já acabaram?
É mais fácil cortar na saúde e na educação e aumentar os impostos pornograficamente?? Claro que é! Isso também eu fazia...
Re: Portugal "está hoje mais forte", diz Passos
Ganham-se melhor as guerras pelo estratagema; mas ao povo governa-se melhor pela franqueza.
O povo já não acredita nas promessas dos governantes, porque perdeu a vontade fanática que o levava a acreditar e a ter razões para isso.
Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso.
COM SÓCRATES ESTAVAMOS À BEIRA DO ABISMO!
Com o Passos demos um passo em frente!
Re: COM SÓCRATES ESTAVAMOS À BEIRA DO ABISMO!
Re: COM SÓCRATES ESTAVAMOS À BEIRA DO ABISMO!
Escudo volta!
Portugal nunca esteve tão mal, contudo a europa ao lado nunca esteve tão mal e quase pior do que Portugal. Os políticos Portugueses sempre foram mesmo muito fraquinhos. São uns relativistas.
Comentários 91 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub